FYI.

This story is over 5 years old.

Interviews

Michael Moore Fala com a VICE Sobre ‘Sniper Americano’, o Fim de Sarah Palin e Estresse Pós-traumático

Michael Moore falou com a VICE sobre sua opinião a respeito de Sniper Americano, Sarah Palin, estresse pós-traumático, a vez que Clint Eastwood o ameaçou de morte e um monte de outras questões que estão circulando no circo da mídia no momento.
5.2.15

Michael Moore na recepção da festa Oscar Celebrates Docs, em 2013. Foto por Tommaso Boddi via Getty.

Em 18 de janeiro, dois dias depois do lançamento de Sniper Americano, de Clint Eastwood, Michael Mooretuitou: "Meu tio foi morto por um sniper na Segunda Guerra Mundial. Aprendemos que snipers eram covardes. Atiram pelas costas. Snipers não são heróis. E invasores são piores"; em seguida, continuou: "Mas, se você estiver no teto da sua casa se defendendo de invasores que vieram de 11 mil km de distância, você não é sniper – você é corajoso, é um vizinho". A repercussão negativa da direita foi rápida e barulhenta. Breitbart chamou os tuítes de "trolagem patética", John McCain disse que essas colocações foram "idiotas" e "ultrajantes" e Kid Rock escreveu no seu site: "Vai se foder, Michael Moore, você é um bosta e seu tio teria vergonha de você". Mas a reação mais dramática aos tuítes veio de Sarah Palin, que posou ao lado do sargento Dakota Meyer, condecorado com a Medalha de Honra, com um cartaz escrito"Vai se foder, Michael Moore". Os dois Os do nome do cineasta foram substituídos por duas miras.

Publicidade

Depois de atrair críticas da direita e da esquerda, Palin defendeu a foto durante um discurso bizarro e incoerente na Cúpula pela Liberdade de Iowa, no sábado seguinte, afirmando: "O que o cartaz disse é o que todos nós estamos pensando". Moore, de sua parte, não apareceu na TV nem reagiu à polêmica para além de alguns posts no Twitter e no Facebook, mas aceitou falar longamente com Eddy Moretti, da VICE, sobre sua opinião a respeito de Sniper Americano, franco-atiradores em geral, Sarah Palin, transtorno de estresse pós-traumático, a vez em que Clint Eastwood o ameaçou de morte e um monte de outras questões que estão circulando no circo da mídia no momento.

VICE: Oi, Michael. Vamos começar com os seus tuítes: antes de falar sobre a reação que eles desencadearam e te dar a oportunidade de esclarecer o que você quis dizer, o que te inspirou a escrevê-los e como você se sentia emocionalmente quando postou?
Michael Moore:Bom, a primeira coisa que eu diria é que não sinto nenhuma necessidade de esclarecer ou defender o que escrevi. Tenho orgulho do que escrevi. Não volto atrás em nada e, aliás, só acrescentei mais coisas. Não me assusto com essas pessoas que aterrorizaram uma nação inteira para entrar em uma guerra ilegal e sem sentido. Então, mesmo, em termos de impacto, isso não tem nenhum em mim. Eu disse o que disse. Claro, se estivesse errado ou tivesse cometido um erro, com certeza corrigiria, mas não é o caso. E fico meio mal quando vejo na TV ou escuto outras pessoas falando, tipo: "O Michael Moore voltou atrás". Bom, isso não aconteceu. Não me desculpo pelas minhas opiniões fortes no sentido de como quero que o belicismo neste país acabe.

Publicidade

E acho que o motivo pelo qual estamos tendo esta conversa também – e não falei sobre isso com mais ninguém, recusei todos os pedidos de programas de TV – é que o problema do Twitter e por que você precisa… vamos usar a palavra esclarecer: é porque 140 caracteres não conseguem expressar coisas que têm uma profundidade enorme. Então, postar no Facebook e falar com você me dá uma boa oportunidade de acrescentar ao que eu disse no Twitter.

O que me chamou atenção é que tem duas coisas que você está discutindo em mídias diferentes. No Twitter, você fala sobre a questão dos snipers, que é um assunto fascinante e que merece um pouco mais de discussão, e aí tem o filme chamado Sniper Americano.E parece que você está falando de duas coisas diferentes. Estou certo?
Correto. Intencionalmente, não falei nada sobre Sniper Americano nos primeiros tuítes. Com certeza, escrevi o que escrevi, porque,naquele fim de semana, estava se falando muito sobre snipers por causa do filme, mas também porque era o fim de semana do dia de Martin Luther King e achei indelicado que uma coisa chamada Sniper Americano, um filme sobre um franco-atirador, fosse lançado no fim de semana em que homenageamos um grande americano que foi morto por um. E, se ninguém vê nada de errado com isso, como você se sentiria se anunciassem amanhã que o Sniper Americano 2 vai ser lançado no dia 22 de novembro (dia da morte de John F. Kennedy)?

Publicidade

É, não fariam um filme sobre algum tipo de ataque catastrófico e lançariam no dia 11 de setembro, por exemplo.
Exatamente. Uma loja de eletrodomésticos não vai fazer um anúncio no Dia da Memória do Holocausto do tipo: "Hoje, promoção de fornos". Quer dizer, esse seria o exemplo mais extremo e bizarro, mas mostra um pouco de falta de sensibilidade. Ou será que mostra? Vai ver que o plano era: "Bom, acabaram de lançar Selma. Será que os brancos vão assistir a esse filme? Vamos oferecer alguma coisa para os brancos assistirem no fim de semana de Martin Luther King". Sei lá, foi muito desconfortável. Isso me fez pensar em snipers, e se precisa ter crescido na minha família para entender a indignação intensa que a ideia do franco-atirador criou.

