O fogo na Amazônia não é natural. A culpa é dos humanos

Enquanto a Amazônia queima, é importante saber que esses incêndios não são naturais do ecossistema da maior floresta tropical do mundo – a culpa é das pessoas.
23.8.19
Uma imagem de satélite da fumaça dos incêndios na Amazônia e uma foto do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro
Esquerda: Imagem de satélite via NASA, direita: Flickr/Palácio do Planalto.

A Amazônia está queimando há semanas, criando nuvens de fumaça tão intensas que deixaram São Paulo nas trevas no meio do dia esta semana. Dá pra ver o cobertor de fumaça sobre o país do espaço.

Florestas tropicais são um dos ecossistemas mais úmidos da Terra, então como a maior delas – a Amazônia – pegou fogo? Segundo especialistas, a resposta não está nos padrões de temperatura ou ventos na Amazônia. Em vez disso, a causa raiz das queimadas é a atividade humana.

Publicidade

“Humanos estão criando esses incêndios, seja diretamente ou no sentido global com todas as mudanças do ecossistema”, disse Ruth DeFries, professora de ecologia da Universidade Columbia.

Fogo não é uma parte natural do ecossistema amazônico, como é em lugares como o oeste dos EUA. Segundo DeFries, a Amazônia, como qualquer floresta tropical, geralmente é úmida demais para sustentar queimadas por muito tempo. Mas os humanos mudaram completamente o ecossistema com desmatamento e colocando fogo deliberadamente na floresta, o que por sua vez tornou a região ainda mais suscetível a incêndios. É um círculo vicioso.

Queimadas são um dos maiores propulsores do desmatamento, disse DeFries, porque são o jeito mais barato, fácil e rápido de remover os detritos. Muitos fazendeiros ou proprietários usam fogo para limpar suas terras, mas esse fogo pode rapidamente sair do controle se as condições estiverem muito secas. O pico da temporada de queimadas da Amazônia vai de agosto até outubro, já que essa é a época mais seca do ano.

“Uma coisa importante para saber sobre a Amazônia é que poucos incêndios florestais ocorrem lá naturalmente”, disse Mikaela Weisse, que acompanha desmatamentos e queimadas como parte do Global Forest Watch do World Resources Institute. “Praticamente todo incêndio é começado por humanos.”

A equipe do Global Forest Watch está vendo incêndios chegarem a terras indígenas na Amazônia. Segundo Weisse, recentemente houve um aumento do desmatamento nas reservas Karipuna e Ituna Itata no Norte do Brasil – a última sendo lar de uma tribo não-contatada.

Publicidade

Semana passada, mulheres indígenas protestaram contra as políticas do presidente Jair Bolsonaro apoiando o desmatamento, que ameaçam suas terras. A Amazon Watch, uma organização sem fins lucrativos que defende os direitos indígenas na Amazônia, disse numa declaração à imprensa que, sob a presidência dele, fazendeiros e rancheiros se sentiram incentivados a começar os incêndios para expandir suas terras na floresta tropical.

O jornal Folha de S. Paulo, reportou o recente “Dia do Fogo”, no qual fazendeiros coordenaram uma grande queimada de árvores para mostrar apoio à posição do presidente. Segundo uma publicação local do Pará, a queimada coletiva aconteceu em 10 de agosto.

Incêndios florestais e desmatamento são crises gêmeas, uma piorando a outra e ambas alimentando o aquecimento global. “Uma das maneiras como desmatamento e queimadas impactam todos nós é através de um feedback que colabora com as mudanças climáticas”, disse DeFries.

Árvores contêm muita água, por isso o ecossistema da Amazônia é tão úmido. Quanto mais árvores você perde, mais seca a floresta se torna, e essas condições secas abrem caminho para mais incêndios. Esse círculo vicioso tem um efeito mais amplo: liberar o carbono que é armazenado nessas árvores.

“A Amazônia é um grande banco de carbono, então quando as árvores são queimadas e o carbono é liberado na atmosfera, isso exacerba nosso aquecimento global”, disse DeFries.

Publicidade

As mudanças climáticas tornaram as condições ainda mais secas, levando a mais incêndios e desmatamento. Alguns cientistas temem que a Amazônia esteja prestes a atingir um ponto sem volta, e pode se tornar um ecossistema muito mais seco e aberto no futuro.

Esse loop parece difícil de quebrar, mas o Brasil já fez isso antes. No começo dos anos 2000, o desmatamento era desenfreado no país, assim como incêndios intensos na Amazônia. Aí, depois de 2004, as taxas de desmatamento caíram rapidamente, em grande parte graças a políticas de conservação.

Desde que Bolsonaro assumiu, o desmatamento explodiu. Muitos culpam as políticas pró-agronegócio do presidente e o fracasso em impedir madeireiras de criar essa perda extrema de florestas. Recentemente ele também demitiu o chefe da agência que monitorava o desmatamento, que tinha alertado sobre o desmatamento rápido por ganho econômico.

Na quarta-feira, Bolsonaro culpou ONGs por começar os incêndios florestais para fazer sua administração ficar mal na foto. Ele não tinha nenhuma prova apoiando essas alegações.

“Ele pode negar o quanto quiser e culpar as ONGs, mas isso não vai impedir a fumaça de chegar a São Paulo”, disse DeFries.

Organizações estão trabalhando para rastrear essas queimadas, mas sem conter o desmatamento, o fogo pode causar um dano irreversível ao ecossistema brasileiro. Se perdermos a Amazônia – e toda a biodiversidade, produção de oxigênio e armazenamento de carbono que ela fornece – só podemos culpar os humanos.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Tradução do inglês por Marina Schnoor.