Publicidade
VICE Sports

O Palmeiras é o campeão perfeito para o Brasil de Bolsonaro

Ao abraçar o futuro presidente de extrema-direita, o time alviverde reforça sua cara atual: conservador, elitista, ostentador, individualista e segregador.

por Fernando Cesarotti
03 Dezembro 2018, 5:31pm

Da esquerda para direita: o recém-eleito senador Major Olímpio, o futuro presidente do Brasil Jair Bolsonaro e dois dirigentes palmeirenses. Foto: Assessoria de Major Olímpio

— Não mistura o Palmeiras com política, seu esquerdista FDP! Petralha!

Foi basicamente essa a resposta dos leitores ao meu texto com maior engajamento em pouco mais de três anos como blogueiro do Palmeiras no ESPN FC, a seção do site da emissora voltada a textos de torcedores. Foi em 1º de maio do ano passado, quando escrevi um texto chamado “Ei, Felipe Melo, o Palmeiras é o time do amor e não do ódio”. Foi uma resposta a duas postagens feitas pelo volante em que ele dedicou o dia aos “verdadeiros trabalhadores”, pediu “pau nos vagabundos” e encerrou com “Bolsonaro neles!” Vale lembrar que, dias antes, em 28 de abril, as centrais trabalhistas haviam realizado uma greve geral contra a reforma trabalhista do governo Michel Temer, o que deixou bem claro de que lado o jogador estava.

No texto, que não está mais no ar (como todo o blog) desde que saí do projeto, no primeiro semestre deste ano, eu defendia que o apoio de Felipe Melo a um político com viés autoritário era incoerente com a história do Palmeiras, um clube que por pouco não foi extinto sob a acusação de vínculos com o fascismo. Tomei bordoada de todo lado – na última atualização que vi, uns dois dias depois, eram quase 900 comentários, cerca de 5% deles com apoio a meu texto, 5% com críticas sensatas e 90% de agressões como a que abre este texto. Meu tuíte chamando para o texto é uma boa amostra.

O tempo passou. Felipe Melo foi afastado por Cuca, depois reintegrado após a demissão do técnico, o Palmeiras não ganhou nada em 2017 e, no jogo contra o Sport, uma goleada por 5 a 1, tive a experiência de estar no Allianz Parque no mesmo dia que Jair Bolsonaro. O então pré-candidato, naquela noite, foi recebido por Felipe Melo no vestiário e provocou comoção nas arquibancadas – aplaudido em alguns setores, vaiado em outros, como onde eu estava, na curva do gol Norte próximo à bandeira de escanteio do lado esquerdo do ataque.

Veio 2018 e Felipe Melo permaneceu intocável no time, a despeito das mudanças de técnico e dos incontáveis cartões amarelos e das bobagens de praxe, como a expulsão com menos de 5 minutos que tronou um passeio contra o Cerro Porteño num jogo complicadíssimo. Em setembro, após empatar um jogo contra o Bahia, o camisa 30 dedicou o gol, em entrevista ao vivo na Globo ainda no gramado, “ao nosso futuro presidente Jair Bolsonaro”. O clube respondeu com uma nota oficial de dois parágrafos dizendo que se tratava de “opinião pessoal do jogador”.

Pois bem, parece que não era bem assim. Ao receber Bolsonaro no estádio para o jogo festivo pelo título brasileiro neste domingo, contra o Vitória, aceitar que ele fosse ao campo entregar medalhas e deixar que ele levantasse a taça no meio dos jogadores, o Palmeiras usou e se deixou usar pelo presidente eleito. Para o bem e para o mal, inapelavelmente o clube aceitou ser uma espécie de “time oficial” do futebol brasileiro. Os comentaristas falavam desde o ano passado que o Palmeiras queria ser o “Real Madrid das Américas”, mas acho que não era bem essa a ideia.

***

Seria contradição da minha parte, depois de publicar aqui na VICE oito textos sobre a Geopolítica das Copas, defender que futebol e política não se misturam. Ao contrário, a política está em tudo o tempo todo, inclusive no esporte (costumo dizer a meus alunos que até soltar um pum pode ser um ato político). Num dos textos, aliás, escrevi sobre como no Brasil esse vínculo sempre foi muito próximo.