O nome do meu tio era Lawrence Moore, mas chamavam ele de Lornie. O tio Lornie foi uma pessoa que não conheci, porque nasci nove anos depois da guerra, mas, desde muito cedo, estava claro para mim que a morte dele tinha afetado muito a família. O impacto na minha avó foi muito intenso. Quando finalmente mandaram o corpo dele de volta e enterraram no cemitério católico de Flint, ela convenceu o marido a saírem da casa deles. Eles se mudaram para uma casa a duas portas do cemitério. E ela ia lá todo dia visitar o túmulo dele.

E, para piorar ainda mais, a placa militar enviada para o túmulo pelo Departamento da Guerra – era assim que chamava antes de virar Pentágono – não tinha o nome do Lornie, nem Lawrence Moore, mas Herbert Moore, que era o marido dela, meu avô, Herbert (eles também tinham um filho, outro dos meus tios, chamado Herbert). Então, não tem nem o nome dele na lápide.

Publicidade

Era um ritual que acontecia duas ou três vezes por ano com todas as crianças: ir lá e colocar bandeiras no túmulo. Ele era um irmão querido. Para todas as tias e tios, ele era querido, o gentil, aquele que todos procuravam, e isso impactou muito a família.

Sabe? A batalha já tinha acabado nas Filipinas e eles tinham ganhado, essencialmente. Eles estavam na província de Luzon marchando para a base por uma estrada. Os soldados japoneses eram conhecidos por não desistir, e um franco-atirador em cima de uma árvore atirou por trás na cabeça dele e o matou na hora. Eles simplesmente não entendiam que tinha acabado, por que é que… que ato absolutamente covarde.

Postei também um segundo tuíte imediatamente, porque quis esclarecer o que eu queria dizer com "sniper". Um sniper, para mim, é a pessoa da força invasora. É o soldado e as pessoas que estão fazendo errado, que sobem nos prédios ou em árvores, e se escondem, e derrubam pessoas sem elas saberem, sem sequer terem a chance de contra-atacar. Se as tropas de outro país estivessem marchando pela Broadway e alguém subisse num prédio para tentar pará-los, de jeito nenhum, isso não é um sniper. É um defensor ou defensora da sua casa. Assim como a pessoa que era o sniper, o franco-atirador árabe em Sniper Americano: o que ele estava fazendo? Estava tentando impedir a força invasora.

Antigamente, os snipers eram chamados de "sharpshooters" ou "marksmen" (atiradores de elite). Só foram começar a ser chamados de snipers na Primeira Guerra Mundial – e foram os alemães nessa época que aperfeiçoaram o conceito de sniper, não os aliados. E aí isso continuou. Na Segunda Guerra –acho que dá para procurar isso –, dois terços de todas as mortes provocadas por franco-atiradores foram por soldados alemães e japoneses. E, com o desenrolar da guerra, os russos descobriram como fazer isso. O que o Eisenhower fez em 1956, 1957: tinha a escola americana de snipers no Campo Perry em Ohio, e ele fechou.

As pessoas deviam treinar dizer isso. Será melhor no futuro se conseguirmos dizer que perdemos no Vietnã, perdemos no Iraque, perdemos no Afeganistão.

Por quê?
Não sei. Quer dizer, fiz umas pesquisas nesta semana. Ele ficou fechado 30 anos, até que o Reagan reabriu em 1987 no Forte Benning. Depois da guerra da Coreia, se falava muito – um veterano me contou essa história – que isso não tinha muito a cara dos americanos. Os franco-atiradores são muito necessários para a força invasora. Com o lado que se defende, a caça acontece de muitas formas. Tipo, se fôssemos atacados, todos nos tornaríamos, como tal, snipers, se você quisesse usar essa palavra. Mas, quando chegam os libertadores, são os snipers que matam os libertadores. E essa é a confusão, obviamente, quando você assiste à FOX News. Quer dizer: falando sobre Sniper Americano, eles falam dos soldados americanos como libertadores do Iraque! Não libertamos nada. Aliás, pioramos a situação e perdemos a guerra! Coloca isso aí na coluna das perdas. E as pessoas deviam treinar dizer isso. Será melhor no futuro se conseguirmos dizer que perdemos no Vietnã, perdemos no Iraque, perdemos no Afeganistão. Por que inventamos esse conto de fadas sobre nós mesmos? Não ajuda em nada e só vai fazer a gente ter mais problema no futuro.

A direita no país está defendendo esse filme e ele vem tendo muito sucesso. Se você presumir que um filme faz sucesso porque as pessoas amam o personagem principal, poderia-se dizer que os americanos estão adorando esse atirador, certo? Por que você acha que isso acontece? Você está certo: em geral, os snipers sempre foram uma ameaça. É sempre o coitado pego na praça que leva o tiro e o franco-atirador está sempre escondido, numa atitude sorrateira. Mas o que esse sniper está fazendo para a consciência coletiva norte-americana que tanto satisfaz as pessoas e estimula a ida ao cinema? Tem um psicodrama incrível acontecendo em torno desse filme no nível psicológico nacional.
Sim, e tem a ver com o fato de que, psicologicamente, sabemos que estamos errados. Sabemos que não havia armas de destruição em massa. Sabemos que 4.400 jovens americanos perderam suas vidas e inúmeras dezenas de milhares de iraquianos. Sabemos disso tudo – e sério, no fundo, é uma culpa muito arraigada.

