Drogas

Boletim Matutino da VICE - 4/1/2019

Tudo o que você precisa saber sobre o mundo esta manhã com curadoria da VICE.
vac_abr_0101199754
Valter Campanato / Agência Brasil

Brasil

Ministro do Turismo criou candidatos laranjas para desviar recursos na eleição

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL), deputado federal mais votado em Minas, patrocinou um esquema de candidaturas laranjas no estado que direcionou verbas públicas de campanha para empresas ligadas ao seu gabinete na Câmara. Após indicação do PSL de Minas, presidido à época pelo próprio Álvaro Antônio, o comando nacional do partido do presidente Jair Bolsonaro repassou R$ 279 mil a quatro candidatas. O valor representa o percentual mínimo exigido pela Justiça Eleitoral (30%) para destinação do fundo eleitoral a mulheres candidatas. Apesar de figurar entre os 20 candidatos do PSL no país que mais receberam dinheiro público, essas quatro mulheres tiveram desempenho insignificante. Juntas, receberam pouco mais de 2.000 votos, em um indicativo de candidaturas de fachada. - Folha de S. Paulo

Publicidade

Morre Sabrina Bittencourt, mulher que ajudou a desmascarar João de Deus

A ativista social e uma das mulheres que ajudou a desmascarar abusos sexuais de João de Deus e Prem Baba, Sabrina Bittencourt, 38, teria cometido suicídio no sábado (02), segundo ativistas e fontes próximas à vítima. Uma nota de falecimento comunicada à imprensa assinada por Maria do Carmo Santos (presidente da ONG Vitimas Unidas, com a qual Sabrina trabalhava) na manhã deste domingo (03), confirmava a morte da mulher. De família mórmon, Sabrina foi abusada desde os 4 anos por integrantes da igreja frequentada pelos pais e avós. Aos 16, ficou grávida de um dos estupradores e abortou. Bittencourt se dedicou à militância por vítimas de abuso por líderes religiosos, dentre eles Prem Baba e João de Deus. Ela é uma das criadoras da plataforma Coame, sigla para Combate ao Abuso no Meio Espiritual, ferramenta que concentra denúncias de violações sexuais cometidas por padres, pastores, gurus e congêneres. - Marie Claire

Novo presidente do Senado é investigado em dois inquéritos no STF

Eleito presidente do Senado para o biênio 2019-2021, Davi Alcolumbre (DEM-AP) é investigado em dois inquéritos no STF (Supremo Tribunal Federal) por supostas irregularidades relacionadas à campanha de 2014, quando se elegeu senador.Um dos inquéritos, que é o principal, está sob segredo de Justiça, mas os dois tratam sobre casos similares. Em suma, as suspeitas são de que o presidente do Senado tenha utilizado notas frias para comprovar gastos de sua campanha, entre outras irregularidades. Ele nega.No meio dessa investigação, a defesa do parlamentar encaminhou documento que continha assinatura de uma servidora municipal que, posteriormente, foi apontada como falsa por ela e por laudo da polícia. - Folha de S. Paulo

Publicidade

Flávio Bolsonaro homenageou policiais acusados de participar de 'guarnição do mal'

Além do ex-capitão da PM Adriano Magalhães da Nóbrega — apontado pelo Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ) como chefe da milícia do Rio das Pedras e do Escritório do Crime —, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) homenageou outros sete companheiros dele no 16º BPM (Olaria). Os integrantes do grupo, conhecido como “guarnição do mal” em comunidades da Zona Norte, receberam moções de louvor na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) no dia 4 de novembro de 2003. Após a homenagem, num período de cerca de um mês, Adriano e os mesmos colegas do Grupamento de Ações Táticas (GAT) se envolveram no sequestro, tortura e extorsão de três jovens da favela de Parada de Lucas, na Zona Norte. Até que, em 27 de novembro daquele ano, eles foram apontados como os executores do morador Leandro dos Santos Silva, de 24 anos. - O Globo

Mundo

Consumo de maconha medicinal é permitido em Portugal desde sexta-feira

O consumo de maconha medicinal se tornou legal em Portugal a partir desta sexta-feira, quando entraram em vigor as regras que determinam como a planta deve ser produzida, distribuída e vendida nas farmácias do país, que exigirão em todos os casos receita médica. A norma que legaliza o consumo medicinal desta planta foi aprovada no Parlamento em junho, mas carecia da regulamentação precisa para seu funcionamento, que foi aprovada em janeiro e entra agora em vigor. O Estado português controlará todo o processo, “desde o cultivo da planta à preparação e distribuição”, ressaltou a Infarmed, para “garantir que os produtos são produzidos de acordo com todas as boas práticas e requisitos aplicáveis” pela lei. - Agência EFE