Publicidade
Drogas

Um dealer explica como podes saber se a droga que encontraste na rua é boa

Espera! Antes de dares cabo do saco segue estas recomendações de um profissional.

Por Pol Rodellar; Traduzido por Madalena Maltez
20 Junho 2019, 4:17pm

Foto via Flickr | CC BY 2.0.

Este artigo foi originalmente publicado na VICE Espanha.

Ali está, no meio da rua, totalmente visível e quase iluminado por um raio de luz divina. É estranho que ninguém tenha visto isto antes e não tenha ficado com ele, é evidente que está lá, é impossível não ver: alguém deixou cair um saco de coca (ou algo do género) na rua. Vais andando e está cada vez mais perto. Três, dois, um, agachas-te e zás! Já o tens na mão. Dás um toquezinho no braço do amigo com quem estás e dizes-lhe "olha o que acabei de encontrar", abres subtilmente a mão e exclamas, num tom exagerado e ironicamente emocional, "DROGA".

No seio de uma sociedade que convive com o uso recreativo de drogas, é muito provável que em algum momento das nossas vidas tenhamos encontrado algo no chão de uma rua qualquer. A droga tem um valor económico que não podemos ignorar e é por isso que é normal que, por defeito, pensemos em ficar com ela. Talvez em algum canto do nosso cérebro pensemos que poderemos trocá-la por dinheiro, por isso é difícil ignorar esse saquinho e deixá-lo aí para outra pessoa o encontrar e "forrar-se" com ele.


Vê o primeiro episódio de "Hamilton's Pharmacopeia"


Mas, se somos consumidores, é evidente que a ideia de a consumir nos vai passar pela cabeça. Sabemos que se trata de algo perigoso, que supõe lançarmo-nos numa aventura desconhecida, podemos até dizer que é um acto de fé, mas o apelo da droga grátis e da história que podemos depois contar não tem rival.

Portanto, falei com o dealer de uns amigos, que dá pelo nome de "Dr. High", para que me desse uns conselhos sobre consumir qualquer tipo de droga que possamos encontrar perdida pela rua.

VICE: Já todos encontrámos, uma vez ou outra, um saquinho com coisas na rua. Diz-me doutor, é recomendável consumir esse achado?
Dr. High: Não é recomendável em nenhuma circunstância. Não sabes o que está dentro desse saco, não sabes se alguém o misturou com algo, não sabes de onde vem. Porque é que te haverias de expor voluntariamente a tanto risco?

Toda a droga que se vende é mais ou menos igual e, por isso, não deveríamos sofrer se encontramos alguma coisa no chão porque, muito provavelmente, será boa?
De todo. A norma nesta indústria é encontrar o ponto exacto entre "cortar" a substância, de forma a que continue a ser suficientemente potente para fazer efeito. Cada dealer trabalha com gente diferente e há uma quantidade inimaginável de laboratórios underground na Europa.

Como é que distinguimos o tipo de droga? Há algum truque? Alguma distinção no packaging, por exemplo?
Eu recomendo sempre tentar distinguir pelo cheiro, todas têm um odor específico. Cheira a speed? A cocaína? Ketamina? Se não és capaz de diferenciar o conteúdo, porque é que a queres tomar? Para além disso, pode ve-ser pela textura, que também é diferente. O speed vem em formato pasta, a ketamina pode parecer açúcar ou farinha e a cocaína costuma vir em pedras pequeninas. O packaging é exclusivo de cada dealer. A maioria trabalha com cores para que sejam fáceis de identificar na hora de as vender.

É recomendável fazer aquela cena que a polícia faz nas filmes de experimentar um bocadinho com o dedo para identificar o que é?
Hollywood 101. Apesar de ser certo que, até se a substância tiver sido comprada ao teu dealer e não encontrada no chão, deves sempre primeiro experimentar uma quantidade pequena antes de te lançares a dar cabo do saco inteiro.

Que sabores é que devemos distinguir? Que sabor tem a coca, o speed, o MDMA, a heroína ou a ketamina?
No geral, nenhuma delas é agradável ao paladar. São todas muito amargas e cheiram a produtos químicos. Todas têm um odor particular que é difícil de explicar se nunca as tiveres cheirado. No caso de uma droga cheirar a qualquer coisa que não seja suposto, MDMA que não cheire a MDMA por exemplo, NÃO a consumas.

Tanto no caso das pastilhas como das drogas em pó, há alguma coisa a ter em conta a nível visual? Grãos, partes empapadas, cortar a pastilha para verificar a consistência de dentro, se foi bem conservada e que não apodreceu, por exemplo?
É absolutamente necessário que a cor seja uniforme. Se vires partes brancas e amarelas misturadas (são as cores mais comuns) significa que foi cortada (e mal, porque te estás a aperceber).

Uma coisa, a droga tem prazo de validade?
São moléculas muito estáveis, lembro-me de ter lido há tempos que o MDMA pode manter as suas propriedades durante 500 anos. A minha recomendação é que as trates como os cereais, guarda-as num lugar fresco e seco onde não apanhem sol.

Se a encontrarmos um pouco molhada, o que fazemos? É melhor deitá-la fora, ou há métodos para secar a cena?
A única que devias encontrar um bocadinho húmida é o speed, já que se vende em formato pasta. É uma questão de o esticares num prato e deixares secar. Se encontras ou te vendem alguma outra molhada, não a consumas nem aceites.

Como podemos saber o quão forte ou o pura é?
A malta da Energy Control [ou do Kosmicare em Portugal, por exemplo] tem laboratórios em muitas cidades e costumam ter presença em festivais. Os seus serviços são gratuitos e recebem-te sempre com sorrisos quando lá vais. E, já agora, isso sim, se puderes deixar-lhes um donativo, não duvides em fazê-lo. O serviço deles é impagável.

Quais são os melhores sítios onde encontrar droga perdida (e de qualidade)?
Não sei se de qualidade, porque isso depende de quem seja, mas diria que no apartamento de algum dealer de certeza que encontras qualquer coisa debaixo do sofá ;).

Já alguma vez consumiste alguma droga que tenhas encontrado na rua?
Nope. Estou há demasiados anos nisto para cair nessa. Assim como também não aceito drogas de desconhecidos.

O que é o pior que pode acontecer?
O pior de tudo, a morte. Paragem cardio-respiratória seguramente. Menos extremo seria uma reacção alérgica, ou que comeces a ficar tonto ou com náuseas. Se isso acontecer num festival, NÃO hesites em abordar alguém do staff e contar o que te está a acontecer. Há sempre serviços médicos em grandes eventos. Ninguém te vai julgar, o que eles menos querem é uma morte no recinto.

Há uma coisa que gostaria de dizer nesta entrevista. Se a qualquer momento alguém sentir a necessidade de se drogar fora de um ambiente festivo, se sentires a necessidade de fazê-lo sozinho, ou por estares triste e tomar drogas te ajuda a fugir desse estado, não hesites em entrar em contacto com o Proyecto Hombre ou a FAD [em Portugal podes encontrar ajuda aqui]. Mais uma vez, ninguém te vai julgar. Eles estão lá para ajudar. Põe um travão antes que seja demasiado tarde.


Segue a VICE Portugal no Facebook , no Twitter e no Instagram .

Vê mais vídeos , documentários e reportagens em VICE VÍDEO.