Publicidade

Além disso, muitos republicanos órfãos da Guerra Fria que também vão ao cinema não vivem numa bolha. Eles têm familiares ou vizinhos, pessoas que voltaram dessa guerra transtornadas. Temos um problema enorme de transtorno de estresse pós-traumático. Temos um problema psicológico enorme aqui com os soldados que voltaram dessa guerra. E vou te dizer: nas duas vezes a que assisti, no final fica um silêncio. Ninguém comemora. Mesmo quando o Bradley Cooper mata o Mustafa, o sniper árabe, não rolou um "uhuu". E acredite: assisti com um público que não está do meu lado do muro político. E eles ficaram muito abalados, muito tristes. Todo personagem principal do filme acaba ficando perturbado pela guerra ou morre. E não é uma celebração disso. As pessoas podem entrar no cinema pensando "Ha ha!", mas não saem dizendo "Ha ha!".

A última coisa que vou dizer é que muita gente quer assistir agora por causa da polêmica e também porque foi indicado a Melhor Filme, e as pessoas querem ver o melhor filme. Além disso, é o Clint Eastwood: ele já fez alguns dos melhores filmes. Então, tem muitos motivos para as pessoas assistirem, mas vou te dizer: assisti na segunda noite na Union Square, e não tinha uma pessoa sequer que morasse no Village naquele cinema. Só tinha gente que pegou o trem de Nova Jersey ou de Long Island. E a pesquisa foi feita: o estúdio quer saber quem vai ao cinema. E o público desse filme é formado por pessoas que vão ao cinema uma vez por ano ou [por] gente que nunca vai ao cinema. É o público de A Paixão de Cristo que está nessas salas.

Publicidade

Vamos voltar um pouco à questão do sniper e à distinção que você faz entre comentários sobre snipers e sobre o filme Sniper Americano. Você tem uma conexão muito pessoal com o franco-atirador e seus efeitos, e não existem muitas histórias modernas sobre snipers que ecoem na consciência americana tirando, talvez, se você voltar à Primeira e à Segunda Guerra Mundial, como você estava dizendo.

Só que, mesmo nessa época, se você tentar lembrar, não tem um sniper que, com o tempo, a sociedade aceitou como herói americano. Não faz parte da nossa cultura. Tem uma história famosa do Jesse James e do covarde que atirou nele pelas costas. Ele estava pendurando um quadro na parede da casa dele quando um cara chegou na janela, atirou e o matou. O Jesse James não é lembrado como o canalha. Ele era ladrão e assassino, mas o cara que o matou é o canalha na história que se contou.

Crescemos ouvindo histórias assim. Nossos pais contam, pelo menos para os meninos, que atacar alguém pelas costas é uma atitude covarde. Acertar alguém sem a pessoa te ver, vir por trás, isso é considerado errado. A própria palavra sniper: já ouviu a palavra sniping (tocaia, emboscada) ser usada de um jeito positivo?

Não, nunca.
Tem um contexto negativo. Não fui eu que inventei isso outro dia no Twitter. É uma crença comum, e é por isso que nunca fomos conhecidos pelos nossos chamados snipers. Nas guerras das quais participamos, sempre é o outro lado que tem snipers. E não é que a gente nunca tenha tido atiradores de elite. Pelo amor de Deus, eu já ganhei um prêmio de atirador de elite da NRA [Associação Nacional do Rifle americana] quando era criança. Mas acho que o sniper normalmente é associado com o lado do mal, o que está lesando, sejam os alemães nas duas guerras ou os japoneses no caso do meu tio.

Publicidade

Saiu outro filme agora chamado Corações de Ferro. Você já viu?
Já, já vi.

Também tem um franco-atirador no filme e, no fim, ele mata o herói americano. Então, parece que o valor do sniper está nos olhos de quem vê. É o sniper malvado camuflado que mata o Brad Pitt, que estava destruindo um batalhão de soldados da SS.
Eu gostei desse filme. É um filme de guerra bem feito e me deixou nervoso mesmo na cadeira do cinema. E antes, no filme, quando eles chegam na cidade onde tem outro sniper alemão, que era o problema de todos os americanos que chegavam nessas cidades. A força invasora, os alemães, estavam ocupando a cidade e tentando deter os libertadores. Eles não poderiam ganhar numa briga justa, e pode-se dizer que os americanos tinham mais tropas, mais dinheiro e mais poder de fogo. Mas também faço uma análise mais zen: [a de] que o opressor, o invasor, o agressor basicamente – não sempre, mas muitas vezes – em toda a História é derrotado. Em outras palavras, o bem triunfa sobre o mal. Com algumas exceções – os povos indígenas sendo, claro, uma óbvia.

Recebo um monte de e-mails de gente dizendo:"O Chris Kyle protegeu nossas tropas e salvou vidas". Bom, o que quer dizer isso: "salvou vidas"? As vidas dos nossos soldados não deveriam estar em risco para começo de conversa. Nós é que estávamos errados. Nós éramos a força invasora e acabamos perdendo. Fomos até lá com falsos pretextos e deixamos o lugar muito pior do que estava quando chegamos.

