Publicidade
Sexo

Fumar erva antes do sexo leva a melhores orgasmos para as mulheres, diz estudo

Também aumenta o desejo sexual feminino e atenua a dor durante o acto.

Por Dhvani Solani; Traduzido por Madalena Maltez
27 Março 2019, 3:21pm

Ilustração por Pratiksha Chauhan.

Este artigo foi originalmente publicado na VICE India.

A erva pode tornar possível um monte de coisas extraordinárias: pode fazer com que a comida saiba melhor, com que o teu período doa menos e pode ajudar-te a perder peso. Agora, ao que parece, pode também ajudar mulheres que fumem uma antes de fazer sexo a terem mais desejo sexual, menos dor durante o acto (se for esse o caso) e orgasmos mais satisfatórios, quando comparado com aqueles sentidos por mulheres que não fumam.

Estas são as conclusões de um estudo recentemente publicado no jornal cientifico Sexual Medicine, no qual se pode ler: "Mulheres que consomem marijuana com frequência, independentemente de o fazerem antes do sexo ou não, têm 2.10 vezes mais [Nota do editor: caraças!] probabilidades de relatar orgasmos satisfatórios do que as consumidoras pouco frequentes".


Vê o primeiro episódio de "Slutever"


O estudo - levado a cabo por uma equipa da Faculdade de Medicina da Saint Louis University - teve 373 participantes, das quais 34 por cento consumiram canábis antes da actividade sexual. Ao combinar fumar e sexo em nome da ciência, estas mulheres reportaram efeitos positivos na satisfação sexual geral, no desejo, no orgasmo e melhorias na dor sexual - tudo menos na lubrificação.

Mas, sinceramente, estas conclusões não são assim TÃO surpreendentes, pois não? Perguntámos a mulheres à nossa volta o que lhes parecia o estudo e a maioria delas disseram sempre terem considerado o sexo mocadas como um bom sexo, até antes de saberem destes resultados. "Pelo menos não como sexo de bêbados, em que o homem pode perder a erecção ou alguém ter que parar a meio para vomitar", diz uma. Outra acrescenta: "O pior que pode acontecer se estiveres mocada é soltares uma gargalhada a meio do acto ou esqueceres-te que estás a fazer sexo". Uma outra avança ainda: "Sinto-me muito mais relaxada, menos ansiosa quanto às minhas inseguranças com o meu corpo e mais conectada comigo mesma quando estou mocada".

Voltemos ao estudo. Apesar de ser interessante reparar nas conclusões acima, o que fica por esclarecer é o que é exactamente aquilo que leva a uma melhoria da experiência sexual. "Tem sido defendido que melhora a experiência sexual simplesmente por reduzir a ansiedade e o stress", diz o estudo. E acrescenta: "Pode abrandar a percepção temporal do tempo e prolongar o sentimento das sensações prazerosas. Pode dever-se ao facto de diminuir as inibições sexuais e aumentar a confiança e o desejo de experimentar. A canábis é conhecida por aumentar sensações como o toque, cheiro, paladar e audição". Os autores também realçam que a erva pode ajudar a activar neurotransmissores ligados ao prazer sexual.

Um estudo anterior sobre um assunto semelhante também revelou que, em muitos países, a ilegalidade da canábis - que a torna em algo que se consome numa área mais privada, ao contrário, por exemplo, do álcool que está por todos os lados - contribui para a facilitação de actividade sexual. Outro estudo - este de 2017, desenvolvido por investigadores da Stanford University - descobriu uma relação directa entre fumadores frequentes de canábis e sexo frequente.

No entanto, a nova investigação foca-se especialmente no prazer feminino e nos orgasmos das mulheres, porque a disparidade entre homens e mulheres no que toca a atingir orgasmos é ainda clara e real. Esta pode não ser a resposta para acabar com essa disparidade, mas dá-nos umas dicas para que, a caminho de um mundo igualitário, possamos pelo menos duplicar as probabilidades de ter bons orgasmos.


Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.

Tagged:
MARIJUANA
sexo
Drogas
ciencia
orgasmo
Mulheres
sexualidade
erva
VICE International
Sociedade
Saúde
investigação
estudo
Destaques
fumar erva
consumo de canábis