​https://www.vice.com/pt_br/article/epg59k/eles-me-arrastaram-pela-barba-sobreviventes-recontam-a-violencia-em-massa-contra-muculmanos-em-deli/preview?token=eyJhbGciOiJIUzI1NiIsInR5cCI6IkpXVCIsImNsaWVudF9pZCI6IjU4NTAxYTY0Y2M5M2QxNzc5NTk4YmM3YyJ9.eyJ0b2tlb
Um exemplo de tela onde você chega depois de clicar num banner no Pornhub. 

Tentei não gozar jogando os videogames adultos anunciados no Pornhub

Aceitei o desafio das propagandas mais pentelhas do Pornhub.
28 February 2020, 10:00am

Algumas imagens desta matéria podem ser consideradas NSFW.

Passo muito tempo no Pornhub pro meu trabalho, e tem um tipo de propaganda no site que não consigo tirar da cabeça. As imagens mudam, mas a cópia é geralmente a mesma, me apresentando um tipo de desafio, talvez com um tom de hostilidade: “Tente não gozar jogando este jogo”.

O desafio geralmente vem com uma garota gótica peituda estilo Dungeons and Dragons ou outra personagem animada. Recentemente, tenho visto a Elsa e a Anna do Frozen fazendo coisas indescritíveis nesses banners. Elas zombam de mim. Tente não gozar, elas dizem. Tente.

frozen-ad

A insinuação é que esses games são tão provocantes – as personagens cheias de tesão da Disney tão sexualmente potentes – que um jogador não é capaz de jogá-los sem gozar incontrolavelmente.

Tentando prestar um serviço público, decidi me enfiar nesse buraco do coelho das propagandas de videogames pornô, e tentar não gozar.

*

A primeira coisa que você tem que saber é que esses jogos não são exatamente grátis, e não dá pra comprá-los como um jogo no Steam. Essas propagandas estão vendendo assinaturas de sites de videogames adultos. Todos as propagandas na rede do Pornhub (YouPorn, Redtube etc.) são gerenciados pela TrafficJunky, propriedade da empresa mãe do Pornhub, a MindGeek. É um ouroboros de dinheiro de publicidade, comendo o próprio pau, infinitamente. Me dizendo pra não gozar.

Segundo o site do TrafficJunky, as propagandas geram três bilhões de impressões por dia. Por baixo, centenas de milhões de pessoas são confrontadas, todo dia, com uma imagem provocante de uma mulher animada ordenando que elas não façam exatamente o que entraram no site pra fazer.

Começo minha jornada de avaliação de games pornô em casa, não na redação da VICE, porque não sei o que vai acontecer na minha tela. Começo clicando no primeiro vídeo na seção de “Os vídeos pornôs mais quentes dos EUA” na homepage do Pornhub, “ADOLESCENTE É CHUPADA PELA MELHOR AMIGA DA MÃE”.

O primeiro banner ao lado do vídeo é do Cumshots: The Game. Eles dizem que é um “simulador de casos familiares”, mas quando clico, ele me leva para uma página rotacionando clipes de animação 3D de personagens da fantasia, boquetes em homens de dois pintos e o que parece ser a coelha policial do Zootopia.

Clico de novo e me mandam para um questionário, uma página inteira por pergunta, com esses personagens pornôs rodando no fundo. As perguntas:

- Escolha seu gênero. Escolhi masculino.

- Escolha seu parceiro sexual, Leliana ou Vereesa. Escolho Vereesa, e fico imaginando por que o site supôs que sou um homem hétero.

- Escolha tamanho do pau: pequeno, médio, grande ou imenso. Escolho o imenso, que é da largura de um skate segundo a visualização numa pessoa em CG.

- Escolha o tamanho dos peitos da parceira. Escolho “imensos”, o que é tipo um par de bolas de praia numa mulher que provavelmente não conseguiria ficar em pé com eles.

Depois de juntar essas informações básicas, o questionário começa a fazer perguntas mais sérias;

Qualquer coisa pode acontecer nesses jogos, incluindo sexo agressivo, tudo bem pra você?”

Esse jogo está sendo chamado de o jogo de sexo mais viciante da internet, você tem o que é preciso para jogar?”

