FYI.

This story is over 5 years old.

Fotos

As fotos perdidas da Madonna

Em plena Nova Iorque dos 80.
15.7.14

Foi na Primavera de 1983, mesmo antes do lançamento do seu primeiro álbum, que Richard Corman fotografou a Madonna. Estas fotos foram publicadas em Novembro num livro de 90 páginas sob o título Madonna 83. Numa entrevista à Noisey, o Richard recordou o seu encontro com a cantora depois de um casting com o Martin Scorsese na Nova Iorque selvagem da época.

VICE : Como conheceste a Madonna?
Richard Corman: A minha mãe apresentou-ma. Esta a fazer um casting para a Última tentação de Cristo do Scorsese e a Madonna chegou a fazer uma audição para o papel de Virgem Maria. Não ficou com o papel, mas a minha mãe disse-me que devia conhecer a miúda. [Disse-me] “Nunca conheci ninguém como ela. É uma miúda única”. Como estava a começar a minha carreira em 1983, estava sempre à procura de pessoas interessantes para fotografar, então é claro que acedi em conhecê-la.

Foi o princípio da vossa carreira. Isso ajudou?
Para mim foi uma etapa muito emocionante porque estava a começar a definir o meu estilo. A Madonna era diferente de qualquer outra pessoa que já tivesse conhecido antes — tinha carisma, tinha empenho e era única. Tê-la à frente da minha câmara fez de mim um fotógrafo melhor. Era fresca, sexy, segura e linda. Ajudou-me porque também pude fazer umas fotos fantásticas, o que me deu confiança como artista. Não sei se a ajudou na sua carreira. Terias de lhe perguntar a ela. A única coisa que sei é que ela gosta das fotos porque foi um momento muito porreiro.

O que sentes quando vês estas fotos.
Lembra-me a loucura que Nova Iorque era nos 80. Estava cheia de jovens artistas (Basquiat, Haring) que, juntamente com a cidade, me inspiraram a fotografar e a ser em frente com as minhas intenções. Quando conheci a Madonna pela primeira vez, disseram-me que lhe ligasse de uma cabine telefónica. Disseram-me que havia grupos a rondar a sua casa e que precisava de dizer a 15, 20 pessoas que eu era seu amigo, senão a minha integridade física poderia estar comprometida. Quando entrei no prédio, aquele mar de pessoas partiu-se em dois e deixaram-me entrar.

Qual é a história do telhado e dos miúdos que fazem breakdance?
A Madonna era como O violinista no telhado do seu bairro. Todos os dias ligava para os putos para que fossem ao topo do prédio e ela com o seu gravador punha-se a cantar e a dançar. Ela inspirava-os e eles inspiravam-no a ela. Era como uma irmã mais velha para estes miúdos (que de certeza tinham uma vida familiar fodida). Depois de lhe tirar uma fotos no seu apartamento, convidou-me a subir até ao topo do prédio. Quando saímos do apartamento gritou para baixo e chamou os miúdos. As fotos sairam de forma orgânica. A partir daí fiquei em contacto com esses putos — que agora têm 40 anos. Alguns estão vivos, outros não e outros estão na cadeia.

Como era Nova Iorque em 1983?
Nova Iorque e Lower East Side tinham o seu próprio ritmo naquele momento. A cena artística estava viva e estava bem. Nova Iorque e Madonna são parte de um movimento criativo em que quanto mais pressão fazias, mais cedia. Acho que este espírito está de volta a Nova Iorque dos dias de hoje. Foi por isso que estas imagens estiveram escondidas durante tanto tempo. Ainda que a Madonna sempre tenha sido relevante, acho que estas fotos são hoje mais relevantes do que nunca.

Continuas em contacto com ela? Achas que continua a ser um modelo a seguir?

Estou em contacto com o seu staff, mas não directamente com ela. Sempre será um modelo a seguir. A sua presença será sempre uma inspiração para o mundo.