O EP solo do niLL e as tretas não-tretas do fim do Sem Modos

O fim do grupo de rap de vila mais amado do underground foi triste, mas para compensar, os ex-membros estão a todo vapor em seus trabalhos solos mantendo viva a chama do rap laricado.
3.6.16

É, o Sem Modos acabou mesmo, não tem mais choro. O grupo responsável pela melhor trilha sonopara tomar um Corotinho mais de rap desde Return to the 36 Chambers do Ol’ Dirty Bastard (é sério, não tô tirando não) vai ser sempre lembrado quando alguém estiver com menos de 20 reais no bolso e bem afim de zuar. Mas o “chora agora, ri depois” vale pra vileiragem também, e dá pra sentir a verdade do dito percebendo que, com o fim do Sem Modos, o que tá tendo agora são os ex-membros partindo para novos e entusiasmantes projetos que buscam dar um upgrade estético no clima “foda-se” do grupo original, mas sin perder a ternura que é beber pinga direto da garrafa e fumar maconha.

Publicidade

Seguindo o exemplo do Julian, o outro ex-integrante, niLL já está de volta com um novo EP. Lançado no último dia 24, NEGRAXA é o trabalho que inicia a sua fase solo e reflete sua identidade pessoal. “Se você ouvir o CD vai me conhecer bastante, mesmo sendo curto”, explicou niLL. Ainda bem largado no estilo dos beats e flow, o jundiaiense de 23 anos começou brincando de rimar na escola aos 16 e desde 2012 aposta em originalidade no Sem Modos, agora busca com o próprio nome a inovação em conteúdo e flow. Pra ele, agora é uma fase de exploração musical.

Mas nada se faz sozinho, niLL contou com o apoio monstro dos manos da Sound Food Gang, formada pelo rapper e os manos de Jundiai. A crew se formou assim que o Sem Modos acabou a partir de uma iniciativa do próprio niLL que queria seguir carreira solo mas queria se juntar com uma rapa pra fazer uma produção completa. Com cada função sendo cumprida da maneira ideal, desde o produtor dos clipes até o empresário e com um estúdio próprio as produções fluem bem e muita coisa está pra ser lançada. A crew conta com niLL, Érrea, G.u, Skin, China, Mokado, Mano Will, Dj buck, Young Buda e Chabbaz.

Leia o restante da matéria na VICE.