Publicidade
Outros

Tentei viver como a Gwyneth Paltrow por uma semana

Quem quer viver como a Gwyneth precisa cortar as seguintes coisas: café, álcool, leite, ovos, açúcar, mariscos, peixes de água profunda, batata, tomate, pimenta, berinjela, milho, glúten, carne e soja, ou seja, tudo que faz a vida valer a pena.

por Michael Buchinger; Traduzido por Marina Schnoor
19 Outubro 2015, 7:30pm

Adoro a Gwyneth Paltrow. Mas como meu amor por queijo azul e Macarena, é uma devoção que meus amigos não entendem muito bem. "Gwyneth Paltrow – não é aquela mina que diz que você tem viver só de alga e brotos e limpar a vagina com vapor?", eles me perguntam.

Claro, a Gwyneth é uma dessas celebridades cheias de conselhos para melhorar sua vida. Em geral, odeio gente que fica me dizendo que o meu estilo de vida não é bom o suficiente. Sou vegetariano, mais ou menos, e fiz dois abdominais semana passada. Estou vivendo minha vida o melhor possível. Acho que se manter atualizado com as tendências de comida saudável é tão estressante e superficial quanto acompanhar as loucuras das Kardashians.

Nessa época ano passado, xarope de agave era a modinha entre meus amigos da comida saudável; mês passado, fiz um bolo usando isso como adoçante e me trataram como seu eu tivesse trazido uma bandeja de crack para a festa. Parece que xarope de agave não é mais saudável – ele causa câncer. Por que toda comida tem que ser supersaudável ou dar câncer?

Parece que a única pessoa em que posso confiar quando se trata de otimização da vida é a Gwyneth. Alguns dias atrás, achei o livro de receitas dela, It's All Good. Nele, ela apresenta receitas saudáveis que são, bom, muito boas, acho. A contracapa prometia que o livro ia me deixar mais bonito. Comprado!

Lendo o prefácio, percebi que eu e a GP somos pessoas totalmente diferentes. Viver como eu significa beber um barril de vinho e levar a frase "coma à vontade" bem literalmente. Quem quer viver como a Gwyneth precisa cortar as seguintes coisas: café, álcool, leite, ovos, açúcar, mariscos, peixes de água profunda, batata, tomate, pimenta, berinjela, milho, glúten, carne e soja, ou seja, tudo que faz a vida valer a pena.

Chocado com esse puritanismo, meu queixo caiu, e eu praticamente tive que cuspir um peixe com pimenta inteiro. Será que eu conseguiria, pelo menos por alguns dias, viver uma vida "certa" e comer como a rainha da otimização pretensiosa de estilo de vida? Resolvi tentar.

DIA 1

Todos os dias da dieta Paltrow começam com um suco verde fresco, que, segundo a Gwyneth, é igual café. Infelizmente, isso consiste de ingredientes nojentos que eu nunca comeria na forma sólida (couve, gengibre, menta e limão). Além disso, eu tinha que encarar meu medo do meu juicer, que é uma máquina velha e barulhenta que às vezes solta fumaça. Liguei ele me sentindo nervoso como um cachorro na véspera de ano novo.

Pelo bem da minha futura boa aparência, engoli o caldo verde como se estivesse num remake de Two Girls One Cup. O gosto não era horrível – até gostei, acho?

Durante o dia, belisquei amêndoas que deixei mergulhadas em água por seis horas. Gwyneth diz que elas são o "lanche ideal". Obviamente essa mulher nunca comeu batata frita com cheddar e bacon. E ela esqueceu de dizer que esse lanche não tem gosto de nada. Mas tudo bem, eu tinha um jantar com amigos naquela noite.

Fato curioso: A Gwyneth adora jantares, mas só quando está na Europa. Ela acha a conversa mais refinada lá. Uma vez, ela estava num jantar nos EUA e uma pessoa comendo do lado dela perguntou onde ela comprava calça jeans. JEANS! Eca.

Decidi ser um bom convidado e levar a sobremesa mais elaborada da Gwyneth: uma farofa sem glúten de frutas com quinoa. A farofa foi o ponto alto da festa. Minha amiga Sarah, que cozinha muito bem, me elogiou por levar uma sobremesa tão gostosa. Todos esses elogios subiram à minha cabeça. Fiquei imaginando se a Sarah já tinha comido amêndoas molhadas. No geral, a festa foi um sucesso, e ninguém tentou levar a conversa para o lado das calças jeans.

DIA 2

O segundo dia do meu experimento foi sobre o lendário missô com shiitaque e katsuobushi da Gwyneth. Em seu primeiro livro de receitas – My Father's Daughter – ela revelou que come a sopa no café da manhã e no jantar. GWYNETH! A mesma sopa duas vezes por dia? Sua louca.

Eu queria copiar os excessos de missô da Gwyneth, então cheguei numa funcionária do supermercado local e perguntei "Licença, onde fica o katsuobushi aqui?", coçando o queixo. Ela me olhou como se quisesse gritar "Saia desta loja imediatamente!", e sumiu por um dos corredores sem dizer nada.

A sopa ficou uma delícia mesmo sem o katsuobushi (uma conserva seca de atum-bonito, óbvio). Enquanto comia, decidi assistir entrevistas com a Gwyneth no YouTube. Me senti tão conectado com a minha mentora que me peguei falando com a tela: "Ai, Gwyneth, infelizmente não achei o tal katsuobushi..." Suspirei, envergonhado. Senti que ela me perdoava. "Ainda não acredito que você come essa sopa duas vezes por dia!" Ri, até perceber que provavelmente tenho problemas mais sérios do que pensei.

