Fotos da surreal vida ordinária
Fotografia

Fotos da surreal vida ordinária

O fotógrafo dinamarquês Albert Elm faz imagens que capturam o que quase ninguém vê.
19.7.17

Esta matéria foi originalmente publicada na VICE US .

Albert Elm, um fotógrafo da Dinamarca, cresceu junto com sua câmera. Quando se mudou de Aarhus para Odense na adolescência, ele teve dificuldade para se adaptar à vida no interior e passava muito tempo caminhando sozinho. Elm se voltou para a fotografia para dar alguma direção a toda aquele energia turbulenta. Isso o ajudou a explorar novos lugares e conhecer pessoas.

Publicidade

O que torna seu trabalho tão interessante é sua estética de instantâneos. "Acho que as melhores fotos são tiradas em situações espontâneas e encontros aleatórios. Normalmente tiro fotos rápidas de pessoas que conheço, amigos, família, e lido com isso depois quando edito meu material", diz Elm sobre seu processo fotográfico. "Gosto de retratar o bizarro na vida ordinária, e como o próprio conceito de 'ordinária' é relativo. Quanto mais lugares conheço, menos minhas fotos são sobre os lugares para onde viajo. Acho interessante tentar fazer fotos que contam histórias sobre a vida num contexto maior, em vez de simplesmente documentar como é a vida em um lugar em particular."

Depois de perder todo seu equipamento em Sofia, Bulgária, em 2009, Elm queria voltar ao ritmo o mais rápido possível. Ele comprou uma pequena câmera de bolso de 35 mm e trabalhou para um fotógrafo local para poder comprar filme barato.

"Ter uma câmera simples me permitia tirar fotos sem me preocupar com a técnica", explica Elm. "Com os anos, comecei a me conhecer melhor fotograficamente. Vi padrões na maneira como eu fotografava, e dali comecei a refinar a maneira como eu abordava essas tendências."

Seu novo livro, What Sort of Life This Is, é uma curadoria de sua estética de instantâneos. "Acho que isso começou quando comprei aquela câmera básica", relembra Elm. "Eu não tinha uma ideia específica — nem sabia que tinha começado um projeto de livro. Só estava fotografando minha vida e os lugares que visitava. A série foi crescendo com o tempo."

Publicidade

Ser um cara viajado é uma grande parte de quem Elm é como fotógrafo, e ter um estilo de vida nômade é o que o faz sentir em casa. "Sempre estive em movimento", explica. "Meus pais se separaram quando eu era bem novo, então passei muito tempo andando de trem."

Numa entrevista de 2013 à VICE, Elm descreveu seu livro como uma expressão de alienação, e da ideia de autodescoberta que vem de existir num lugar não familiar. "Minha primeira viagem para a China teve um grande papel no meu trabalho — era um mundo completamente diferente e colorido. Me sentir tão fora de lugar me deixou muito curioso sobre o que me cercava. Isso me ensinou muito sobre tirar fotos em casa também — sobre tratar igualmente tudo que estiver na frente das lentes."

O trabalho de Elm não tenta apontar uma direção em particular ao espectador. Em vez disso, ele sugere um jeito de buscar e fazer perguntas sem estar interessado numa resposta.

"Procuro por detalhes que acho que contam uma história sobre ser humano."

Todas as fotos por Albert Elm. Siga o cara no Instagram e encomende What Sort of Life This Is aqui .

Tradução: Marina Schnoor

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.