Karol Conká fala sobre seu novo disco 'Ambulante'
Foto: Larissa Zaidan/VICE
Noisey

Karol Conká riu e chorou fazendo 'Ambulante'

A cantora curitibana conta sobre como perdeu o medo de expôr seu lado vulnerável durante o processo de gravação de seu segundo álbum.

Durante os quatro meses que precederam o lançamento de Ambulante, Karol Conká e o produtor Boss in Drama se encontravam toda quarta-feira para trabalhar no disco. Numa dessas semanas, Boss chegou à casa da cantora e perguntou como ela estava se sentindo. Karol respondeu que estava com saudades do ex-namorado. Os dois abriram um vinho, o produtor começou a trabalhar numa batida meio reggae e Karol cantou por cima. Foi desse momento deprê que saiu “Saudade”, uma das faixas do disco novo da cantora, Ambulante, lançado nessa quinta (8).

Publicidade

“Ainda chorei, que idiota! Mas eu fiz essa música e aliviou, depois nem senti mais saudade dele”, me disse Karol, rindo, sobre o episódio durante uma entrevista no começo da semana.

Esse tipo de momento emocional é raro pra Karol, pelo menos publicamente. Lembro que, quando a entrevistei no ano passado, ela disse que “não tinha tempo pra ser vulnerável.” Isso ficou claro desde que a curitibana começou a dar as caras com seus primeiros álbuns e sons, principalmente Batuk Freak, de 2013, e os singles “Tombei” e “É o Poder”, hits cujas forças vieram principalmente da personalidade, autoestima e presença de Karol.

1541632910255-larissa-zaidan-005

Fotos: Larissa Zaidan/VICE

Depois de borrar as linhas entre o papel de rapper e o de cantora pop, Karol começou a extrapolar seu papel de artista pra apresentar programas de TV, participar de desfiles de moda e atuar em publicidade. A programação intensa encheu sua agenda e acabou atrasando sucessivamente as gravações de Ambulante, que a cantora anunciou originalmente em 2016. “Um belo dia, sentei com o Boss in Drama e falei: cara, tô com dificuldade de parar pra fazer esse álbum. Quando ele perguntou o que faltava, respondi que era um produtor que mergulhasse no meu universo. Ele disse: eu sou essa pessoa, vamos tentar?”

A parceria da dupla, que começou em 2013 quando Boss mandou um e-mail pra Karol pedindo por uma parceria e desembocou em uma amizade próxima, rendeu bons frutos pra Ambulante. Eles já tinham trabalhado em alguns singles juntos — como “Farofei” e um cover-remix de “Cabeça de Nego”, som do Instituto com o Sabotage — mas a parceria fica muito mais versátil no disco: além do tradicional pop-EDM que já tinham feito juntos (e que, aqui, aparecem no single “Kaça” e em “Bem Sucedida”), Ambulante traz reggae, R&B, trap e tudo o mais que veio à mente dos dois durante aqueles quatro meses.

Publicidade

“Foi tudo muito natural. Como tenho um leque de influências na minha cabeça, os ritmos foram vindo. E tudo o que eu pedia ele fazia, ele é um gênio. Não acredito que ele era tudo isso e a gente não viu”, fala a cantora, que destaca a naturalidade de seu trabalho com Boss comparado com outros produtores com quem já tinha colaborado – seus primeiros singles foram produzidos pelo Nave e, alguns dos singles, pelo Tropkillaz. “[Com o Boss], um ia puxando o outro, um extraía o melhor do outro. Isso é mega importante pra uma artista como eu, se não ela trava. Com outras pessoas, eu tinha essa trava.”

1541634522042-larissa-zaidan-007

Foto: Larissa Zaidan/VICE

Além de “Saudade”, o R&B meloso “Desapego” e a faixa meio disco “Você Falou” são outros momentos em que Karol canta sobre um relacionamento passado e se mostra um pouco mais sensível. “Eu me apaixonei, e eu não gosto de me apaixonar, porque eu fico frágil e boba. Eu fiz essas músicas e me senti meio boba, mas gostei disso. ‘Saudade’ ia ficar de fora, mas gostei de mostrar esse meu lado choramingando”, fala. Em “Vida que Vale”, faixa co-composta por Don Cesão, Karol diz que escreve “para cicatrizar feridas.”

Essa abordagem de música-como-terapia, que faz a cantora mostrar seus momentos de vulnerabilidade, também é o que a leva a cantar sobre vitórias e poder. No release de Ambulante, escrito por ninguém menos que a Elza Soares, a cantora diz que o disco tem “o sorriso sorrateiro de quem vence.” “Não há tempo e energia pra gastar com tanto pessimismo, então vejo o lado bom. Se eu contar minha história e meu lado triste, todo mundo vai ficar chorando. Mas se eu contar o lado legal da minha vida, as pessoas pegam força disso pra ficarem melhores”, fala Karol. “Eu gosto de ser esse combustível. Se eu não fosse artista, ia ser terapeuta [risos].”

Depois do lançamento do disco, Karol quer voltar dar uma de Beyoncé — lançar clipes para as dez músicas do álbum — e voltar à estrada pra apresentar as faixas novas ao vivo. Mais do que tudo, está curiosa pela reação dos fãs às personas tristes, felizes, divertidas, sensuais e românticas que ela mostra em Ambulante. “Eu gosto muito do público, de ver o rosto das pessoas. Adoro ver eles e ouvir eles — tô louca pra receber todo mundo no camarim e saber o que eles estão achando.”

Leia mais no Noisey, o canal de música da VICE.
Siga o Noisey no Facebook e Twitter.
Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.