Publicidade

Considerando sua história e seus sentimentos pessoais a respeito do conceito de sniper, você pode descrever como se sentiu quando entrou na sala de cinema e também quando saiu?
Bom, fui na segunda noite da estreia. Só estava passando em quatro cinemas no país. Gosto do Clint Eastwood e queria ver esse filme. Sinceramente, o trailer e as propagandas na TV dele são melhores do que qualquer outro filme do ano. Mas, quando cheguei lá, da fila da pipoca até entrar no cinema, falei: "Nossa. Olha aí, estamos no Village e não tem ninguém do Village aqui". Daí umas pessoas me viram, e uma falou "Opa, que bom que você está aqui" e agradeceu pelo meu trabalho.

Fiquei muito feliz de estar lá com esse público, porque eles ficaram muito abalados. As pessoas choravam.
Ficou claro que estávamos em um cinema com 800 veteranos, militares, familiares ou amigos, e pessoas que nunca vão no cinema. Aliás, a pessoa com quem eu estava ria porque eu meio que fiz as vias de lanterninha. Ir no cinema em Nova York é diferente de outros lugares, e as pessoas entravam, olhavam, não encontravam lugares para sentar juntas e entendiam como o sistema funciona. Elas estavam muito fora do seu habitat. Nem sei dizer, eu devo ter dito umas doze vezes: "Olha, tem ali em cima". E eles olhavam impressionados, porque não sacaram sozinhos. E eu perguntava para as pessoas: "Você pode tirar esses casacos daqui? Pode deixar esse casal sentar?" Parecia que eles estavam muito confusos, com uma cara que eu provavelmente faria se estivesse tentando achar um lugar para sentar na sociedade de debates de Oxford.

Publicidade

Enfim, fiquei muito feliz de estar lá com esse público, porque eles ficaram muito abalados. As pessoas choravam. Elas estavam reagindo àquilo. Nos créditos finais, não tinha música, foi muito sombrio. Todo personagem principal do filme acaba transtornado pela guerra, se volta contra a guerra ou morre. Não tem uma vitória norte-americana a se comemorar no final e não tem ocasião de olha só o que fizemos, ou como no fim de O Resgate do Soldado Ryan, em que você vê o Tom Hanks morrendo, mas no fundo você pensa: Bom, ele não morreu em vão. Não tem nada disso nesse filme. Não tem catarse. Conversei com a Deb, que organiza meu festival de cinema em Traverse City, e ela disse a mesma coisa. Ela foi assistir no shopping. E disse que foi triste do começo ao fim. Disse que tinha muita gente conversando durante o filme, a maioria fazendo perguntas porque não entendia a política, não entendiam a coisa xiita-sunita, e perguntavam: De que lado ele está? Tinha muita ignorância na plateia.

Mas é interessante. Vi hoje que ele vai quebrar o recorde de bilheteria de filme recomendado para maiores de 17 anos, que até agora era de A Paixão de Cristo. E acho que estão descobrindo que o público é muito parecido. Não são pessoas que normalmente vão ao cinema, e se vão, não vão com muita frequência. Cinquenta por cento do público norte-americano nunca vai ao cinema. E outros 25% que vão só vão uma vez por ano. O público que frequenta o cinema são esses últimos 25%. Parecia mesmo o público de A Paixão de Cristo. Gente que normalmente esperaria sair em vídeo ou veria na TV, mas queria esse sentimento coletivo de sentar lá com os outros.

Trailer de 'Sniper Americano'.

Deixando de lado suas questões com snipers e a política da guerra, seria justo dizer que você não tem nenhuma questão com o filme enquanto produção?
O filme em si não comento normalmente, se você segue meu Twitter. Eu, como muitos cineastas e diretores, tem meio que um código informal implícito de que não criticamos os filmes uns dos outros. Se não gostamos de um filme de outro diretor, não dizemos nada. Se gostamos, aí falamos aos quatro ventos e incentivamos as pessoas a assistirem. É por isso que é raro encontrar um cineasta atacando outro por um filme. Porque todos nós sabemos como é difícil fazer um bom filme. A única vez que fiz isso no passado foi quando me senti muito mal por tanta gente, principalmente trabalhadores, que estava pagando para ver uma coisa que disseram que era uma coisa e não era, e aí eles ficariam péssimos. Eles dão duro a semana toda, e hoje é muito caro ir ao cinema, comprar um doce e coisas para as crianças. É o que acho. Então, sobre o filme, eu não disse nada nos primeiros dois tuítes. E depois, quando finalmente escrevi mais do que 140 caracteres, quando fui no Facebook e disse: "Bom, não vou dizer nada sobre Sniper Americano, mas vou dizer o seguinte: Bradley Cooper, uma das melhores atuações do ano". Sem dúvida. Como ele se transforma… você nem pensa que é o Bradley Cooper.

Publicidade

Steve Carell fez a mesma coisa em Fox Catcher. Muito rapidamente, aquele cara "Steve Carell" some e no lugar aparece um monstro.
Exatamente. Esse é o sinal de um bom ator; então, esse é o meu primeiro comentário positivo sobre o filme. A segunda coisa é que, tecnicamente, é um filme bem feito. Acho que houve algumas boas escolhas em termos de… foi muito ousado não colocar uma música no final, só os créditos subindo no escuro. Preto e silencioso. Como história, acho que é aí que o filme fica um pouco complicado para mim, porque o Clint basicamente quer fazer um faroeste das antigas – tudo muito simples e sem complicar as coisas. Por exemplo: as Torres Gêmeas foram atacadas, eles são chamados e, de repente, estão no Iraque.

