FYI.

This story is over 5 years old.

O Disco Novo do Cadu Tenório É uma Lembrança Através de Ruídos

Barulhinho para os novos (e velhos) tempos. Baixe e faça o streaming do disco '1987/1990'.

A sensação ao tentarmos lembrar de memórias da nossa infância é muitas vezes frustrada pela dúvida de se aquilo realmente aconteceu, ou se aquilo é uma pegadinha da nossa mente, que luta para completar e dar sentido a narrativas já esquecidas. Em busca de uma melhor interpretação e de uma nova forma a essas memórias, o carioca Cadu Tenório lança seu disco 1987/1990.

"Tenho um compromisso comigo mesmo: todos os dias, se possível, reservo entre uma e duas horas no meu estúdio em casa para trabalhar em alguma ideia, rever alguma composição ou projeto gravado há algum tempo ou mesmo para compor/gravar algo novo que tenha pensado durante o dia, ou pra ouvir alguns momentos que julguei interessantes de gravações de campo que costumo fazer com o gravador portátil de fita cassete que carrego por aí para avaliar se conseguiria usa-los de alguma forma", explica Cadu.

Você provavelmente conhece o trabalho do Cadu sob o nome de um de seus vários projetos experimentais, como Sobre a Máquina, VICTIM! e Ceticências. Ele participou da segunda edição da compilação Hy Brazil e montou um show no Novas Frequências em 2012 dividido em quatro atos, na qual passeou pelas diferentes sonoridades de todos os seus projetos. Como o tempo não para e qualquer barulho ou ruído se transforma em sua mão, ele redescobriu duas faixas que vinha produzindo antes de lançar o seu recente Cassettes, um álbum de quatro faixas com sons coletados ao longo de quatro anos, e continua seu trabalho de colagem sonora em 1987/1990. Em seu segundo trabalho "solo" sua intenção é retratar um turbilhão de memórias, e para isso cada faixa recebeu como título um ano importante em sua formação, apesar de afirmar que desses anos ele não tem - praticamente - nenhuma lembrança consciente.

"O primeiro deles, '1987', ano em que nasci, obviamente não consigo lembrar de nada, exceto o que já me contaram e fotos que vi. Já do outro,'1990', ano em que meus pais se separaram e vim com minha mãe para o Rio de Janeiro, acho que me lembro de algumas cenas, pequenos flashes, que com certeza contém muito mais invenções do que realidade, imagens completamente desfiguradas pela ação do tempo que se completam na subjetividade a partir de fotos".

Além desses projetos, o Cadu também organiza com seu amigo e também músico J. P. Caron o Festival de Ruído, um festival de música experimental e noise que acontece no Rio de forma independente e que acabou de ter a sua segunda edição com apresentações dos dois e também Aquiles Guimarães, Anarco Vomit Noise, nLL e mais.

Já tá aí pegando aquele álbum de fotografia mofado pra tentar entender porque hoje em dia você é assim? Então aproveita e clica aqui para baixar o 1987/1990 de graça no Bandcamp do Cadu, que também tem alguns álbuns sob o seu projeto VICTIM!, também de graça.