Animal sendo resgatado com vida em Brumadinho
Animal sendo resgatado com vida em Brumadinho. Foto: Michelli Oliveira/VICE
Noticias

Eutanásia animal por rifle é crueldade ou não?

Em Brumadinho, bichos foram alvejados no centro da testa para que suas mortes acontecessem de forma instantânea e indolor.

A devastação causada pelo rompimento da barragem de Brumadinho, MG, no dia 25 de janeiro, atingiu não apenas famílias, mas também a fauna local. Apesar dos esforços e mobilização das equipes de resgate animal, um cavalo e um bovino impossibilitados de serem resgatados foram sacrificados a tiros na segunda-feira, dia 28. O assunto ganhou comoção da população imediatamente e a ação foi por diversas vezes chamada de assassinato e execução, principalmente após a divulgação de um vídeo da ativista Luisa Mell afirmando que os agentes de resgate estariam assassinando os animais em vez de resgatá-los.

Publicidade

Porém, a eutanásia por rifle, nome técnico para o sacrifício animal com um tiro na cabeça, é permitida segundo a Resolução CFMV nº 1000/2012 que dispõe sobre procedimentos e métodos de eutanásia em animais. Segundo o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), os animais estavam atolados em um local de difícil acesso. Além disso, estavam debilitados, desidratados e em sofrimento há quatro dias, portanto, a decisão foi estritamente técnica.

Mais especificamente, o artigo 3º da Resolução garante que a eutanásia pode ser indicada quando “o bem-estar do animal estiver comprometido de forma irreversível, sendo um meio de eliminar a dor ou o sofrimento dos animais, os quais não podem ser controlados por meio de analgésicos, de sedativos ou de outros tratamentos”.

Rosângela Ribeiro Gebara, médica-veterinária e integrante da Comissão de Bem-Estar Animal do Conselho Regional de Medicina Veterinária de São Paulo (CRMV-SP), explica que quando o bicho está em extremo sofrimento e não é possível chegar perto dele por uma série de motivos, inclusive por ser uma área muito perigosa ou instável, a ação é a mais indicada: “A eutanásia tem como premissa aliviar o sofrimento de um animal. Num caso sem reversão, sempre pensamos do ponto de vista do bem-estar animal". Não que seja fácil até mesmo para os profissionais, ela pondera. "O bicho está em um extremo sofrimento, por isso é necessário abreviar a vida dele de uma maneira com que não sofra mais. Logicamente, não é uma coisa bonita de se ver, nenhum veterinário gostaria de fazer isso, mas existem situações em que realmente é preciso.”

Publicidade

O CFMV ainda afirmou que não havia condições de segurança para que os animais fossem içados, sendo que a área em que se encontravam oferecia risco aos socorristas. Isso impossibilitou uma intervenção com outra técnica de eutanásia, como a mais convencional, quando o animal é sedado. Nestes casos, o bicho recebe anestesia intramuscular, que o deixa sedado sem estresse. Ao passo que ele adormece e perde todos os reflexos, como em uma anestesia geral, o animal recebe uma sobredose até que o coração pare. Dessa forma o bicho não percebe que está morrendo ou sente qualquer tipo de dor. Contudo, o CFMV garante que o projétil utilizado produz dano cerebral grave e irreversível, o que leva o animal à inconsciência imediata, garantindo a morte rápida e indolor. A técnica é, inclusive, difundida e recomendada pela Organização Mundial de Saúde Animal.

Rosangela justifica que esse tipo de eutanásia causa uma insensibilização do animal pela morte do tecido nervoso. “O bicho perde toda a conexão do cérebro e do sistema nervoso central com o resto do corpo, assim passa a não sentir mais nada e morre por conta da falência do tecido nervoso. Naquele milésimo não tem como o animal ter consciência, não tem como ele ter nenhum tipo de cognição de perceber o que está acontecendo."

Para realizar esse tipo de sacrifício, é preciso treinamento e o atirador deve ser acompanhado pelo médico-veterinário ou então ser o próprio médico. A veterinária explicou à reportagem que, para abater o animal com um rifle, é preciso seguir um protocolo, ter uma arma adequada e acertar no local correto, bem ao centro da testa, para que a morte seja instantânea e indolor. Esse foi um dos motivos para o atirador ser um policial, explicou a porta-voz do CFMV, e, por conta da distância, era preciso experiência com tiros.

Publicidade

Quais os embates éticos?

Embora seja um protocolo mais recente da academia, estudantes de veterinária possuem como disciplinas a bioética e bem-estar animal, menciona Rosângela. “Tudo é ensinado: quando é indicado fazer a eutanásia e de que forma para minimizar todo estresse e medo possível.” Além disso, ela pontua a importância do suporte emocional ao veterinário. “É algo muito difícil de fazer, por isso existe uma discussão durante a faculdade. Nunca vai ser uma decisão fácil, por mais que o veterinário tenha todo o background."

A profissional também enfatiza que é preciso sempre pensar do ponto de vista do animal: se há alternativas ou não: "Se não há e o animal está em extremo sofrimento, realmente é preciso fazer aquela eutanásia e utilizar aquele método”.

Até a manhã da quinta (31), 57 animais foram resgatados pelas equipes de resgate de animais coordenadas pelo CRMV-MG – sendo 27 cachorros, um gato, dois bovinos, 14 pássaros, um cágado, dois patos, dois galos e oito galinhas.

Segundo o CFMV, as ações contam com a participação de 30 profissionais, entre médicos veterinários, zootecnistas e voluntários, além da parceria com a Escola Veterinária da UFMG e da Anclivepa Minas, Sociedade Mineira de Medicina Veterinária e Instituto Mineiro de Agropecuária. Todos os animais resgatados estão sendo encaminhados para uma fazenda, onde passam por triagem e recebem tratamento.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.