Se você não presta atenção em nada, basicamente o filme diz: "Fomos atacados e aí contra-atacamos no Iraque". Claro, sabemos que o Iraque não teve nada a ver com o 11 de setembro, mas o filme deixa implícito que tem e que essa é a missão em que ele está para defender nosso país. Mas não estamos sendo defendidos por ele estar no Iraque. Você pode defender que ir ao Afeganistão para detê-los, e tentar pegar o Bin Laden e tudo isso, que teve alguma legitimidade. Mas, antes, estava tudo nas mãos de um comandante-chefe incompetente, e o novo chefe levou 13 meses – se tanto – para fazer o trabalho que o Bush teve oito anos para fazer: pegar o assassino em massa. Então, tem problemas de narrativa no filme, e acho que é por isso que as pessoas na plateia ficavam falando, porque estavam confusas. Sniper Americano cobre o que parece cerca de cinco ou seis anos, ou três ou quatro incursões no Iraque, e é tipo: "Como é que ele sempre acaba na mesma cidade com aquele mesmo cara?". É meio bobo nesse jeito faroeste das antigas. Foi meio filme B nesse sentido. E, claro, tem todas as coisas históricas que estão erradas, mas não queremos entrar nisso. É um filme. Não estou assistindo como documentário.

Publicidade

Mas acho que as pessoas ficam muito abaladas com o que fizemos e continuaremos a nos abalar com isso. Onde eu moro, em Traverse City, criei programas de apoio a veteranos com transtorno de estresse pós-traumático. Faço conferências para encontrar empregos, montei o primeiro programa de ação afirmativa para contratar especificamente veteranos das guerras do Iraque e do Afeganistão, e qualquer militar da ativa e familiares podem entrar nos meus cinemas de graça todos os dias do ano: eles não pagam um centavo. Não são muitas empresas que oferecem coisas de graça todo dia do ano para militares da ativa. E tem três cinemas que restaurei, são todos sem fins lucrativos. Montei para que sejam das comunidades onde estão localizados.

O filme está passando no seu próprio cinema, né?
É, estou exibindo o filme em um dos três cinemas. E isso é porque acho que faz parte do debate americano e as pessoas devem assistir. Não dá para falar sobre ele sem ter visto. Vi o John McCain me criticando ontem pelo que eu disse sobre os snipers em geral, e um repórter perguntou para ele se ele tinha visto o filme, e ele disse: "Não, ainda não vi". Isso me fez lembrar de quando ele foi no Lettermane criticou o 9/11,e o Letterman falou: "O senhor viu o filme?". E ele disse: "Não, ainda não vi". E o Letterman disse: "Senador, o senhor acha que é certo criticar coisas que o senhor não viu?". E ele respondeu: "Não, você deve estar certo. Preciso assistir".

Publicidade

Eu não passaria Transformers 5, porque é uma merda. Mas esse não é uma merda de filme. E, aliás, o Clint Eastwood até disse que tem um sentimento muito forte contrário à guerra no filme. Me diga, Eddy: quando você saiu do cinema depois de assistir, você pensou: "Que ótimo filme para recrutar jovens para o serviço militar?".

Acho que eu meio que me preparei para uma propaganda de direita quando fui ver o filme. Quando assisti, fiquei assustado, porque parecia um jogo de FPS. Pensei que isso tem um potencial muito perigoso. Se as pessoas achassem emocionante e pensassem: "Nossa, o Iraque é uma versão na vida real de um jogo de videogame que estou jogando. Legal".Então, foi um momento alarmante. Mas fiquei vidrado o filme todo. Não tirei os olhos da tela em nenhum momento. Então, é: fui preocupado e achei que o filme justificou, sim, a preocupação, mas agora, falando com você, talvez tenha uma mensagem contrária à guerra ali.
Tá, primeiro ele encontra o irmão na pista. Ele fica muito feliz de ver o irmão, que vai pegar um avião para ir embora de lá. Você vê que o coitado está completamente traumatizado. O sniper americano, Chris Kyle, está todo animado de vê-lo, e aí o irmão finalmente conta a verdade para ele: "Que se foda este lugar". Quantas vezes já ouvi isso dito por caras que voltam de lá? "Que se foda esse lugar". E aí o melhor amigo dele é morto: ele vai ao velório com a esposa, e a viúva do amigo lê a última carta que ele mandou, uma carta contra a guerra. Entende? A guerra é um erro.

Clint Eastwood não é um ideólogo da direita. Ele é uma miscelânea maluca politicamente. E, na verdade, ele é um libertário. Se quiser rotulá-lo, deve ser provavelmente nisso que ele acredita politicamente. Não acho que ele acredite que os Estados Unidos deveriam ser a polícia do mundo. Já é muita coisa mostrar que o irmão é contra a guerra, o melhor amigo é contra guerra. Parece que o Chris é o único que está tipo "Uhuu!". Todo mundo olha para ele do tipo: "Está louco? Vamos abaixar a cabeça e cair fora daqui o mais rápido possível, porra."

Todo mundo sabe da mentira que o Chris fica dizendo para si mesmo: de que vale a pena. Ele tem de repetir isso, porque provavelmente sabe, no fundo do coração, que não vale nada a pena. Não tem nada a ver com defender os Estados Unidos da América, que é o único trabalho deles. É para isso que pagamos nossos impostos. Para que, se formos atacados ou alguma coisa nos ameaçar, sejamos protegidos. Isso não estava nos ameaçando. O Iraque não estava nos atacando e não estava planejando nos atacar.

Publicidade

Lancei um livro de cartas de soldados, porque recebi muitas de pessoas que se alistaram depois do 11 de setembro. Queriam fazer a sua parte e, dois anos depois, foram mandadas para o Iraque e pensaram: "Mas que porra estou fazendo aqui? Não foi para isso que me alistei".

