punks

FYI.

This story is over 5 years old.

Fotografia

Os primeiros anos do punk na Holanda

O punk chegou à capital holandesa em 1977, pela mão de Hansje Joustra e da sua loja de discos.
29.2.16

Este artigo foi originalmente publicado na VICE Holanda.

Estávamos em 1977 e o punk chegava a Amesterdão de rajada. O epicentro do fenómeno era Rozengracht, localidade onde Hansje Joustra tinha uma loja de discos. Hansje tinha estado em Nova Iorque e frequentado o CBGB. No regresso à Holanda estava mais do que convencido de que o punk conquistaria o mundo e que o faria a partir da sua loja. Houve movimento, grandes planos e, a partir destes, surgiram as primeiras editoras do género em Amesterdão: a Plurex e a No Fun.

Ambas contrataram as primeiras bandas punk holandesas, como os Tits, os Helmets, os Meccano Ltd., os Mollesters ou os Subway. Do dia para a noite, os Países Baixos ganhavam uma prolífica cena punk. Antes de haver sequer tempo para fazer cristas e meter piercings no nariz. Um casaco de cabedal e já se era muito punk.

Ainda assim, esta primeira vaga acabou por perder gás: a maioria das bandas acabou por claudicar e por passar para outros estilos e géneros (post punk e new wave) e a Plurex e a No Fun começaram a publicar material mais experimental. A No Fun mudaria mesmo o nome para Torso.


Vê também: "Os punks cubanos que se infectaram com HIV como forma de protesto"


Em 2015, o jornalista musical Oscar Smit lembrou-se de colocar em marcha um projecto de homenagem às três editoras (Plurex, No fun e Torso): organizou uma "band night" no mítico Paradiso, uma "tour punk" com passeios guiados pela cidade, fez uma fanzine e montou uma exposição na sala Melkweg. Para estas duas últimas iniciativas contou com a ajuda de Leonor Faber-Jonker, autora de "No Future Nu", um livro sobre a história do punk holandês.

As imagens que aqui podem ver-se fazem parte do arquivo do fotógrafo Martijn de Jonge, que cedeu algumas para a exposição. incluímos também algumas fotos de artigos relacionados com o punk que também podem ver-se na exposição. Algumas são da primeira vaga punk, outras posteriores, numa altura em que começavam a predominar as tachas, o cabedal, os pins e outras marcas da estética ligada ao movimento.

hoe-punk-in-nederland-begon662-790-1455749532

A fanzine punk "Attack", já existia antes de se formarem as primeiras bandas punk nos Países Baixos.

hoe-punk-in-nederland-begon662-386-1455748115

À esquerda, a baixista dos Speedtwins, Jacki, em 1978, no Paradiso. À direita, Nicole em frente do palco do Paradiso, também em 1978.

hoe-punk-in-nederland-begon662-453-1455748112

Punks, jovens e felizes, no Paradiso. 1978

hoe-punk-in-nederland-begon662-966-1455749618

Fanzine Attack

hoe-punk-in-nederland-begon662-710-1455748111-size_1000

Punks do Norte da Holanda durante uma festa na casa okupa "De Muur", em Spuistraat, Amsterdão, a 30 de Abril de 1986.

hoe-punk-in-nederland-begon662-177-1455748115-size_1000

Mais punks, entre eles o vocalista dos Zweetkutten, na casa okupa "De Muur", Amsterdão, 30 de Abril de 1986.

hoe-punk-in-nederland-begon662-928-1455748110-size_1000
hoe-punk-in-nederland-begon662-168-1455749621

Árvore genealógica feita por Joris Pelgrom, da banda Helmettes, que estabelece as relações entre os distintos grupos da cena (já que muitos partilhavam elementos).

hoe-punk-in-nederland-begon662-883-1455748109

Um rapaz com uma boina nazi durante o festival Fuck the Queen, em 1979, em frente ao NoName.

hoe-punk-in-nederland-begon662-950-1455749623

O lendário single dos Helmettes, "Half Twee". Segundo Leonor, esta música é punk em estado puro: tosco, divertido e contagiante. Foi produzido por Dirk Polak (que posteriormente fundou os Mecanno Ltd.). O produtor acabou por decidir assinar com um outro nome, o que levou a que a capa tivesse de ser alterada para que se lesse "Dirigido por Bakfiets".

hoe-punk-in-nederland-begon662-619-1455748113-size_1000

Ivy green, uma das primeiras bandas punk holandesas, com fãs junto ao Paradiso.

1512079173475-hoe-punk-in-nederland-begon662-774-1455748123

À esquerda, a vocalista de Storch, dia 30 de abril de 1979, durante o festival punk Fuck the Queen, em frente ao coffee shop punk NoName.


Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.