Para evitar qualquer problema. O jogo inclui muita dominação e submissão feminina. Tudo bem pra você?”

Você tem alguma condição médica que pode ser desencadeada por jogar videogames? Por exemplo: convulsões, dependência ou comportamento agressivo?”

O que te excita em videogames?”

Isso continua até finalmente chegar numa tela que pede o número do meu cartão de crédito.

“Pessoas de Nova York precisam fornecer uma forma de verificação de idade (você não será cobrado). Somos obrigados pela lei de Nova York a verificar a idade dos jogadores”, diz o site. Não tem nenhuma lei em Nova York nem nos EUA que exige que sites adultos verifiquem idade em seus serviços para usar informação de cartão de crédito.

De jeito nenhum vou colocar minhas informações de cartão de crédito pessoal aqui, então espero voltar pro escritório e começo o processo todo de novo com um cartão de crédito da VICE.

Desta vez, começo o processo clicando na propaganda da Elsa e Anna do Frozen. Anna está olhando pros peitos da Elsa, que estão escapando de um sutiã. A Disney não respondeu meus pedidos de comentário sobre os peitos da Elsa.

Fiz o mesmo questionário e eventualmente me pedem o cartão de crédito de novo. O processo é uma armação pra me fazer assinar um teste de dois dias gratuitos no MyGamerVault.com. Não fica claro o que é esse teste de curto prazo, só nas letrinhas miúdas, que explicam que depois de dois dias, serão cobrado US$ 39,95 do cartão de crédito por mês, e essa cobrança vai aparecer na fatura como BRANDHELPSVCS.COM, um fornecedor de apoio ao consumidor e serviço de cobrança.

Foda-se, o dinheiro não é meu!

Coloco o número do cartão de crédito e finalmente entro no site do MyGamerVault, que tem um menu de games pornôs que parodiam videogames populares, como Call of Booty e Grand Fuck Auto. Eu jogava Call of Dutty quando era adolescente, então é esse que vou experimentar primeiro.

call of booty

Call of Booty

Tem uma intro curtinha usando stills que explica que minha missão é resgatar a Sarah, que está usando uma tanga camuflada, de um grupo de terroristas. O game em si é um jogo de tiro em primeira pessoa que parece feito com as ferramentas grátis da Unity. Sou largada num terreno rochoso com um fuzil e logo acho terroristas idiotas em quem atirar. A coisa toda roda no navegador, mas bem mal.

Os controles são péssimos e não consigo entender como faço pra recarregar, e minha mira já não é lá grande coisa pra começo de conversa, então morro três vezes nos primeiros cinco minutos. Desculpe, Sarah. Falhei com você. Não tenho tempo pra get gud no Call of Booty.

Avaliação final: até agora, não só não gozei como nem tive que tentar não gozar.

grand fuck auto

Grand Fuck Auto

Aqui, minha tarefa é “encontrar as gatas mais gostosas e transar com elas Grand Fuc__k Auto style”. O mais engraçado é que o jogo é no estilo dos primeiros _GTA_s, com uma visão de cima de um carro 2D. Também como no original, dirijo pela cidade procurando trabalhadoras sexuais (o que acontece nas cutscenes), falo com elas do jeito mais toscamente abusivo possível, daí fujo da polícia. Bato num carro de frente e é game over.

Avaliação final: não gozei, bicho.

World of Whorecraft

Aqui, sou um orc correndo a toda velocidade sem poder parar – só posso pular, matar, mergulhar e morrer. Morro seis vezes. Duas vezes por causa de lag na hora de pular e acabei dando com a cabeça numa pedra.

Avaliação final: nada de gozar.

Titris

Tentei jogar Titris, mas precisava ter o Flash, que o Guia da Motherboard Para Não Ser Hackeado diz claramente que os hackers adoram “porque tem mais furos que um queijo suíço”. A única diversão que tirei desse jogo foi o título.

Avaliação final: não gozei, ou tentei não gozar, e quase fodi meu computador.

cyberfuck

CyberFuck

CyberFuck, que deve ser uma imitação do jogo de tabuleiro Cyberpunk 2020, começa melhor: As instruções são dar prazer a uma mulher. Talvez eu goze hoje, hein.

