Relato de uma trabalhadora sexual brasileira
Ilustração: Daniel Silva Lopes
Relato

Relato de uma trabalhadora sexual brasileira

"Acabar com a prostituição é acabar com o sustento de milhares de famílias."
19.6.18

Muitas pessoas me perguntam o que me levou a exercer a prostituição e eu respondo que foi a fome. Com três filhos pra criar, sem renda, geladeira vazia e sem perspectiva de emprego "formal", um puteirinho no interior na beira de estrada mudou esse cenário e matou a fome dos meus filhos.

Na época eu estava há dois meses morando de favor na casa uma amiga junto com os meus três filhos. Minha filha caçula ainda usava fraldas e, todos os dias de manhã, eu contava quantas fraldas ainda tinham. Eu também tinha que deixá-la algumas horas do dia sem usar para que as que ainda restavam durassem por mais tempo. Passei pela situação de ter que completar o leite das crianças com água para que chegasse até o final do dia.

"Passei pela situação de ter que completar o leite das crianças com água para que chegasse até o final do dia"

Quando somos nós a passar dificuldade a gente se vira e até na rua a gente dorme, mas quando são nossos filhos, não aguentamos a dor de vê-los passando por necessidades. Quando eu digo necessidade, não falo de luxo, falo do básico, do mínimo para se ter um pingo de dignidade, e eu prometi para mim mesma que eles nunca mais passariam por esta situação, e a prostituição permitiu que isso não voltasse a acontecer.

Quando vejo as pessoas destilando seus preconceitos e ódio contra nós, prostitutas, sem sequer saber das nossas histórias, eu me pergunto: será que essas pessoas imaginam que além de prostitutas nós somos mães, avós, filhas?

Pessoas com discursos desonestos, baseados em teorias "acadêmicas" e sem noção nenhuma da nossa realidade. Realidade essa que não fazem questão de conhecer ou de simplesmente nos ouvir.

Publicidade

Hoje trabalho na Guaicurus, em Belo Horizonte. Guaicurus é uma rua na região central da cidade onde ficam concentrados mais de 14 hotéis, com mais de 40 quartos cada um – conhecidos popularmente como "sobe e desce" –, onde nós, prostitutas, oferecemos nossos serviços.

"Chega a ser engraçado a petulância de algumas pessoas que nunca estiveram na zona dizendo saber mais dos anseios e sobre os nossos corpos do que nós"

Estou diariamente em contato com centenas de prostitutas e, quando não estou trabalhando, estou conversando com elas. Chega a ser engraçado a petulância de algumas pessoas que nunca estiveram na zona dizendo saber mais dos anseios e sobre os nossos corpos do que nós, as prostitutas.

No dia 2 de junho, Dia Internacional de Trabalhadores e Trabalhadoras Sexuais, a chapa de presidenciáveis do PSOL, formada por Guilherme Boulos e Sônia Guajajara, soltou uma nota nas redes sociais em apoio ao movimento das prostitutas, ressaltando a importância da “regulamentação do trabalho sexual para que profissionais do sexo tenham direitos trabalhistas e previdenciários garantidos” e por “políticas públicas que combatam o preconceito e o estigma moralista da sociedade que impedem o acesso aos direitos humanos e sociais básicos". A nota termina com a seguinte frase: "trabalho sexual é trabalho". Foi motivo o suficiente para aqueles que nos odeiam encher os comentários com discursos dotados de desconhecimento e muito ódio mesmo. Resultado: o post foi retirado do ar.

Li uma estudante de psicologia perguntando se a PL Gabriela Leite contempla "as meninas de 11 anos que se prostituem no Nordeste". Olhem como a pergunta de uma acadêmica é carregada de desinformação ou até mesmo desonestidade. Ela não sabe ou faz de conta não saber que manter relações sexuais com menores em troca de qualquer valor é exploração sexual. E exploração sexual é crime, ao contrário da prostituição exercida por mulheres e homens adultos e capazes. Ela misturou tudo em um discurso só para justificar o seu ódio contra nós.

Sobretudo em ano eleitoral, políticos que até então sempre diziam "não ter posicionamento sobre o trabalho sexual", se mostram simpatizantes e nos "estendem" a mão e concordam com o que sempre fizemos, lutando para que as pessoas entendam que trabalho sexual é trabalho e pela necessidade de uma regulamentação que nos dê acesso a direitos.

"Acabar com a prostituição é acabar com o sustento de milhares de famílias"

Estou escrevendo este texto no Piauí, participando de um seminário nacional das prostitutas, com dezenas de mulheres de todo canto do Brasil. Tem mulheres com 60, 50, 40, 30 anos de idade, mulheres com histórias de luta, organizadas e que continuam lutando para que as trabalhadoras sexuais tenham acesso aos seus direitos como seres humanos que somos. Por que não escutam essas mulheres? Por que não escutam Célia Gomes, de Teresina, Diana Soares, de Natal, Fátima Medeiros, de Salvador, Monique Prada, de Porto Alegre?

Um movimento com mais de 30 anos, que cresce a cada dia mais. Movimento que sabe da situação de cada prostituta que está na rua, desde a que trabalha na beira da estrada até as que trabalham em boates luxuosas. Sim, são realidades diferentes, mas todas nós sofremos do mesmo mal, o estigma, o ódio contra nós. Não estamos aqui glamourizando nada, até porque sabemos das nossas dificuldades em termos nossos direitos como cidadãs respeitadas simplesmente por sermos putas.

Publicidade

Há mulheres que não querem continuar exercendo a prostituição, e nós ajudamos a cada uma delas a encontrar o trabalho que lhes agrade.

Isso é muito diferente do discurso de quem quer acabar com a prostituição para que "mulheres que querem deixar a prostituição" possam assim fazer. Impossibilitar o trabalho de milhares que querem, sim, continuar exercendo a prostituição e não dar uma alternativa a altura, financeiramente falando, é cruel e desonesto – assim como querer que milhares de mulheres larguem a prostituição para que continuem exercendo trabalhos precários, recebendo salários de fome. De novo: é egocêntrico, é egoísmo.

Que as pessoas entendam que acabar com a prostituição não é acabar com os corpos disponíveis para objetificar, explorar e humilhar, porque isso já acontece dentro dos casamentos gratuitamente. E, sim, acabar com a prostituição é acabar com o sustento de milhares de famílias. Nós resistiremos e continuaremos vivas. E seguiremos lutando. Todo poder às putas!

Santuzza Souza trabalha como prostituta em Belo Horizonte (MG) e é uma militante putafeminista que pede melhores condições de trabalho e mais respeito na sociedade para as trabalhadoras sexuais do país.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.