Finanças

Fotos do interior de um "Apartamento Colmeia" em Barcelona

"Se te sentires muito esmagada numa destas, podes escolher uma maior, de cinco metros, com o tecto mais alto".

Por Alba Carreres; fotos por Anna Álvarez Ortega; Traduzido por Madalena Maltez
16 Maio 2019, 5:36pm

Este artigo foi originalmente publicado na VICE Espanha.

A primeira das quatro vezes que entrei num destes cubículos de três metros e picos, saí com o coração apertado. Não me podia imaginar - nem ao pior dos meus inimigos - a dormir ali e a viver numa destas "colmeias" partilhadas com 15 pessoas.

A empresa que promove estes chamados "Apartamentos Colmeia" chama-se Haibu 4.0 e aterrou há cerca de um ano em Barcelona, Espanha, uma das cidades mais castigadas pelos elevados preços das rendas.

Viver num dos nichos mais pequenos desta colmeia custa 150 euros por mês. "Há medidas diferentes", diz-me Marc Olivé, o impulsionador do projecto. E explica: "Se te sentires muito esmagada numa destas, podes escolher uma maior, de cinco metros, com o tecto mais alto".

1558027049342-1556615257608-DSCF5575
Habitáculo modular de um "apartamento colmeia".
piso colmena
Héctor, morador de um "apartamento colmeia", mostra-nos o seu quarto, um pouco mais alto e espaçoso que os polémicos "nichos". Debaixo da cama guarda todos os seus pertences.

Olivé explica que é uma casa provisória e que será uma ajuda para que pessoas mais necessitadas possam poupar. A "colmeia" que visitámos não tem cozinha, por isso os habitantes têm de se alimentar à base de comida pré-feita, não há espaço suficiente para guardar todos os seus pertences e os que ali dormem dizem que tiveram vários problemas de convivência, como ruídos altos às tantas da madrugada e roubos de objectos pessoais.

piso colmena
Marc Olivé, gestor da Haibu 4.0 e promotor dos "apartamentos colmeia", mostra-nos a entrada oculta de um deles.

Ainda assim, Olivé assegura que esta "colmeia" em cimento está inacabada: "Vão mandar-nos embora em breve, porque esta é uma colmeia ilegal, não temos licença, oficialmente somos um coworking. Como sabemos que a vamos ter que desmontar, não vale a pena gastar mais recursos", justifica.

piso colmena
Uma das três casas-de-banho deste "apartamento colmeia".

As pessoas que aqui vivem aqui são maioritariamente homens, entre os 30 e os 40 anos, trabalhadores mas que recebem um salário bastante precário se comparado com os preços rendas. Não podem pagar um quarto nem de 400 nem de 300 euros, preços que são, actualmente, os que se encontram em cidades como Barcelona e arredores [em Portugal o problema é semelhante].

piso colmena
Alguns dos pertences que os residentes guardam onde podem.

A Câmara Municipal de Barcelona tem tentado acabar com este tipo de iniciativas, declarando-as ilegais por não serem consideradas habitações dignas. Apesar disso, Olivé explica que estão a procurar uma forma legal de ampliar o negócio. "Cada dia há mais gente que nos contacta, porque precisa de uma alternativa mais barata. Não considero digno aquilo que estamos a oferecer, mas ainda assim as pessoas precisam de um sítio para viver, com um baixo custo e vêem as colmeias como uma solução temporária para a sua situação pessoal", assegura.

piso colmena
Os habitantes dos "apartamentos colmeia" costumam pendurar as toalhas húmidas nas portas dos seus habitáculos para secarem.
1556617726202-DSCF5664
Um dos duches, montado em cima de uma estrutura de forma a facilitar que a água escorra.
piso colmena
Interior do armário de um dos residentes.
piso colmena
Ferramentas e diversos materiais guardados ao lado de um dos habitáculos de três metros quadrados.
piso colmena
Zona comunitária de descanso
piso colmena
Pequeno armazém ao lado das escadas de entrada.
piso colmena
Lavatório da cozinha.
piso colmena
Uma das casas-de-banho.

Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.