O que me incomoda na aproximação entre o Palmeiras e Bolsonaro, portanto, não é isso, mas a contradição que em vincular um clube fundado por imigrantes italianos, e que faz questão o tempo todo de enfatizar tais raízes, e um presidente eleito que já fez manifestações xenófobas, como dizer que “refugiados são escória”. Ora, e nossos bisavós eram o que, quando chegavam aqui na virada do século 19 para o 20, em navios superlotados, com uma mão na frente e outra atrás, senão refugiados de uma Itália em crise e cheia de gente morrendo de fome?

Além disso, há uma diferença de nível de bajulação entre cartolas que visitam políticos, como a CBD/CBF faz nas voltas vitoriosas das Copas ou mesmo o Corinthians fez com Lula após vencer a Copa do Brasil de 2009, e trazer o político para dentro de campo. Um gramado de futebol é um local sagrado. Uma festa de título, um acontecimento raro – nesta década, o Palmeiras ganhou cinco títulos, entre eles a pouco comemorada Série B.

E, para encerrar essa discussão, num momento de forte polarização política como o Brasil vive hoje, o Palmeiras sabia que vincular sua imagem a Bolsonaro seria algo aplaudido por muitos torcedores e eleitores do ex-capitão, ao mesmo tempo que haveria uma rejeição grande – muitos torcedores deixaram o Allianz Parque antes da entrega da taça por discordar da presença do presidente eleito ali. Foi uma aposta alta, arriscada e consciente da diretoria na divisão da torcida.

***

Pensando bem, não é uma novidade no Palmeiras recente. Desde a remodelação do estádio, o clube divide seus torcedores em castas: os diferentes planos de sócio-torcedor e o rating, que dá prioridade na compra dos ingressos, fazem com que os podem estar sempre presentes nos jogos sejam vistos como “mais torcedores” ou “mais apaixonados” que os demais. Para quem não tem um desses planos, só é possível ir ao estádio em jogos de menor importância – e pagando no mínimo 100 reais pelo ingresso.

Além disso, o Palmeiras é cúmplice de um atentado ao direito de ir e vir de seus torcedores. Horas antes de cada partida, um cerco se instala nas duas pontas da rua Palestra Itália e na rua Caraíbas, e só podem passar os moradores da região e os portadores de ingresso com entrada para aquele setor específico. A decisão do Ministério Público foi tomada após reclamação de uma associação de moradores, com aval da Polícia Militar e do então presidente Paulo Nobre, que culpou uma inacreditável gangue de bolivianos batedores de carteiras para apoiar a medida. Mauricio Galiotte, o atual presidente, prometeu tocar no assunto, mas nada fez. Também manteve a infame política de preços de ingressos.

Em campo, o Palmeiras sobrou no Brasileirão graças ao elenco, adquirido a peso de ouro com o suporte financeiro da Crefisa, que não só patrocina com valores muito maiores que os do mercado como participa da vida política do clube, uma vez que a proprietária da empresa, Leila Pereira, não só se elegeu conselheira como diz abertamente que pode ser presidente. Nas redes sociais, torcedores a chamam de “tia Leila” e pedem reforços como crianças que pedem um presente de Natal ao Papai Noel.

Nas ações políticas, o Palmeiras até esta semana vinha mantendo uma postura tipicamente isentona. Zero mensagens contra a homofobia explícita praticada pelos torcedores, com gritos de “bicha!” nos tiros de meta, especialmente nos clássicos contra o São Paulo. Zero ações pelo Dia da Consciência Negra, no clube que tem Djalma Santos e César Sampaio entre seus maiores ídolos. Zero manifestações contra a violência policial que atingiu os torcedores após o jogo deste domingo, interrompendo a festa a jatos de gás lacrimogêneo. Flores e mensagens de carinho no Dia da Mulher, mas nenhuma movimentação para a criação de um time feminino – será obrigatório a partir do ano que vem para todos os clubes classificados para a Libertadores, mas ninguém sabe como será.

Ao abraçar Bolsonaro, o Palmeiras só reforça sua cara atual: conservador, elitista, ostentador, individualista, segregador. Não muito diferente do Brasil de hoje – cada país tem o campeão que merece. Como mudar de time nunca está em cogitação, a nós, palmeirenses que sonhamos com um clube democrático, aberto a todos, livre: é hora de respirar fundo, afogar as mágoas, engolir o amargo da taça deste domingo e organizar a reação: o Palmeiras nasceu do povo, pertence ao povo e ao povo voltará. Resistiremos.

Leia mais sobre esportes no canal VICE Sports.
Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.