Fotos da nova tribo urbana de Berlim
Cathy, natural de Taipei, Taiwan
Fotografia

Fotos da nova tribo urbana de Berlim

Numa homenagem à natureza em constante mutação da cidade, George Nebieridze começou uma série intitulada ‘Nobody's From Berlin in Berlin’, uma coleção de retratos tirados em festas, ruas, parques e quartos alugados.
29.8.16

Esta matéria foi originalmente publicada na i-D UK.

Berlim é um lugar especial para a cultura jovem: sua história complexa tornou a cidade um ponto gravitacional para criativos em vários momentos do século 20. Cabarés decadentes da República de Weimar nos anos 30, o apelo cru da Berlim Oriental nos anos 70 e 80, e a revolução do techno dos anos 90 contribuíram para moldar a modernidade europeia. Hoje, mais uma vez, Berlim está em ascensão: entre o crescimento dos movimentos conservadores no mundo todo, a cidade se manifesta como uma verdadeira capital cosmopolita. Enquanto políticos discutem mais uma vez fronteiras e muros, Berlim continua aberta a todos. Também um imigrante em Berlim, George Nebieridze documenta o rosto mutante da cidade.

Cathy de Taipei, Taiwan.

Nascido na Geórgia, Nebieridze se mudou para Berlim três anos atrás e se sentiu em casa quase que imediatamente. "Aconteceu muito rápido", disse ele. "Mesmo os turistas chamam a cidade de casa. Me mudar para cá foi uma descoberta para mim e instantaneamente me senti parte de Berlim — e Berlim se tornou uma parte inseparável de mim."

Numa homenagem à natureza em constante mutação da cidade, Nebieridze começou uma série intitulada Nobody's From Berlin in Berlin, uma coleção de retratos tirados em festas, ruas, parques e quartos alugados. "As fotos desse projeto incluem anjos e demônios que conheci nos últimos três anos aqui. Alguns são amigos próximos, outros estão prestes a se tornar. Conheci essas pessoas principalmente em festas, claro. Várias coisas me atraem nelas, sinto como se estivesse observando e coletando retratos", diz o fotógrafo.

Os temas de Nebieridze não são nativos de Berlim: assim como ele, eles vieram de cidades de vários cantos do mundo. As origens deles estão em vários continentes: Austrália, EUA, Portugal, Taiwan, Rússia e África do Sul. "Estou em Berlim há quase três anos e acho que conheço menos de cinco pessoas nascidas na cidade. E não porque sou um introvertido que vive trancado no quarto, ou porque não gosto dos berlinenses. É assim que a cidade é! Esse nível insano de diversidade nas baladas e na cena da moda resulta na dinâmica louca da cidade. Considero essa variedade extremamente atraente e linda", explica Nebieridze. "Uma coisa posso dizer com certeza: todas essas pessoas são verdadeiros berlinenses, indivíduos que criam a cena e moldam a cultura aqui. Não seria assim sem eles. Berlim seria apenas outra cidade industrial cinza sem personagens como nós."

Catalin de Bucareste, Romênia.

Diante das lentes de Nebieridze, todas as diferenças de nacionalidade desaparecem, e cada personagem se torna uma parte única da nova tribo de Berlim. Não importa como acabaram aqui — seja em busca de liberdade sexual, possibilidades criativas ou raves legais —, eles encarnam uma energia que não conhece fronteiras. Ao mesmo tempo, os retratos de Nebieridze são mais que apenas um manifesto sobre a nova onda de imigração, possuem uma qualidade muito íntima e autêntica, como cantos calmos da cidade que você descobre por acaso. "As pessoas estão relaxadas nessas fotos porque nada é encenado", explica Nebieridze. "Eu os fotografo nas situações em que eles se sentem livres. Levo apenas alguns segundos para fazer cada foto, então eles não têm tempo de se estressar. A maioria deles posa para grandes campanhas e fotógrafos conhecidos, mas comigo eles parecem mostrar seu verdadeiro eu de maneira mais honesta."

Steve de Leingarten, Alemanha.

"Adoro fotografar pessoas em geral, mas raramente separo retratos como esses", acrescenta. "Estou sempre misturando pessoas e lugares nos meus projetos, mas desta vez estou me dedicando a essas criaturas que me inspiram todo dia. Quando penso em Berlim, penso em anjos e demônios; nenhum museu ou marco turístico pode substituí-los." Como um todo, a série de Nebieridze também é uma documentação fascinante do estilo da multidão jovem de Berlim, que gente do mundo inteiro admira e tenta copiar. Uma combinação de moda esportiva, couro, atitude e senso de humor (como a camiseta improvisada da Vetements) está presente nas fotos. "Evito definir o estilo de Berlim em uma frase, mesmo que todas essas pessoas estejam seguindo certas modas", diz Nebieridze. "Sporty/Trash ainda é muito popular aqui, por exemplo. Tem muitos garotos health goth com estilo escandinavo, mas as pessoas aqui definem seus próprios cultos e tendências de um jeito difícil de ignorar. Além disso, grandes tendências da moda começam com o visual dessas pessoas. Coisas novas que vi da Vetements e Gosha Rubchinskiy já estão caídas aqui e te fazem pensar 'Isso é tão 2014'."

Grahma de Fresno, EUA.

Hoje, todo mundo se inspira em Berlim como exemplo de uma cidade abastecida por energia criativa trazida por gente jovem do mundo todo, o local de nascimento de um futuro multicultural. Essa é uma ideia utópica? Nebieridze acha que ainda tem muito mais retratos pela frente. "Sei que ainda tenho muito que fotografar", diz ele. "Essas pessoas são uma fonte gigante de inspiração para mim e muitos outros. Mas outra coisa fascinante sobre tudo isso é que as pessoas vêm e vão muito rápido. Isso significa que o fluxo não para. É impressionante e as coisas continuam chegando, cada vez mais."

Ande de Nova York, EUA.

Davide de Nápoles, Itália.

George de Tbilsi, Geórgia.

Jonathan de Jacksonville, EUA. Matthew de Brisbane, Austrália.

Kewin de Paris, França.

Nicolas de Viena, Áustria.

Temulin de Ulaanbaatar, Mongólia.

Karsten de Herne, Alemanha. Alexandra de Chisinau, Moldávia.

Braulio de Lisboa, Portugal.

Veja a série Nobody's from Berlin in Berlin completa aqui.

Tradução: Marina Schnoor.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.