Games

Como deficientes conseguem jogar videogames complexos tipo 'Monster Hunter'

Mesmo com uma doença muscular degenerativa, Sidney Tinsley consegue massacrar um Anjanath porque a Capcom colocou opções de controle suficientes no jogo.
Imagens: Capcom/Divulgação.

Matéria originalmente publicada no Waypoint.

Monster Hunters: World é um jogo intimidador e cheio de mecânicas e sistemas complexos que levam dezenas de horas para entender totalmente, e um sistema de combate punitivo que exige que o jogador esteja atento o tempo todo. À primeira vista, não parecia o tipo de jogo que Sidney Tinsley poderia jogar, quanto mais investir 40 horas e além. Isso porque Sidney, desde que nasceu, tem que lidar com uma deficiência que faz seus músculos enfraquecerem com o tempo. O que torna jogar certos videogames… complicado.

Publicidade

“Quando era criança, eu conseguia usar um controle com facilidade, eu só era ruim como quase todos os outros garotos naquela época”, me disse o homem de 20 anos recentemente.

Enquanto o corpo de Sidney cresce, seus músculos se movem em outras direções, ficando mais finos. Essa regressão acontece em surtos, com sua adolescência sendo os anos mais tumultuados porque seu corpo estava constantemente mudando. Quando as coisas se assentaram, ele chegou a um novo normal, e foi se ajustando ao que seu corpo conseguia fazer. A mudança é imprevisível, e é comum seus músculos continuarem no mesmo estado por anos.

“Agora tenho 20 anos, e claro que as coisas mudam”, ele disse, “e tenho que aprender como ligar o que quero fazer com o que posso realmente fazer. Com videogames, isso veio na forma de pesquisar os controles de um jogo antes de comprá-lo, às vezes antes mesmo do jogo sair”.

Sidney agora tenta não se empolgar demais com lançamentos; não há garantias de que ele vai poder jogá-los. Tudo depende das opções que o jogo dá, e enquanto a indústria está na direção certa quando se trata de acessibilidade, algumas empresas, como a Nintendo, não tomaram passo básicos para reconhecer os fãs deficientes.

“Muitas vezes, tem controles que tenho que ignorar completamente porque não posso usá-los”, ele disse, “então tenho que encontrar outras maneiras de usar os controles de um jogo para compensar”.

Publicidade

Disparar correndo, por exemplo, é um problema. Na maioria dos jogos, correr é iniciado empurrando o joystick da esquerda ou direita, o que é difícil para Sidney. Assim, correr agora está fora de questão. (É possível remapear os botões no Xbox One e no PlayStation 4, mas num jogo que dá funções cruciais para cada um dos botões, isso pode não ajudar muito.)

“Jogos como Battlefield ou Call of Duty são frustrantes por causa disso”, ele disse, “e mesmo não jogando games de tiro com frequência, abordo esses jogos me escondendo atrás de barris ou em cantos. Ou jogo no papel péssimo do franco-atirador parado”.

Sidney deu uma olhada no Monster Hunter para PSP, mas não se empolgou porque ele “era jovem e não achava que precisava ler os tutoriais”. Ainda assim, ele gostou de bater em dinossauros, e prestou atenção quando Monster Hunter: World estava prestes a ser lançado.

Os astros se alinharam para Monster Hunter: World, onde é possível mudar os botões para correr — nesse caso, para um botão no topo do controle — sem perder nenhuma função muito importante. Como o jogo inclui uma variedade de armas, ele pode usar ataques lentos baseados em timing e não precisa ficar apertando freneticamente os botões. Se uma arma pede uma configuração de botões muito estranha, ele encontra outra.

No momento, ele prefere a espada grande, o martelo e o machado.

Na verdade, a série Monster Hunter tem uma longa história de jogadores controlando o game de maneiras pouco convencionais. Lembre-se, a série original foi lançada em PSP, um console que não tinha dois joysticks analógicos! Isso levou jogadores a desenvolverem métodos únicos para lutar e manipular a câmera segurando o controle numa posição chamada “a garra”.

Publicidade

Depois que Sidney compartilhou sua experiência no reddit, outros jogadores deficientes se juntaram a ele. Leftjun, por exemplo, só pode usar uma mão e segura seu controle de PS4 assim:

Imagem: Reddit/leftjun

“A primeira coisa que você vai notar é que apoio o controle no meu corpo em vez de numa superfície plana”, ele escreveu. “Isso porque preciso de um ângulo extra para dobrar meu pulso (tipo um louva-deus) para alcançar os botões necessários e ainda ter controle.”

Você pode ver como leftjun segura vários tipos de controles nesta postagem dele.

Mas acontece que as opções são o que realmente importa — não se um jogo é “difícil”.

“Acho que isso é algo importante de diferenciar”, disse Sidney, “um jogo difícil não é um jogo que não inclui opções para deficientes. Um jogo difícil como Monster Hunter envolve muita paciência e prever os movimentos dos monstros antes que eles aconteçam. Muitas vezes no jogo, é uma questão de se posicionar no ponto certo no começo da ação do monstro. Dei uma chance para o jogo porque tinha terminado Dark Souls 3 e sentia falta da euforia de derrotar chefes. Eu sabia que Monster Hunter era mais ou menos a mesma coisa.”

Algum dia no futuro as coisas vão, mais uma vez, mudar para Sidney, e não há um indicador claro de quando seus músculos vão enfraquecer mais. É possível que jogos como Monster Hunter: World, mesmo com todas as opções de personalização, eventualmente se tornem impossíveis de jogar. Sidney está pronto para essa realidade, venha quando vier.

“Tenho muitas outras paixões como compor e produzir música, ler, escrever ficção, e estudar filosofia e história”, ele disse. “Além de tudo isso, sempre vou ter jogos no meu gênero favorito — JRPGs de turnos — que consigo jogar.”

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.