Parece que o que você está dizendo é que o filme é menos unidimensional do que o discurso em torno dele e a crítica contra você, que é quase mais míope do que o filme em si.
Sim, exatamente. E aí a pergunta precisa ser feita: por quê? Como foi que eu me tornei… por que virei o bode expiatório? Quer dizer, eu li o que o Noam Chomsky escreveu sobre o assunto. Li Matt Taibbi, li Chris Hedges… li o que os pensadores da extrema-esquerda disseram, e são todos muito cruéis e ferozes contra o filme. E concordo com muito do que eles dizem, mas não vão atrás deles. E o motivo pelo qual foram atrás do Seth Rogen é porque temos uma grande penetração no mainstream do norte-americano médio. Meus fãs, e obviamente a igreja da esquerda, adoram meu trabalho, compram meus livros e assistem aos meus filmes, mas, se fossem só eles, eu estaria condenado. Meus filmes passam em alguns shoppings e cinemas comerciais. E isso é muito incomum para uma pessoa da esquerda – nosso trabalho, nossa arte –, alcançar a massa dos Estados Unidos. Então, isso me torna perigoso para eles, porque sabem que eu tenho esse público. Acho ótimo que, às vezes, receba comentários do tipo: "Como foi que ele conseguiu dois milhões de seguidores no Twitter? Alguém pode me explicar? Em que mundo vivemos?".

Publicidade

Não tenho um programa diário na TV como a Rachel [Maddow], não tenho um programa semanal como o Bill [Maher]. Meu último filme foi feito há cinco anos e meu último livro, há uns dois. Não estou na mídia todo dia. Não apareço na TV. E, mesmo assim, tenho um número de fãs enorme que vai muito além da igreja da esquerda – e,obviamente, Seth Rogen também, até mais, porque ele não é uma pessoa política. Ele está muito, muito no mainstream, principalmente com a geração mais nova. E isso o torna perigoso, e eles precisam detê-lo imediatamente. Ele não pensou em nada muito político, achei que foi uma observação muito astuta e engraçada que ele fez. Mas agora tem um restaurante em Michigan onde Seth Rogen e eu não podemos comer. Criei a hashtag #tableforsethandmike ("mesa para Seth e Mike") para qualquer restaurante que aceitar nos servir, por favor, mandar o nome para nós. [risos]

Obviamente, você viu o cartaz que a Sarah Palin levantou: "Michael Moore", com miras nos dois Os.
Aquele que acabou com a carreira política dela no sábado?

É.
É, eu postei aqueles dois tuítes no domingo. E, na segunda-feira, percebi que era melhor fazer um post no Facebook, porque moro em uma nação onde muita gente não consegue compreender. Fora que 140 caracteres não é muita coisa. Então, fiz [um post] no Facebook e decidi que não ia mais falar nada até sexta-feira. Não postei nada no Twitter sobre o assunto, não falei nada, não fiz nada: simplesmente decidi deixar esses malucos cansarem e gritarem a semana toda. Não vão me ver contra-atacando, o que vai aumentar ainda mais a gritaria e maluquice, e essencialmente deixá-los socarem a própria cara. Era isso que eu esperava que fosse acontecer. Pensa: a grande maioria dos seguidores dela são evangélicos. Gente cristã de bem. Eles ficaram chocados ao vê-la segurando um cartaz escrito "Vai se foder".

Ela ficou tão irritada comigo que abaixou a guarda e mostrou quem é de verdade, e a direita cristã viu e ficou horrorizada.

Essa é uma pessoa que se coloca como uma respeitável mãe americana.
É. Valores da família. Muito exemplar, e ela fala coisas do tipo: "Valei-me, minha nossa senhora". Ela ficou tão irritada comigo que abaixou a guarda e mostrou quem é de verdade, e a direita cristã viu e ficou horrorizada. A repercussão negativa nas redes sociais foi imediata e também se repetiu no sábado antes do discurso dela. Minha teoria é que ela achou que seu próprio povo se voltou contra ela, e isso deixou-a aturdida. E aí acho que o teleprompter pifou, né? Ela não conseguiu [se] recuperar, e estava bem no meio. Preciso ver de novo, não lembro. Vi na C-Span. Mas, no começo, ela estava me criticando, estava sendo muito criticada pelo próprio povo, e aí começou [a ir] para cima de mim, e o teleprompter cai. Então, enfim. Gosto de imaginar que foi um bom ou uma boa sindicalista…

Que desligou o aparelho?
[risos] Que desligou o aparelho. Mas, seja como for, ela ficou atordoada. Se você acompanha as notícias sobre ela agora, nos últimos quatro dias, só se fala que ela acabou. Estão atacando-a na Fox: Bill Kristol, que era um grande apoiador dela. Todas essas pessoas a abandonaram por causa dessas duas coisas que ela disse: segurar um cartaz usando a palavra "foder" e o atordoamento dela quando ela foi me atacar, e se perder e não conseguir mais falar.

Publicidade

Com as miras e os Os, ela já não tinha tido problema? O site dela alguns anos atrás não tinha miras em alguns distritos no país?
Sim, e ela teve de tirar. E, no cartaz do "Vai se foder", ela colocou miras nos dois Os do meu nome. E isso também teve repercussão negativa, obrigado por me lembrar. Então, foi por usar o palavrão e voltar a colocar a mira em um ser humano.

