Entretenimento

A Bienal de Cinema Indígena prova que os índios brasileiros também fazem cinema

De 7 a 12 de outubro, São Paulo recebe a sétima arte sob a ótica de quem chegou primeiro no país.

por Débora Lopes
04 Outubro 2016, 10:00am

Foto: Alice Fortes/ Divulgação

Um índio brasileiro vai a Londres. Lá, com uma câmera na mão, ele quer provar que há mais semelhanças entre os rios Tâmisa e Xingu do que nossos olhos não indígenas podem enxergar.

Durante 30 dias, Takumã Kuikuro entrevistou hippies que viviam sobre as águas, uma mulher que cura com as mãos, dançarinas indianas e outros personagens inusitados para sacar as ligações espirituais de comunidades distintas do Velho Continente com os índios brasileiros. Esse é o roteiro de ETE Londres, um dos documentários a ser exibido na Aldeia SP – Bienal de Cinema Indígena, que acontece entre os dias 7 e 12 de outubro na cidade de São Paulo.

Durante uma semana, 57 filmes feitos por cineastas índios (todos possuem origens indígenas, sem exceção) irão tomar as telas para consolidar algo que, embora seja simples, ainda é desconhecido pela maioria: a sétima arte sob a ótica de quem chegou primeiro em terras brasileiras.

LEIA: "Yandê é a primeira rádio indígena online do Brasil"

A seleção traz produções que abordam protestos, retomadas de terras tradicionais, xamanismo, programas de TV e clipes. Entre as obras mais recentes está o curta animado Konãgxeka: o Dilúvio Maxakali (2016).

Lançada pela produtora de filmes indígenas Pajé Filmes, a animação retrata a história do dilúvio segundo a etnia Maxakali, cuja população habita o estado de Minas Gerais e conta com cerca de 1.500 índios.

Para o antropólogo, cineasta e fotógrafo Pedro Portella, um dos curadores da mostra, o importante é reforçar o papel do cinema múltiplo indígena, que, além de ser artesanal e diverso, "traz o discurso direto de seus realizadores".

Para sacar a programação completa, clique aqui.


Bienal de Cinema Indígena – Circuito SPCine

Data: 7 a 12 de outubro.
Entrada: gratuita
Local: CCSP (Rua Vergueiro, 1000, Paraíso) e CEUs (Aricanduva, Butantã, Casa Blanca, Heliópolis, Inácio Monteiro, Meninos, Paraisópolis, Parque Anhanguera, Parque Bristol, Pera Marmelo e Vila Atlântica)

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.