FYI.

This story is over 5 years old.

O Raio X Colorido Vem Aí

Você já pensou em ver seus ossos e seu coração coloridos?
Crédito: Wikimedia/Tomascastelazo

Considerando que são imagens de ossos, você pode nunca ter pensado que os raios X são realmente em preto e branco, mas ele são – por enquanto, pelo menos. A Universidade de Canterbury, na Nova Zelândia, anunciou na quinta-feira que eles estão planejando construir "a primeira máquina espectral colorida de raio X projetada para tratamentos clínicos humanos".

O ministro da ciência e inovação do país, Steven Joyce, anunciou que 12 milhões de dólares do governo serão investidos para construir um scanner em cores que será usado para ver problemas de coração e implantes de ossos, como operações de quadril, assim como para ajudar pesquisas sobre câncer e o desenvolvimento da doença.

Publicidade

"O scanner será feito pela Universidade de Cantebury e quando estiver pronto será levado para a Escola de Medicina de Otago em Christchurch, no coração do circuito de saúde de Christchurch", disse o professor Anthony Butler no lançamento. "A Universidade Lincoln concederá animais de grande porte para teste."

A menção de "animais grandes" quer dizer que os pesquisadores, de Cantebury e outros lugares, já têm usado raio X colorido em pequenos animais. O scanner de Cantebury será testado em grandes objetos por três ou quatro anos e em humanos em seis, disse Butler.

É bem fácil explicar uma máquina de raio X colorida. Assim como o filme colorido mede ondas e luz em vermelho, azul e amarelo, uma máquina colorida busca ondas diferentes, mas ao invés do espectro de luz branca, ele mede energias específicas no raio X – ondas que o olho humano não enxerga – que são atenuadas enquanto passam pelo objeto.

Graças a diferenças na estrutura atômica, todos os materiais atenuam ondas diferentemente, o que permite a coisa como um osso e um agente contrastante como um iodo aparecerem com cores diferentes. Diferentes densidades também são visíveis e o CT já escaneia em três dimensões.

Robert Cemil, um cientista de materiais da Universidade de Manchester no Reino Unido, estava trabalhando em um CT de espectro completo de imagem em 2007, e descreveu as vantagens que traria para a New Scientist.

"Se você estiver procurando por tecidos anormais, você saberia a difração particular da 'digital' que você está buscando", disse Cernik. No topo das aplicações médicas, ele apontou o potencial dos estudos de metais: "O padrão pode também medir mudanças da estrutura cristalina dos materiais, como alumínio, por exemplo, ao olhar uma tensão em uma solda".

Ninguém tinha que criar caso para uma TV colorida ou um Game Boy colorido, então não é como se você tivesse que achar uma justificativa para raio X colorido. Mas além dos benefícios da pesquisa garantidos pelas imagens aprimoradas, um pouco de cor poderia realmente realçar essas paredes brancas dos consultórios médicos.