Noisey

Essa entrevista do MC Lan é a melhor entrevista de música do ano

"Me influenciei mais por música ruim que por música boa."

A gente até tentou competir, mas não teve jeito. A melhor entrevista de música do ano tem dono e seu nome é MC Lan, que bateu um papo de meia hora com o OfficinaMusic TV e soltou mais frases memoráveis que qualquer Frank Ocean ou Kendrick Lamar que você tenha lido nos últimos meses. Caio Alexandre Cruz, que explica que seu nome artístico foi inspirado por lan houses (não sem antes brincar que tinha vindo de Pê Lanza), sentou com dois repórteres (provavelmente roqueiros) no começo de setembro e falou sobre sexo, poligamia, seus dois filhos, legalização das drogas, memes e muitos outros papos.

Publicidade

Lan é perguntado sobre suas influências e contou que, para construir seu personagem, viu muitos filmes do Stanley Kubrick e Brian de Palma. O funkeiro também cita Bob Dylan como uma inspiração, mas destaca que se influenciou "mais por música ruim que por música boa." Aí o papo entra numa lógica Hobbesiana muito doida de que o ser humano nasce ruim, e a sociedade o torna bom. Apesar disso, Lan não vê sentido em precisar conscientizar as pessoas com seu som. "A música foi criada pra divertir, não pra conscientizar."

Na segunda parte da entrevista, Lan começa a falar do status do funk no Brasil e joga um shade pra um funkeiro específico que, segundo ele, não dá atenção para os fãs e culpa o descuido na falta de tempo. Ele termina a bronca com um conselho: "vai pro sertanejo, vai pro pop, vai pro rap. O funk é lugar de gente humilde, de gente de verdade." Por último, o MC entra numa viagem metafísica e fala sobre os boatos de que vendeu a alma para o diabo. "Se eu tivesse vendido a alma não seria o Lan, seria o Justin Bieber." Assista a entrevista acima.

Leia mais no Noisey, o canal de música da VICE.
Siga o Noisey no Facebook e Twitter.
Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.