De qualquer forma, estou olhando a foto agora e ela está fazendo um sinal com a mão que é bem "trasheira". Sabe quando você levanta o dedinho e o dedão? Não sei nem como chama. Tem um nome.
É, sei do que você está falando.

É tipo um sinal meio festeiro. É bem engraçado.
[risos] É mais tipo: "Vamos matar esse filho da puta e fazer FESTA!".

Discurso de agradecimento de Michael Moore no Oscar por 'Tiros em Columbine'

Tem uma coisa que é muito zoada e grosseira no que ela está fazendo com as mãos. Preciso te fazer uma última pergunta, porque não posso terminar uma entrevista falando sobre a Sarah Palin. Você permite que pessoas que sofrem de transtorno de estresse pós-traumático usem seus cinemas como espaços de reunião. Como você acha que o filme lidou com a questão do transtorno, já que o assunto é tão próximo de você?
Bom, eu me identifico com ele através dos veteranos que ajudo, mas também me identifico pessoalmente. Não tive de passar pelo que eles passaram no Iraque, mas tive de lidar com as ameaças que sofri depois do meu discurso no Oscar; e, depois de Fahrenheit,houve meia dúzia de agressões contra mim. Tive de contratar segurança, essencialmente seis ex-Seals da Marinha e Boinas Verdes, e eles pegaram um cara que fez uma bomba de fertilizante para explodir a minha casa. Então, também tive problemas nesse sentido.

Publicidade

Fiquei feliz [pelo transtorno] estar no filme. Sabe, o Clint não tentou retratar nem os soldados nem os veteranos como uma operação monolítica de He-Man. Eram todos gentis. E acho que são. Sei que isso desencadeou coisas boas para pessoas que querem lidar com o problema do trauma e acho que o filme vai gerar uma vontade de ajudar os veteranos que retornam. Espero que promova coisas boas em níveis emocionais. Mas, no nível cognitivo, os americanos que assistem a esse filme precisam se comprometer a nunca mais: nunca mais vamos permitir que uma situação como essa se repita.

E se presta pouquíssima atenção a isso… o grande funeral que fazem no final com a caravana parece uma coisa que se faz para alguém que morreu na guerra. A guerra em que ele morreu foi a guerra em casa – a guerra do veterano que retorna, mas não recebe ajuda. Mas também é a guerra de uma cultura americana, especificamente a cultura texana, que diz: "Claro, dá uma arma para todo mundo. Vamos para o campo de tiro. Ah, ele tem transtorno de estresse pós-traumático? Não tem problema, toma uma arma". A arma americana, a cultura e a atitude americana com relação às armas mataram Chris Kyle. E isso é tratado de forma muito breve no filme. Só sabemos como ele morreu. O Clint não mostra a cena em que ele pega a arma e eles vão ao campo de tiro, e [não] mostra a cena no campo de tiro e [não] mostra que, depois de tudo que ele passou no Iraque, ele é morto desse jeito por um colega do exército. Não foi um liberal, nem um manifestante, mas um deles. A coisa toda é um erro, a guerra toda era um erro. Era imoral, era ilegal. O Papa disse que não é uma guerra justa, e é completamente… olhe as estatísticas dos caras que voltaram em termos de violência doméstica.

Abuso de remédios controlados…
Nossa. É muito… e tenho a impressão de que as pessoas acham que o que os olhos não veem, o coração não sente. "Não quero pensar nisso". Mas se o filme faz pensar sobre isso, terá feito uma coisa positiva; mas se saírem do filme pensando "Ansioso para a próxima guerra, para a gente pegar mais desses criminosos"bom, desculpa, pessoal, mas não vamos aprender a lição até estarmos dispostos a dizer: "Nós fomos os criminosos, nós fomos os caras que erraram aqui". As pessoas estavam defendendo suas casas, e é por isso que estavam matando a gente. Assim como a gente os mataria! Se um grupo de iranianos ou iraquianos ou canadenses aparecesse na rua principal da sua cidade, me diz se você faria diferente.

É mais complicado que isso, porque eles não só estavam matando soldados americanos, mas estavam também se matando entre si. E, sinceramente, de certa forma, talvez seja perfeito que esse filme tenha sido lançado agora em um momento em que o ISIS trouxe a guerra do Iraque de volta para a consciência das pessoas e expôs a complexidade de lá que ninguém sabia que existia quando fomos ao Iraque, porque não se prestou atenção nem se aprendeu com isso. É interessante o filme sair agora, quando tudo está voltando a aparecer, porque nós que despedaçamos essa coisa. A confusão é agora e ainda está por vir.
Despedaçamos mesmo. Não digo que o Saddam Hussein fosse um cara do bem, mas ele claramente entendia que a única forma do Iraque não se desintegrar era ser um país laico, não religioso. Se a religião fosse introduzida, haveria uma guerra civil. E ele estava certo. É isso que está acontecendo agora.

Será que passaríamos um filme que se referisse constantemente aos indígenas americanos como selvagens?
Preciso dizer, antes de encerrarmos, que o retrato dos iraquianos, árabes e muçulmanos nesse filme é muito ofensivo. Estamos discutindo isso aqui na nossa casa, em Michigan. Existem muitos povos indígenas aqui. E será que passaríamos um filme que se referisse constantemente aos indígenas americanos como selvagens? O termo é falado muitas vezes nesse filme. A primeira vez que ouvi, pensei: "Tá, entendi, os soldados falam assim". Mas aí continuou se repetindo, e aí ouvi o Clint Eastwood falando, não os soldados. Ele precisava muito afirmar essa ideia. Ele precisava afirmar, do ponto de vista da história, que os outros lados eram selvagens, que eles enfiariam uma furadeira na cabeça de um menino. Isso ele precisava muito.

