música

A curta de Jessie Reyez inspirada pelo sexismo na indústria musical

"Gatekeeper" centra-se na noite em que um figurão da indústria terá tentado pressionar a cantora a ter sexo, para a ajudar na sua carreira.

Por Sarah MacDonald
06 Julho 2017, 6:00am

Este artigo foi originalmente publicado na nossa plataforma NOISEY.

Recentemente, a cantora Jessie Reyez [que actua no Festival Super Bock Super Rock, em Lisboa, a 14 de Julho] lançou um vídeo pungente para "Gatekeeper" - uma canção que confronta de forma bastante directa o sexismo e a misoginia da indústria musical - do EP Kiddo. É uma música poderosa que exigia ser acompanhada por imagens igualmente cruas e constragedoras. O conceito do vídeo deriva de uma curta-metragem mais alongada, também intitulada Gatekeeper, parcialmente escrita pela própria Reyez.

O filme centra-se numa noite, há cinco anos atrás, em que a cantora estava numa festa onde um figurão da indústria musical a terá tentado pressionar para ter sexo de forma a que ele pudesse ajudá-la na sua carreira. A noite passa de um ambiente festivo, de freestyling musical, para uma situação terrível, em que o seu valor e trabalho foram medidos pela forma como ela poderia satisfazer o homem que, potencialmente, teria a chave do sucesso para a sua carreira.

Aquele que controla quem entra, o "gatekeeper", como ele se define a si próprio, enquanto lhe grita dentro do carro depois de ela lhe negar o que ele queria. Não se trata apenas de um olhar sóbrio sobre o que as mulheres enfrentam na indústria. É um relato difícil e verdadeiramente triste. Uma mulher que, no filme, Reyez não conhece bem, senta-se no banco da frente da viatura, enquanto o "gatekeeper" continua a berrar com a cantora, chamando-lhe puta de merda por não querer ter sexo com ele. Esta mulher permanece em silêncio.

É uma complacência ensurdecedora que esta mulher tente suavizar as coisas, dizendo a Reyez que aquilo é o que ela tem de fazer para vingar na música. Quando os sonhos estão em jogo, sonhos verdadeiros, é complicado fazer uma escolha que tem o potencial de impedir que esses sonhos se concretizem. Uma luta que podemos ver em Reyez quando, no final, admite ter pensado em aceitar e como esse mero pensamento foi suficiente para quase a destruir.

Reyez escreveu uma carta exclusiva para o Noisey, dirigida ao dito "gatekeeper", que podes ler abaixo.

Jessie Reyez sobe ao palco EDP do Festival Super Bock Super Rock, no dia 14 de Julho.