Mais tarde naquela noite, encontrei alguns amigos num bar.

"Sabiam que a Gwyneth só fuma um cigarro por dia?", perguntei a eles.

Nem esperei a resposta. Essa era só uma das muitas bombas Paltrow que soltei naquela noite. Deu para notar que meus amigos estavam pesando os prós e contras da nossa amizade. "Ela também não faz dieta o tempo todo, então não tem problema eu fazer essa exceção!", eu disse um pouco alto demais enquanto bebia uma cerveja.

Depois da terceira rodada (ops), um dos meus amigos sugeriu que fizéssemos ioga juntos naquela semana. Era uma tentativa óbvia de me fazer calar a boca. Concordei extasiado, claro. Vamos fazer ioga juntos e não falar sobre jeans. A Gwyneth ia amar essa porra.

DIA 3

Talvez tenha sido a cerveja, mas acordei me sentindo fraco e pronto para dar um fim na minha dieta. Eu obviamente não tinha tanta força de vontade quanto a Gwyneth – no seu aniversário em 2012, ela dispensou o bolo e pediu "um prato de frutas de aniversário" para dividir com as amigas Sofia Coppola e Cameron Diaz.

Mas aí lembrei da vez em que a Gwyneth estava fazendo uma caminhada no Arizona e pensou que as pedras estavam sussurrando o mantra: "Você tem a resposta, você é a professora!". Fiquei bem quieto e esperei as minhas paredes dizerem alguma coisa. Infelizmente, só ouvi meu vizinho idoso tossir e cuspir algo.

Decidi malhar com um DVD de fitness chamado Metamorphosis. Esse é um vídeo da Tracy Anderson – a treinadora da Gwyneth e criadora do "Método Tracy Anderson". Decidi fazer a "Sequência de Cardio", onde a Tracy não diz nada, só dança freneticamente ao som de uma música de filme pornô por 30 minutos. Depois de meia hora, eu não estava só suado, eu estava prestes a desmaiar. Deitei no chão e lembrei dos dias felizes em que eu podia comer quanto glúten quisesse.

DIA 4

Nesse ponto, meus músculos estavam doloridos, mas consegui sair da cama para ir até o mercado de orgânicos. Eu esperava achar as coisas para fazer o clássico "Feijão Cozido com Melaço" da Gwyneth. Mas achei algo ainda melhor: o katsuobushi! Isso existe! Você também encontra todo tipo de produtos recomendados pela Gwyneth no mercado de orgânicos: xarope de açúcar mascavo, torradas sem glúten e farinha de amêndoa. Por um momento, achei que um pacote de macarrão de espelta estava sussurrando "Você tem a resposta, você é o professor!".

Comprei o pacote e fiz o feijão. Estava gostoso, mas parecia que isso já tinha passado pelo trato digestivo de alguém. Não era material para o Instagram.

Algumas horas depois, encontrei meus amigos para fazer ioga, o que a gente tinha combinado quando estávamos bêbados. O começo da minha sessão de avaliação foi inofensiva, exceto que para uma pessoa nada flexível como eu, era difícil não gritar como o Michael Jackson quando tentava fazer algumas das poses. Se você acha que é uma boa ideia comer um quilo de feijão e ir fazer ioga, repense.

Certamente, gostei mais da ioga do que do espetáculo de dança da Tracy Anderson, mas minha posição favorita continua sendo a shavasana, onde você deita no chão de pernas abertas como se tivesse comido muito no churrasco da família.

DIA 5

Quando a Gwyneth Paltrow largou o Chris Martin em março de 2014, ela descreveu isso como um "término consciente". Acho que a Gwyneth é uma pessoa melhor que eu. Sempre que levo um pé na bunda, digo para os meus amigos que a pessoa morreu num acidente de barco.

Nesse ponto, no meu quinto dia de Paltrowpalooza, decidi conscientemente terminar com a Gwyneth. Fiz um suco verde pela última vez, comi algumas amêndoas molhadas e convidei uns amigos para jantar, onde eu prepararia os bolinhos vegetarianos da Gwyneth.

Comer em restaurantes vegetarianos geralmente é um grande fiasco. Meus amigos nem disfarçam que estão procurando "um lugar decente para comer" no Google. Mas muita coisa estava em jogo naquela noite, e eu estava tão nervoso quanto uma pessoa usando peruca num tornado. Enquanto preparava minha refeição, eu só conseguia refletir sobre os últimos dias. De muitas maneiras, Gwyneth Paltrow é uma pessoa excêntrica fácil de zoar – especialmente quando ela fala com pedras no Arizona e ataca a própria vagina com vapor. Mas ela parece mesmo saber como levar uma vida saudável.

Todas as receitas que experimentei eram deliciosas. Quase não senti fome e um cara mais velho no Facebook me chamou de "novinho" – o que acho que quer dizer que fiquei mais fofo. Os bolinhos não desapontaram também: meus amigos quase não acreditaram que aquele prato delicioso tinha vindo da minha própria cozinha – lar de biscoitos de Natal queimados e um juicer assassino. Talvez todas as coisas chatas que as pessoas dizem sobre nutrição não sejam tão erradas como a gente pensa.

Enquanto minha experiência terminava com sucesso, senti como se a Gwyneth estivesse sentada do meu lado, com um sorriso no rosto, rindo e provocando: "Só não pergunte sobre a minha calça jeans".

Siga o Michael no Twitter.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.