Esq.: Tony Janson em Southbank, 1983; Dir.: Kev Kent em 1983. Fotos: Dobie Campbell.

Como era o skate na época em que os teus pais eram adolescentes

Fotos da "Read and Destroy", a revista que cobria a cena do skate do Reino Unido, no seu momento mais underground.

|
31 Julho 2018, 11:27am

Esq.: Tony Janson em Southbank, 1983; Dir.: Kev Kent em 1983. Fotos: Dobie Campbell.

Este artigo foi originalmente publicado na VICE UK.

A cena britânica do skate percorreu um caminho tumultuoso para chegar onde está hoje. O skate poderia ter morrido no Reino Unido no final dos anos 1970, quando as massas perderam o interesse e os skates foram parar às prateleiras das promoções juntamente com outros brinquedos de origem norte-americana, como o ioiô e o pogobol. Felizmente, grupos de discípulos hardcore, de Guernsey a Glasgow, viram o skate como mais que uma simples moda passageira.

Nos anos 80, enquanto trabalhava na Alpine Sports de Notting Hill – uma das poucas lojas de skate do país na época – Tim Leighton-Boyce começou uma newsletter para documentar a cena underground à sua volta. Essa newsletter acabou por se transformar na icónica R.a.D (Read and Destroy), uma revista que existiu entre 1987 e 1995, que funcionava como um jornal DIY de skate e cultura jovem e que mostrava não apenas skaters e fotógrafos britânicos, mas que era também uma espécie de rede pré-internet onde os leitores podiam descobrir os spots de skate locais e entrar em contacto com outros praticantes do país.

Andy Holmes e Dan Adams eram leitores vorazes da R.a.D nos anos 80 e 90 e, nos últimos três anos – com ajuda dos editores e fotógrafos originais –, fizeram um livro que conta a história da revista. Actualmente, a dupla está a levar a cabo uma campanha de crowdfunding para publicar Read and Destroy: The Book of the Magazine, portanto encontrei-me com Andy na Universidade de Artes de Londres, onde é professor de design gráfico, para saber tudo sobre o projecto.

VICE: Como é que surgiu este projecto?

Andy Holmes: É uma ideia em que estamos a pensar há quase 10 anos. Depois de várias tentativas fracassadas de arrancar com o projecto, desta vez fomos abençoados por Sebastian Palmer, chefe do departamento de skate da New Balance Athletic. Ele entrou em contacto connosco no final de 2014 e prometeu algum financiamento para começarmos a desenvolver o livro; desde então têm vindo a apoiar este projecto discretamente.

Eras leitor da R.a.D?

Sim, era uma parte muito importante da minha vida. Cresci na Ilha de Wight e a revista era a minha única ligação com a cena no Reino Unido. A R.a.D aparecia sempre na nossa banca de revistas, enquanto a Thrasher e outras revistas norte-americanas eram mais difíceis de encontrar.

Bradley Vine, Harrow, 1979. Foto: Tim Leighton-Boyce

Qual foi a trajectória do skate no Reino Unido de 1978 em diante?

O livro começa em 1978, quando o skate morreu “oficialmente”. Depois vem o renascimento, a progressão e todas as pessoas que se envolveram nessa fase. O skate em Inglaterra foi de um extremo ao outro. O desporto chegou a um ponto parecido com o que vemos hoje, quase comom algo mainstream, que aparecia na televisão e, de repent, caiu de um penhasco. No final dos anos 70, todas as revistas tinham acabado, as vendas descambaram e o skate era visto como uma coisa de ontem.

Como um brinquedo velho.

Sim, visto exactamente como o hula hoop, uma moda passageira. Depois, ficou um grupo hardcore, que se estava pouco lixando para o colapso do desporto no mainstream. Prometeram que não iam parar de andar de skate e, pelo contrário, foram reconstruindo a cena. De 1978 até por volta de 82 o skate era super underground; se vias alguém de Vans na rua, ias a correr para falar com a pessoa, porque havia uma boa possibilidade de também curtir skate ou BMX. Era muito raro ver pessoas como nós.

Phil Burgoyne, Farnborough, 1985. Foto: Tim Leighton-Boyce

E, na altura, como eram os locais para andar de skate?

Nos EUA, tinham esse grande problema com a segurança e processos, mas aqui podias construir um half no meio de um campo e se a miudagem se quisesse matar nele, maravilha, o que era óptimo! Tinhas pistas de cimento rachado e pedaços que sobraram de pistas dos anos 70. Os skaters viajavam pelo país para se conhecerem e andarem de skate, mantendo contcato por telefone ou carta. Não havia nenhum skate park novo em construção na época; sendo a excepção Livingston – que era mais um half pipe de quintal. A única forma era arranjar madeira e construíres alguma coisa tu próprio.

Boa. Para além das fotos de skate, o que é que mais se podia encontrar na revista?

Havia a secção “The Where? Guide”, que era um directório de spots no Reino Unido. Os sítios variavam de um passeio atrás de um supermercado na tua cidade, até uma mini rampa incrível no meio do nada. Era um guia que Tim Leighton-Boyce queria publicar para contribuir para a cena – só assim resultaria. A secção fez as pessoas perceberem que não estavam sozinhas e que havia focos a surgirem por toda a parte.

Hartford Ramp, 1988. Foto: Tim Leighton-Boyce

Porque é que a equipa acabou com a revista em 1995?

A equipa editorial que comandava a revista nos últimos dois anos era de uma geração totalmente diferente daquela dos que a começaram. Essa equipa da R.a.D teve a oportunidade de deixar a sua editora e fazer algo próprio. Queriam desligar-se completamente da editora. Portanto, a R.a.D acabou e eles começaram a revista Sidewalk. Era uma oportunidade de verem o melhor que tinham feito e redefinirem-se e foi nisso que se tornou a Sidewalk. E começou um novo capítulo – o que foi fantástico.

A equipa que trabalha no livro da R.a.D está a angariar fundos para o projecto através da plataforma Kickstarter.

Vê abaixo mais fotos da R.a.D.

Skate rats, Southsea, 1988. Foto: Tim Leighton-Boyce
Derek "Jingles" Jingoree, 1979. Foto: Tim Leighton-Boyce
Brighton crew, 1978/79. Foto: Tim Leighton-Boyce
Simon Evans, Kennington, 1992. Foto: Tim Leighton-Boyce

Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.