Games

'Dungeons & Dragons' finalmente recebe ferramentas digitais oficiais

O RPG de mesa mais popular do mundo também quer bombar no Twitch.
MS
Traduzido por Marina Schnoor
dn
Traduzido por do not use
Imagens: Curse/Reprodução.

Matéria originalmente publicada no Motherboard US.

Não importa quanto você ama jogos de RPG usando papel e caneta, a matemática e a papelada envolvidas podem estragar boa parte da diversão. Criar personagens pode ser muito legal ou pode ser um dia inteiro perdido procurando tabelas em livros de regras e fazendo ao mestre perguntas que levam uma hora pra responder.

Adoro mestrar para os meus amigos, mas conforme todo mundo se mudou para outras partes do país e começamos jogar por Skype, toda essa matemática e problemas de referência só pioraram. Às vezes as pessoas perdem sua ficha de personagem e nunca fizeram um backup. Com metade dos jogadores nas telas do Skype, não tem como verificar o que os dados deles deram para ver se eles estão mentindo.

Publicidade

Há alguns anos faço o que posso com soluções criadas por fãs como o Tabletop Simulator do Steam e o Hero Lab. Essas ferramentas são uma benção, mas vêm com seus próprios problemas. O Tabletop Simulator é lento, pesado e feio. O Hero Lab é ótimo para gerenciar fichas de personagens, mas basicamente só isso.

Felizmente, Dungeons & Dragons – o primeiro RPG moderno – acabou de lançar um novo conjunto de ferramentas digitais que deve nos livrar de um pouco do sofrimento dos jogos com papel e caneta. Dungeons & Dragons Beyond é uma evolução digital incrível para um jogo antigo. Ele já está me ajudando com o fardo do mestre: eu levava uns 15 minutos para rastrear um item mágico obscuro referenciado num modo de aventura. Agora isso acontece instantaneamente.

"Criar um conjunto de ferramentas abrangente para D&D é um desafio", me disse Adam Bradford, chefe de produtos da Curse – a empresa por trás de Beyond – por e-mail. "O jogo em si é 'faz de conta estruturado'. Há regras, mas não limites. Por mais que eu goste de jogar videogames de mundo aberto, esses jogos ainda são limitados pelas fronteiras do mapa. Esse não é o caso com Dungeons & Dragons. Por causa de todos os desafios em digitalizar D&D, levamos tempo para chegar até aqui, mas estamos comprometidos em fazer a espera valer a pena."

O Beyond é um portal online onde novos jogadores podem entrar através de uma conta no Twitch. Usar uma plataforma tradicionalmente ligada a streaming de videogames pode parecer estranho, mas tem uma lógica aqui. A Curse – uma empresa que começou construindo mods e ferramentas para videogames – é a criadora de Beyond. O Twitch é dono da Curse e os usuários da Curse usam contas no Twitch para logar em todos os seus serviços.

Publicidade

"Com o surgimento de livestreams populares, como Critical Role e Acquisitions Inc., transmitir D&D é mais popular que nunca", ele me disse. "O número de grupos de jogos se formando para transmissão está crescendo o tempo todo, e esse crescimento é meio que um leme para o jogo. Mais e mais pessoas estão se envolvendo com D&D por causa do streaming, e mais pessoas estão fazendo streaming depois de entrar no jogo."

A integração com o Twitch está próxima, Bradford promete, mas por enquanto, Beyond é um conjunto de ferramentas que ajuda os jogadores a aprender a jogar, fazer personagens e achar referências nos livros mais rápido do que virando realmente as páginas ou procurando em documentos de PDF.

Assim ficou a ficha do meu personagem, o poderoso Muzzle.

Dez segundos depois de entrar no sistema, gerei aleatoriamente um gnomo de pedra nível um chamado Muzzle. Foi o mais rápido que já criei um personagem para qualquer RPG. Daqui eu podia mexer em suas características através de um sistema direto de menus.

Beyond dá mais aos jogadores que apenas características, equipamentos e vários itens mágicos. Ele também organiza a informação para torná-la mais palatável para a era digital. Da ficha de personagem do Muzzle, pude clicar num link para saber mais sobre Gnomos de Pedra, depois em outro para saber suas peculiaridades e folclore.

Com Muzzle modificado para os meus gosto, pude exportá-lo para uma ficha de personagem propriamente dita e imprimir. Em minutos, terminei um trabalho que geralmente leva horas. É verdade que Muzzle foi gerado aleatoriamente, mas Beyond vai cortar horas em criação de personagens – uma tarefa que antes eu levava uma sessão inteira para acabar como mestre.

Publicidade

O criador de personagens é ótimo – e grátis – mas eu queria mergulhar mais fundo para ver quão robusto era o sistema. E foi aí que tive problemas. Dungeons & Dragons Beyond não é barato, assim como o jogo tradicional. As versões digitais dos livros custam o mesmo que as impressas – $30 cada.

Por esse preço, os jogadores têm acesso ao conteúdo completo do livro impresso – com as ilustrações – mas com a facilidade dos hiperlinks. É muito mais que um simples PDF. Não é mais preciso caçar por vários livros a referência a um traço específico. Os livros digitais são intuitivos e cheios de hyperlinks. Se estou lendo uma história e vejo uma referência a um monstro, é só clicar no nome para ver a descrição completa da criatura em qualquer lugar do ecossistema do Beyond.

Há também um serviço de assinatura para jogadores que quiserem integrar suas campanhas totalmente ao sistema Beyond: US$ 2,99 (R$ 10) por mês para jogadores e US$ 5,99 (R$ 20) por mês para mestres. A assinatura permite que o usuário crie quantos personagens quiser (o Beyond limita as contas grátis a seis personagens) e compartilhar conteúdo. O mestre tem o benefício extra de compartilhar qualquer conteúdo que comprar com jogadores inscritos em sua campanha. Assim, nem todo mundo tem que comprar o Guia do Mestre e o Manual dos Monstros.

Beyond é um bom começo e, na minha opinião, melhor do que muitas ferramentas criadas por fãs. Há alguns bugs, mas ainda estamos nos primórdios do sistema e não levei muito tempo para resolver meu problema específico. Estou ansioso para ver a integração com o Twitch que a Curse prometeu como parte da próxima fase do desenvolvimento.

Apesar das peculiaridades, vou entrar de cabeça no Beyond. Para o mestre remoto, a facilidade de uso é boa demais para recusar. E assim que a integração com o Twitch entrar em vigor, vou poder passar a maior parte do meu tempo de jogo planejando a história, em vez de cruzando referências em fichas de personagens e obrigando os jogadores a serem honestos.

Leia mais matérias de ciência e tecnologia no canal MOTHERBOARD.
Siga o Motherboard Brasil no Facebook e no Twitter.
Siga a VICE Brasil no Facebook , Twitter e Instagram .