A primeira coisa que escrevi sobre a confusão que ele faz entre Vietnã e Iraque foi que a coisa toda de mandar crianças ou mulheres com granadas, ou enfim, isso faz parte da mitologia do Vietnã. E aconteceu de fato no Vietnã algumas vezes, mas isso assustava todo mundo, fazia todo mundo achar que os vietnamitas eram animais. Bom, isso não aconteceu na guerra do Iraque. As crianças não eram pegas em armadilhas, não levavam granadas e essas coisas todas. Na Palestina, tinha mulheres que faziam atentados suicidas: teve a mulher que tentou um ataque suicida na Jordânia, mas estão tentando negociar a libertação agora. Mas isso não foi na guerra do Iraque. Não teve esse tipo de coisa.

Perdemos muitas pessoas e muitos membros por causa de celulares e bombas caseiras que plantavam na estrada e explodiam. E aí o Rumsfeld se recusou a trocar os veículos da General Motors; então, nos primeiros anos, o chão dos veículos era praticamente papel alumínio. O pessoal lá começou a adaptar: pegavam sucata e parafusavam na porra toda para poder viver, porque o Pentágono não queria dar veículos nos quais eles pudessem sobreviver. Então, é ofensivo ouvir essa palavra dita em todo o filme por… não por pessoas ruins, mas pessoas boas, o que faz parecer que tudo bem dizer essas palavras sobre os iraquianos "selvagens".

Isso também reforça um sentimento sobre os árabes e muçulmanos que me deixa desconfortável. Mas – sabe? – não estou dizendo para tentar esconder isso. Existem problemas sérios. Até o cara com a bomba de fertilizante, posso citar um exemplo em dez anos contra mim. Se eu morasse em outros países, seria um pouco mais frequente. Então, não quero comparar isso àquilo, mas postei uma coisa no Facebook , porque me pediram nos últimos dias, com o Clint Eastwood. Se ele me ameaçou de morte? O Snopes finalmente fez uma matéria sobre isso ontem e disse que sim: é verdade, aconteceu em 2005 no restaurante Tavern on the Green. Acho que todo mundo levou como piada ou meio piada, mas foi uma dessas situações esquisitas em que ele não esperava uma risada, e aí as pessoas riram, e ele não gostou e disse: "Aí, estou falando sério. Te meto bala". E aí ficou um silêncio, do tipo: "Qual é o problema dele, porra?". Não se brinca com certas coisas. Não se fala para uma mulher "Aí, vou te estuprar" e, depois de uma risada nervosa, "Não, estou falando sério! Vou te estuprar!". Não diga isso, por favor. Não é legal.

Vamos encerrar aqui.Uma última coisa: nenhum filme consegue contar toda a história. Com certeza, existem muitas histórias iraquianas que não estão sendo contadas nesse filme. Mas a última cena, em que o Chris vai até a porta e sabemos o que vai acontecer: e a história não contada desse assassino? Será que devemos saber sobre eles? Tem alguém contando essa história do veterano iraquiano que volta para casa destruído psicologicamente?
Não, não está sendo contada. Ninguém pensa nisso no dia a dia. As pessoas não querem pensar na seriedade que esse problema pode ter. Vamos pagar o preço por isso se não tratarmos do assunto. Já estamos pagando. É um grande problema e deveria ser prioridade máxima.

Onde as pessoas podem buscar saber mais? Você quer indicar algum lugar?
As linhas de apoio aos veteranos que foram criadas por grupos de veteranos. Tem um documentário em curta-metragem, que foi indicado ao Oscar neste ano, chamado Crisis Hotline: Veterans Press 1 ("Linha Direta da Crise: Veterano, Digite 1", em tradução livre). É muito forte. É baseado em uma linha direta de veteranos que funciona perto daqui. Então, acho que tudo que você puder fazer para apoiar e incentivar, localmente, psicólogos e psiquiatras a doarem o tempo que tiverem. Não dependa do governo para isso. E também tem grupos muito bons, como os Veteranos Americanos do Iraque e do Afeganistão, e outros que estão tentando ser bons defensores dos veteranos. E acho que as pessoas devem entrar para esse grupo. Devem apoiá-lo, e também acho que devemos forçar nossos representantes a fazerem disso uma prioridade. Nosso sistema de saúde tem um problema, porque não tratamos de saúde mental da mesma forma. Devemos nos preocupar igualmente com a saúde mental e física.

Quantos veteranos cometem suicídio por dia?
São 22 por dia.

Isso é assustador.
A porcentagem de veteranos em situação de rua é assustadora. Se fosse possível mostrar para jovens no ensino médio: "É assim que o seu país te agradece pelo seu serviço". Escrevi um blog no ano passado dizendo que quero que todo mundo pare de dizer para os soldados e veteranos: "Obrigado por servir o nosso país". Eles não querem ouvir isso: querem que você cale a porra da boca e faça alguma coisa. Garanta tratamento de saúde mental. Vote em políticos que não vão os mandar para a guerra por motivo nenhum. Sabe? Se quer agradecer, é assim que pode fazer.

Mais informações sobre transtorno de estresse pós-traumático e grupos de apoio a veteranos norte-americanos podem ser encontradas no Departamento de Assuntos de Veteranos.

Siga o Eddy Moretti no Twitter.

Tradução: Aline Scátola