Novos Vizinhos: jovens refugiados  são os editores convidados da VICE.com

FYI.

This story is over 5 years old.

Novos Vizinhos

Novos Vizinhos: jovens refugiados são os editores convidados da VICE.com

Uma introdução.

De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), existem actualmente 65,3 milhões de pessoas em todo o Mundo que foram obrigadas a abandonar as suas casas. Dos cerca de 21,3 milhões de refugiados, mais de metade são menores de 18 anos, e apenas uma pequena percentagem foi acolhida na Europa.

Enquanto isso, o interesse dos media internacionais pela crise migratória na Europa caiu 65 por cento em relação ao ano passado, como mostram os dados do Google Trends.

Publicidade

Alguns atribuem este facto à chamada "fadiga da compaixão", ou ao desgaste que provoca a constante exposição a notícias negativas, mas, na minha opinião, o principal problema é a forma como os meios estão a fazer a cobertura do assunto. Poderíamos documentar o périplo dos 21,3 milhões de refugiados, utilizando a linguagem mais evocativa e as fotos mais fortes que possamos imaginar e duvido que, mesmo assim, conseguíssemos chamar a atenção das pessoas, pelo menos a suficiente para fazer a diferença.

"(…) tal como qualquer outro colega, ou qualquer vizinho que tenhamos tido, estas pessoas têm personalidades multifacetadas, que não se podem definir simplesmente pela sua condição de refugiados".

Mas, face à ascensão de nacionalismos, das xenofobias, do Brexit, de Muros e de tudo o que isso implica, não podemos simplesmente atirar a toalha ao tapete. Agora, mais do que alguma vez, num momento em que os países europeus se fecham numa postura nativista e de rejeição, é vital que repensemos a forma como tratamos este problema.

Na VICE queremos avançar neste diálogo e centrarmo-nos no aspecto da integração. Os nossos editores europeus pediram a jovens refugiados, que se estabeleceram nos seus respectivos países, para escreverem sobre o que quisessem. Fosse sobre o amor, música ou futebol. Com isto, queremos mostrar que, tal como qualquer outro colega, ou qualquer vizinho que tenhamos tido, estas pessoas têm personalidades multifacetadas, que não se podem definir simplesmente pela sua condição de refugiados.

Publicidade

O resultado desta iniciativa é uma compilação de 16 artigos [oito dos quais traduzidos para português], que publicamos simultaneamente em 12 idiomas e 14 países da Europa. Na VICE Portugal, os destaques vão para Carta para a rapariga por quem estou apaixonado, que vive no Afeganistão, Os livros que me ajudaram a suportar os horrores da guerra, O parkour ajuda-me a aliviar as saudades de casa, ou Fugi do Egipto e agora estou a estudar cinema em França.

Queremos agradecer ao ACNUR, a Olly Osborne, a Wiegertje Postma e aos editores da VICE de Espanha, Itália, Dinamarca, Suécia, Alemanha, França, Grécia, Países Baixos, Suíça, Áustria, Portugal, Sérvia, Polónia e Reino Unido por terem contribuído para levarmos este projecto a bom porto.

Elektra Kotsoni
Directora Editorial, EMEA


Assina aqui a petição do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), que urge os governos a assegurarem um futuro em segurança para todos os refugiados.