Publicidade
Esta história tem mais de 5 anos de idade.
Music by VICE

A Turnê do MR•CAR/\\ACK no Brasil Teve Até Bate-Cabeça

A mini-tour do produtor e DJ havaiano pelo Brasil rendeu muito intercâmbio cultural, sets com o som do futuro e, lógico, lindas fotos.

por Eduardo Roberto e Fabio Heinz; fotos por Marina Nacamuli e I Hate Flash
21 Novembro 2014, 9:20pm

Lounge do Superloft, com trampos do FLIP e da SISS.

Semana passada eu li isso em algum canto da internet: "hoje conheci pela primeira vez na vida alguém que nasceu em Honolulu". Achei que essa observação simboliza bem como foi a passagem do havaino Mr. Carmack pelo Brasil. O rapaz fez um mini-turnê por aqui e deixou acesa toda a rapeize da cena burguer skate beats. Por ele ser uma referência mundial desse geist hip hop eletrônico, todo mundo quis trocar uma ideia, jogar um game, bater um lanche, trocar umas mp3 com o Carmack, e aparentemente o intercâmbio cultural funcionou muito bem. Em Curitiba na quinta com INVDRS e Radar Beats; na sexta no Superloft, em São Paulo, com curadoria do Só Pedrada Musical; e no Rio teve dose dupla, no sábado na Wobble + DOOM e domingueira bem de rua na Vila Mimosa. Aliás, no Rio o Carmack também trocou ideia com a juventude na segunda, palestrinha e zuera maluca na Casa Nuvem. O Fabio Heinz da Wobble contou brevemente como foi o bang carioca:

Chegamos, como diz um dos DJs convidados do domingo, pontualmente atrasados, mas por maestria do pessoal do som e da casa, já estava tudo a postos nos esperando. Eu dei a largada na putaria que iria se tornar o baile em mais algumas horas. Baré e Mouchoque chegam dando o tom da noite, com o melhor dos funks carimbados. Daí em diante o bagulho ficou, literalmente, doido. Dando continuidade à zuera, Marginal Men faz um set b2b com Omulu, que soltou um mescladinho de clássicos com nova geração que terminou, inclusive, em cantoria chamando o Mr. Carmack, convidado especial da noite. O maluco quica, pula, sorri, grava vídeo, apresenta o baile pros amigos gringos pelo telefone em vídeo conferência e termina em cima da mesa, largando um carregadíssimo "Muito obrigado", que foi respondido com gritos ensandecidos. Carmack incendiou a Vila Mimosa e abriu as portas pro Rodrigo S finalizar a noite, cheio de bass e malemolência, terminando uma das noites que não deveria ter acabado é nunca. Com certeza uma das mais bacanas do ano – até agora.

Para fechar com chave de ouro o rolê monstro que o Carmack fez pelo RJ, na segunda-feira a Casa Nuvem, no boêmio bairro da Lapa, recebeu-o novamente para uma noite de bate-papo informal, fumaça, breja e uma orgia sonora no final. Nas primeiras horas, Mr. Carmack e o Omulu mexeram em tracks abertas no Ableton Live e foram explicando passo-a-passo o que faziam. O que me remeteu aos meus anos de colégio, que, apesar do esforço, nada entendia das aulas de química, mas dessa vez era uma incompreensão do meio com uma admiração pelos finalmentes. Após essa alquimia toda, iniciou-se uma série de perguntas (sem pé nem cabeça) e respostas, que deixou claro que o havaiano era do time do "deixa rolar", mas que cada um tem sua maneira de chegar no resultado desejado. Papo vem, breja vai, montaram a maior suruba de computadores ligados a um mixer e fizeram um enorme back2back2back entre Gustavo Elsas, Omulu, Baré & Mouchoque, Vinicius Tesfon (Manie Dansante), Dorly, Pininga, TWO PKZ e Guilherme Gueiros e assim terminou a viagem do Carmack, em um pequeno grande baile funk na Lapa.

Certamente foi um agito bem maneiro e todo mundo saiu ganhando. As fotos que você vê a seguir são do rolê em São Paulo, que teve também discotecagem do nosso parça Tamenpi, o Só Pedrada Musical em carne e osso, do Sants (que fez um não gravado =( porém INCRÍVEL set), do Alex Trusty e visuais por U-RSO, da Metanol.fm. A energia tava tão lá em cima que uma galera até agitou um bate-cabeça na pista, mantendo viva a chama da descendência hardcore anos 90. Veja as imagens enquanto ouça o set que o Carmack mandou lá na Vila Mimosa.

SÓ PEDRADA MUSICAL APRESENTA


J O V E N S.


Tamenpi aquecendo.


Os visuais do U-RSO ficaram ainda mais feras no maravilhoso telão do Superloft.


Festa no galpão com som bom é a primeira vez que eu vejo. 


Na moral, o Sants destruiu tudo. Foi meio Aphex Twin de calça bag o set, bixo. Animal mesmo.


BATEU, MERMÃO, BATEU.


O havaiano misturou um pouco de tudo no set, rolou até som novo do Prince.


Dedinho pro alto nas viradas.


Letícia da A$$ sempre presenteando o rolê com um toque de charme a mais.


Será se teve um momento slideshow no bagulho? Sei lá, não lembro.


Alex Trusty fechando a noite em altíssimo e gravíssimo astral.

Mais fotos da Marina Nacamuli você vai encontrar por aqui.

O Gustavo Elsas, do Marginal Men e do I Hate Flash, e o Wilmore Oliveira nos cederam alguma imagens da parte fluminense da mini-turnê. Ficamos humildemente agradecidos e honrados de postarmos as seguintes fotos:

WOBBLE + DOOM

WOBBLE NA RUA 7


Gustavo Elsas, Omulu e Pedro Fontes concentradíssimos.


Carmike, O Homem do Rá Porém Sem Susto.


Carmack, Fabio Heinz e Rodrigo S.


Uns novinho amarradão pra encerrar em 
.

Altíssimo Astral

E ainda nos passaram uma penca de VÍDEOS do Carmack tocando. Oficialmente a cobertura mais multimídia do ano:

Tagged:
Thump
Fotos
doom
Future Beats
Metanol.fm
só pedrada musical
sants
wobble
mr-carmack
superloft
rolê
Tamenpi
Vila Mimosa
U-RSO
carmack
se você perdeu
invdrs
burguer beats
wobble na rua