FYI.

This story is over 5 years old.

Músicas de Chico: Guia Noisey para o 'Pop Menstrual'

De L7 a The Music, uma playlist pop e eclética para te ajudar a passar pela sangria desatada de todo mês.

Still retirado do clipe da Tacocat para "Crimson Wave" (sacou?)

Você já ouviu falar de rap. Você curte um techno. Manja um afrobeat. Mas e pop menstrual, você tá ligada? Tem umas disses pesadas no gênero (com letras como "Sou uma doença venérea, tipo um sangramento menstrual") e alto índice de fracassos, mas é realmente m sub-gênero obscuro. Apesar do potencial de induzir um arrepio escrotaço de corpo inteiro, tenho muito carinho por músicas dedicadas à menstruação e TPM. Num mundo que muitas vezes trata a menstruação como algo nojento e digno de vergonha, qualquer música que sangre livremente na indústria musical vira um clássico instantâneo aos meus olhos.

Publicidade

Motivada por esta leve obsessão, passei pelas runas antigas inscritas nas portas de banheiros, desviei de ovários rolantes e segui fielmente um único raio de sol num labirinto de O.B.s de forma a encontrar os melhores (e únicos) clássicos do pop menstrual. Agora, tirando meu fedora encharcado de suor e colocando minha gravata-borboleta, permita-me guiar você pela agonia que é o pop menstrual.

A MÚSICA PARA COMEÇAR SUA MENSTRUAÇÃO

"I was born to bleed, never wear white, or your shame will creep thru"

[Nasci para sangrar, nunca use branco, ou sua vergonha aparecerá]

Já fazem 25 anos que a banda riot grrrl pré-Sleater-Kinney conhecida como Heavens to Betsy deu luz a este clássico do pop menstrual intitulado "My Red Self" e mudou o mundo. Bandas pós-punk lideradas por mulheres já cantavam sobre abuso sexual, aborto, orgasmos e impressionavam geral ao admitir que às vezes os corpos femininos são meio nojentos e assustadores e com coisas escorrendo de forma nada estimulante sexualmente falando. Mas a Heavens to Betsy foi a primeira banda a falar de menstruação de verdade, mas nada se compara a ter 14 anos e um campo de batalha sangrento no lugar do corpo e ouvir essa música pela primeira vez.

A MÚSICA PARA QUANDO SUA MENSTRUAÇÃO ATRASA PRA CARALHO

"Out of season, happy I'm bleeding / Long overdue, too early and it's late, too"

[Fora de época, feliz por sangrar / Demorou demais, muito cedo e atrasado também]

Publicidade

Um ano após o Heavens to Betsy ter falado da hipocrisia na forma como nós (falhamos quando) falamos de menstruação, PJ Harvey se valeu de Dry, seu disco de estreia, para evocar o pânico absoluto de não menstruar na hora certa. Exceto, claro, que estamos falando de PJ Harvey e em vez de só se lamentar sobre estar inchada e com um TPM horrorosa, ela faz tudo através de metáforas assustadoras e lindas sobre frutas batidas e linho, conferindo à experiência muito mais dignidade e beleza do que normalmente se espera daquele momento em que a parada simplesmente não desce, acompanhada de um grito mental de "FODEU".

A MÚSICA PARA QUANDO SUA MENSTRUAÇÃO VIRA UMA ARMA BIOLÓGICA

"Eat my tampon, fuckers!"

[Engulam meu absorvente, cuzões!]

Não necessariamente uma música, mas O Grande Arremesso de Absorventes do L7 de 92 é parte integral da história do pop menstrual. Durante o show da banda no Reading Festival, deu ruim no equipamento do L7 e os "fãs" reagiram jogando coisas no palco. A guitarrista Donita Sparks — de saco cheio de lidar com equipamento escroto e as tralhas sendo arremessadas — reagiu ao remover seu absorvente e jogar na galera, gritando "Chupem meu absorvente, cuzões". O mesmo absorvente foi prontamente arremessado de volta (junto de um monte de garrafas de vidro) e o show continuou.

O ato de Sparks resultou em tanta histeria que foi descrito como "nojento", "a lembrança mais anti-higiênica da história do rock" e "guerrilha biológica" (historiadores entre nós devem lembrar da grande falta de noção do ano de 92), o que só cimentou como um dos melhores momentos a ter acontecido na história de toda a existência humana.

Publicidade

A MÚSICA PARA DEIXAR O SANGUE ROLAR

"I wonder, can these boys smell me bleeding, through my underwear / So I just left a big brown bloodstain, on their white chair"

[Fico pensando se esses garotos conseguem sentir meu cheiro sangrando, pela minha calcinha / Então deixei uma manchona de sangue na sua cadeira branca]

Cantora, multi-instrumentista, poeta, compositora, mulher de negócios e ícone feminista, Ani DiFranco foi a responsável por fazer de menstruações um posicionamento político. Em "Blood in the Boardroom" ela cria laços com a única outra mulher em sua gravadora (a recepcionista) ao pedir um absorvente emprestado pouco antes de decidir não usá-lo, deixando, literalmente, sua marca na sala da diretoria dominada por homens.

O protesto de livre sangramento de DiFranco quanto à exclusão das mulheres na indústria musical e o arremesso de absorvente de Spark eram coisas com as quais poderíamos nos identificar e/ou revoltar, mas apesar das reações que estes atos inspiraram, o pop menstrual ainda não era mainstream. Daí veio a Dolly Parton.

A MÚSICA PARA RECLAMAR DA SUA MENSTRUAÇÃO

"You know you must forgive us for we care not what we do, I got those can't stop crying, dishes flying PMS blues."

