Noticias

Alguém peidou tão fedido num avião que eles tiveram que pousar na Áustria e chamar a polícia

PELAMOR, GALERA.
MS
Traduzido por Marina Schnoor
Foto via Flickr/Terry Whalebone; colagem relativamente insana pelo autor.

Matéria originalmente publicada na VICE UK.

É 2018 e as tripas podres de alguém fizeram um avião pousar, de novo.

Isso continua acontecendo: em 2014, aconteceu o notório Avião do Cocô; em 2016, um cara num avião para Paris mijou em outro passageiro e começou uma pancadaria generalizada em pelo voo; em 2017, em agosto, um avião decolou do aeroporto de Oklahoma City mas teve que voltar e pousar por causa de um estranho fedor. E no final de semana, quando você só queria seguir com a vida, um avião teve que pousar no caminho de Dubai para Amsterdam porque um dos passageiros se recusava a parar de peidar.

Publicidade

Vamos citar as notícias reais sobre o caso, depois podemos mergulhar no uso da palavra “recusa” em todos os relatos do incidente:

Um senhor idoso num avião da Transavia Airlines foi obrigado a se retirar da aeronave depois que ela fez uma parada não programada em Viena, Áustria.

Segundo relatos, dois homens sentados ao lado da pessoa em questão pediram que o homem parasse com a flatulência, que supostamente já estava acontecendo há algum tempo.

Se o homem tinha alguma condição médica ou só queria incomodar não está claro, mas a situação estava tão ruim e fedida que uma briga teria começado.

Depois de avisos da equipe de bordo e até uma intervenção do piloto, o avião foi obrigado a pousar, e a polícia teve que embarcar para lidar com a situação.

Oficiais da polícia austríaca responderam às solicitações subindo a bordo com cães para remover o indivíduo flatulento. A filmagem do incidente foi compartilhada nas redes sociais por Alfred Dekker.

The Independent , ou pelo menos o Indy 100, 17 de fevereiro de 2018

Duas irmãs da fileira adjacente também foram removidas da aeronave como parte do Peidogedom, e citações do De Telegraaf sobre o caso sugerem que algo mais estava rolando do que só um tiozinho peidando agressivamente na fileira do meio para antagonizar todo mundo em volta:

É uma loucura termos sido incluídas, não fazíamos ideia de quem eram esses garotos, só tivemos o azar de estar na mesma fileira. Não fizemos nada.

Publicidade

Eles não fizeram nada para justificar o comportamento bizarro da equipe da Transavia.

Eles acharam que todos os marroquinos causam problemas? Por isso não deixamos passar.

Tivemos que achar nosso próprio voo para casa em outra linha aérea.

Tudo que posso dizer é que a equipe foi muito provocadora e incentivou a coisa toda.

Olha, aqui vão meus pensamentos sobre o caso, e só tenho quatro, então fique comigo, só vai levar mais umas 50 ou 1 mil palavras:

1- Sou uma pessoa bem-composta em termos de ânus. Acho que meu ânus é bem-comportado. Temos uma boa relação simbiótica, meu ânus e eu, construída sobre uma fundação sólida de confiança, e basicamente o que estou dizendo aqui é que raramente cago ou peido a menos que eu realmente queira. Não curto soltar gases na frente de ninguém, nunca, então sempre vou ao banheiro se realmente preciso. (Muita gente pode argumentar que estou sendo paranoico com peidos e deveria procurar terapia ou ajuda médica). Tem sido assim desde que caguei na calça. Acho que se você precisa peidar, até certo ponto, você pode reprimir essa necessidade. Você não precisa peidar uma tempestade num avião. Você não precisa peidar nenhuma vez num avião. Se você peidou tantas vezes que as pessoas ao se redor reclamaram, sobre os peidos, então você peidou demais, cara.

2- Da mesma maneira, vamos fazer um exercício aqui: quantas vezes uma pessoa sentada na fileira do meio precisa peidar antes de você apertar o botão para chamar a comissária e fazer uma reclamação? Um peido: eu teria tolerado. Acidentes acontecem. Dois ou três peidos: na minha cabeça, vou começar a ter pensamentos cada vez piores sobre a pessoa do meu lado. O voo de Dubai para Amsterdam é de 7,5 horas, e um humano médio peida 14 vezes por dia, ou 1,7 vezes por hora. O voo permitia uma média de peidos de 12,5 por pessoa por ânus. Mas também penso no meu jeito inglês – duas forças opostas: a necessidade de reclamar e a necessidade de não reclamar – indo uma contra a outra cada vez mais rápido. Quantos peidos você toleraria antes de reclamar? Os peidos de 6 a 12 fariam eu revirar os olhos e suspirar. Os peidos além do 12 gerariam pensamentos de violência. Mas vou realmente reclamar disso? Para outro ser humano? A ponto do avião ter que pousar na Áustria? Não sei se esse número de peidos realmente existe.

3- Acho que se alguém me pedisse para parar de peidar, eu pararia de peidar. Eu não me recusaria parar de peidar. Você imagina a sensação intensa e quente no seu peito quando alguém – um estranho! – te pede para parar de peidar porque você já peidou demais? Às vezes você tem que peidar, entendo isso. Mas se alguém olha nos seus olhos e te pergunta diretamente: “Senhor, por favor. Você vai parar de peidar ou eu vou pousar esse avião” – se o capitão teve que ligar o intercomunicador e pedir para todo mundo parar de peidar – eu pararia de peidar. Eu entendo peidos. Já peidei na minha vida antes. Já vivi incidentes onde eu queria peidar mas escolhi não peidar. Se alguém me pedisse para parar de peidar, eu pararia de peidar tão forte que meu corpo todo se contrairia, totalmente, e eu acabaria morrendo.

4- Acho que é hora de admitir que nós, a humanidade como um todo, não fomos fisiologicamente pensados para viagens aéreas. Precisamos ter isso em mente. Continuamos cagando, brigando, mijando e peidando em níveis absurdos em aviões. Ficamos desidratados e perturbados. Recentemente fiz uma viagem de 12 horas para a Costa Oeste dos EUA numa dessas chamadas “aeronaves” e quase perdi a cabeça. A mente humana não pode se ocupar por 12 horas direto sem enlouquecer. Elon Musk mandou um carro para o espaço como um tipo de piada estilo vilão do James Bonde, e tudo que consegui pensar quando vi aquele manequim vestido de astronauta sentado lá foi: e se fosse um ser humano? Ele explodiria até a morte pela simples força de vontade de segurar um peido? Ele estaria lá em cima, como eu estive, curtindo de verdade dois episódios aleatórios de New Girl? Ele comeria uma refeição com carne demais e ficaria se sentindo enjoado por 18 horas? Mal conseguimos lidar com voar alguns milhares de metros acima do chão. Nós, coletivamente, não estamos prontos para o espaço. O Peidorrento da Dubai-Áustria é um alerta para a humanidade e seu futuro: não vá para a grande fronteira desconhecida. Você vai se cagar loucamente até a morte lá em cima.

@joelgolby

Siga a VICE Brasil no Facebook , Twitter e Instagram .