arte

Assim seria o corpo humano sem pele, cabelo e ossos

O trabalho de Markos Kay e Jan Kriwol, "Human After All", mostra-nos humanoides digitais, feitos apenas de artérias e veias, em ambientes mundanos.

Por Diana Shi
18 Abril 2017, 1:41pm

Este artigo foi originalmente publicado na nossa plataforma Creators.

Para lá da obsessão social pela aparência superficial, como somos por dentro? Apaixonado pelas ilustrações anatómicas da série Gray's Anatomy, o artista digital Markos Kay, avançou para um novo projecto em que imagina como se veriam as pessoas a caminhar, ou em actividades do quotidiano, se não conseguíssemos ver-lhes o cabelo, a pele e os ossos. Os desenhos de Kay são, pois, um estudo da figura do corpo humano, se este fosse apenas composto pelo sistema circulatório.

Em 2012, Kay começou a trabalhar neste projecto, intitulado Human After All, com Jan Kriwol, um fotógrafo polaco com interesse particular em ilusões de óptica. "O maior desafio foi criar um personagem anatómico que parecesse real e integrado num ambiente normal", conta Kay ao Creators. E acrescenta: "Passámos muito tempo a testar diferentes posturas e, por vezes, tínhamos de exagerar determinada postura, para que, visualmente, pudesse traduzir a estrutura desconstruida o sistema circulatório".


Vê também: "O cirurgião plástico que partilha as suas operações no Snapchat"


A maioria das fotografias foram feitas em zonas urbanas, em locais onde normalmente há muita gente. No que respeita ao trabalho digital de Kay, os espaços estão praticamente vazios, à excepção das figuras humanoides, que aparentam estar tranquilas, seja enquanto se preparam para comer um hamburger, ou quando vão às compras.

Kriwol, por sua vez, leva a sua mente criativa a viajar à volta do Mundo para encontrar fundos únicos para cada imagem de Human After All. As fotos foram captadas em Varsóvia, Tel Avive, Masada, Grenoble, Berlim, Bruxelas e Cidade do Cabo.

Ao desconstruir o corpo humano até às suas mais finas partes, Kay espera que o público tenha em conta a fragilidade das construções da civilização, em relação aos componentes orgânicos do corpo humano. O artista comenta: "Queríamos combinar o trabalho anatómico, com os ambientes urbanos, para criar um contraste entre a natureza e fragilidade da estrutura do sistema circulatório, com a natureza comum à sua volta, realçando o equilíbrio entre a ironia e o romantismo da condição humana". 

Abaixo podes ver imagens de Human After All. Podes também ver mais trabalhos digitais de Markos Kays no seu site, bem com outros projectos fotográficos de Jan Kriwol aqui.