[Vocês sabem que tem que nos perdoar porque não damos a mínima pro que fazemos, tenho aquela TPM em que não paro chorar e nem os pratos de voar]

Um pedido de desculpas para qualquer um que já sofreu com as alterações de humor e rugidos de fúria, um lembrete de que botar um sorriso na cara quando está afundada em hormônios é coisa de santa ou sociopata. Sim, é uma música que reforça todo tipo de estereótipo e não incomoda em nada quem pensa que o cérebro de uma mulher deixa de funcionar na semana anterior à menstruação. Mas quando você está exausta, cheia de hormônios e vivendo cada estereótipo feminino já existente, "PMS Blues" é a resposta.

Publicidade

A MÚSICA PARA QUANDO SUA MENSTRUAÇÃO DESTRÓI SUA VIDA

"See I already know that I'm talkin, PMS."

[Veja bem, já sei do que estou falando, TPM]

A introdução falada de Mary J. Blige ao inferno da TPM é a parceira perfeita de "PMS Blues" de Parton. Parton fala aos homens que foram vitimizados pelas TPMs de suas parcerias, mas Blige volta-se para "as garotas", que ela sabe que entenderão bem suas roupas que não cabem, suas dores nas costas e sentimentos escrotinhos. Blige parte das frustrações de Heavens to Betsy, da raiva de DiFranco e Sparks, e a inevitabilidade da TPM de Parton para criar um clássico do pop menstrual sobre a pressão que as mulheres sofrem para fingir que sua menstruação não está rolando e tudo está.. Bem…

A MÚSICA PARA QUANDO VOCÊ NEM ESTÁ MENSTRUANDO E SÓ CONSEGUE PENSAR NISSO

"I'm bleeding, you're bleeding from within, I'm bleeding, you're bleeding from within, I'm bleeding, you're bleeding from within."

[Estou sangrando, você está sangrando por dentro, estou sangrando, você está sangrando por dentro, estou sangrando, você está sangrando por dentro]

Após Blige ter lançado "PMS", o pop menstrual deu uma sumida, e durante dez longos anos a única maneira pela qual entusiastas do gênero poderiam relembrá-lo seria interpretando errado qualquer música com as palavras "sangue", "dor", desespero", "terror", "cordas" e qualquer uma do Good Charlotte. Foi durante este período (risos) que descobri "Bleed from Within" dos sincerões to The Music. Uma banda de caras cis de Leeds não soa como sucessora óbvio da coroa de Blige, mas graças à múltiplas repetições de "You're bleeding from within", o que poderia ser um hino de rock alterna abaixo da média acabou virando um clássico acidental do pop menstrual.

Publicidade

A MÚSICA PARA TE AJUDAR A RIR DA SUA MENSTRUAÇÃO

"My bed looks like the elevator from the shining."

[Minha cama parece o elevador de O Iluminado]

O pop menstrual dos primórdios era raivoso, angustiado, e engajado, mas não necessariamente engraçado. É fácil dar uma risada de bruxa má com a imagem de Ani DiFranco manchando o sofá de um executivo da música com o que havia em seu útero, mas na maior parte do tempo, faltavam risos. Após a grande sofrência menstrual musical dos anos 90, porém, uma porrada de músicas de pop menstrual engraçadinho surgiram. A melhor delas era "Shark Week", do Hand Job Academy, com trechos maravilhosos com: "Bleeding since eleven, bitch! I ain't new to this / Feels like a werewolf is living in my uterus" e "Baking cherry pie in the Kotex" [Sangro desde os onze, vadia! Não é novidade pra mim / É como se um lobisomem morasse no meu útero] e [Assando torta de cereja no Kotex]

A MÚSICA PARA DEIXAR AS MENSTRUAÇÕES DIVERTIDAS

"Sew a scarlet letter on my bathing suit, 'cause I've got sharks in hot pursuit."

[Costurei uma letra escarlate no meu traje de banho, porque tem tubarões me perseguindo]

Um ano depois do Hand Job Academy nos lembrar de que zoar menstruação é uma das curas genuínas para câimbras, Tacocat se valeu da mesma combinação de humor nojentinho e esperteza para tomar a praia de volta pra todo mundo que está naquela época do mês. Com uma pegada de "California Girls" da Katy Perry (só que com sangue!), "Crimson Wave" foi a primeira música que fez menstruações parecerem meio divertidas. E belas. Não algo que deveria rolar em uma distopia assustadora em que um governo bizarro está fazendo o Sol de refém e a humanidade se esconde em esgotos.

Publicidade

A MÚSICA PARA QUANDO SUA MENSTRUAÇÃO ESTÁ SENDO UMA OTÁRIA

"I question everything, my focus, my figure, my sexuality."

[Eu questiono tudo, meu foco, minha silhueta, minha sexualidade]

Isso pode soar meio estranho — especialmente vindo de alguém que passou as últimas mil palavras falando de sangue menstrual — mas tem vezes que uma menstruação é só uma menstruação. É isso que "Trying", de Bully, nos mostra, através da confissão ansiosa de Alicia Bognanno de que ela tem esperado por sua menstruação a semana inteira ["Been praying for my period all week"]. Esta é a evolução final do pop menstrual. Tivemos menstruações frustradas, menstruações que não vieram, menstruações raivosas, menstruações inevitáveis, menstruações esquecidas, menstruações brilhantes, menstruações engraçadas, menstruações públicas e agora elas são só menstruações mesmo.

Siga o Noisey nas redes Facebook | Soundcloud | Twitter