Apesar das instruções sensuais, o jogo é a porra de um quebra-cabeça. Sou ruim demais em quebra-cabeças. De algum jeito, morri tentando resolver um. Chega.

Avaliação final: não gozei.

gothamsluts

Gotham Sluts

Gotham Sluts, um romance virtual, finalmente me deixou ver algum sexo. Mulher-Gato, Hera Venenosa e Harley Quinn transam com o Batman em esporádicos stills que se mexem. É difícil explicar, mas as únicas coisas que mexem são os peitos balançando e o pau, e só quando você fica passando o cursor por cima. É tipo um flipbook.

Como outros romances virtuais, o jogo não é muito interativo, e basicamente envolve clicar em falas simples. A parte mais videogame do jogo aqui é passar o cursor por cima da imagem o mais rápido possível para simular as estocadas do Batman. É uma versão mais explícita de WarioWare: Touched. (Eu ia dizer que é uma versão mais safada de Touched, mas esse jogo é safado mesmo.)

Avaliação final: pelo menos esse jogo teve sexo, mas não tive que tentar não gozar.

Going All The Way

Talvez eu tenha que deixar as paródias de lado e jogar um jogo que não faz nenhum trocadalho. Entro em Going All The Way, que, baseado no nome, implica que vou até o fim.

Infelizmente, é um jogo de pick-up artist tipo Super Seducer.

O jogo é basicamente uma grande árvore de diálogos onde falo com as moças e tento transar com elas. Tive que responder um monte de perguntas imbecis “corretamente” pra ter alguma chance de alguém gozar hoje.

Foi o primeiro game que joguei onde você tem chance de chegar ao ponto de fazer sexo – ou mesmo ver um mamilo exposto – nos primeiros dois minutos. Na verdade, depois de poucas linhas de diálogo consegui convencer uma mulher a fazer sexo. Depois de cuidadosamente chegar ao ponto onde posso fazer alguma coisa (“meter o dedo na boceta molhada dela”, é a ação que o jogo oferece), apareceu um close de uma mão e uma vulva... Ficar passando o mouse vigorosamente por cima da imagem no escritório é demais até pra mim, então fecho o jogo.

Avaliação final: dói ter que dizer isso, mas Going All The Way provavelmente tem a nota mais alta de todos os jogos desse site, só porque promete peitos e entrega logo. Mas não tive que tentar não gozar.

*

Procurando minha próxima experiência de jogo, buscando o prometido mas elusivo orgasmo, encontrei algo interessante. Até agora eu estava na página do MyGamerVault.com de jogos recém-adicionados. Mas partir para os jogos com as melhores avaliações revelou a sombria verdade do site: todos os jogos com as melhores avaliações são SFW, e muitos são jogos pra criança. Master Checkers, Super Cowboy Run, Cake Connect, Monkey Banana Jump. Colori um leãozinho no Coloring Book Animals. A pureza do momento quase me fez chorar.

Não sei como essa mistura de jogos de navegador adultos e totalmente inocentes acabou hospedada num site que faz propaganda no Pornhub, mas uma busca no Google revelou que pelo menos alguns desses jogos não foram feitos exclusivamente para o MyGamerVault. Cake Connect, por exemplo, também é hospedado num site de jogos educativos. Monkey Banana Jump está hospedado em outro site de videogames pra criança. Mas aqui estão eles, embaixo de várias propagandas de shows de camgirls e videogames como XXX-Men: Mutant Orgy.

Escrevi para o e-mail de atendimento ao cliente do MyGamerVault.com para perguntar como esses jogos de criança estão num site com anúncios de shows de cam e jogos explícitos, mas nunca recebi resposta.

Com minha jornada encerrada, decidi cancelar a assinatura.

Considerando todo o marketing agressivo, não acredite no hype das propagandas do Pornhub.

Sete jogos depois, e evitando por pouco uma cobrança de US$ 40 no cartão corporativo, tive que tentar não gozar? Não, nem por um segundo.

Não gozar foi fácil. Na verdade, posso nunca mais gozar de novo.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.