Rica Pancita analisa os lançamentos da sexta #115

vamo ficar ligadinhos & antenadinhos nos lançamentos dessa semana cujo qual eu já ouvi antes, aí cê já ouve meio sabendo o que pode estar te esperando.

|
12 Abril 2019, 7:01pm

Fala turminha,

Vou resumir a introdução para tar informando que a playlist está de volta, mais do que nunca. Se não seguia, então segue agora. Mas se não quiser tudo bem também, tá no direito.

De resto, vamo ficar ligadinhos & antenadinhos nos lançamentos dessa semana cujo qual eu já ouvi antes, aí cê já ouve meio sabendo o que pode estar te esperando.

Após a introdução menos criativa de todas, vamos pras músicas.

----AS TOP DA SEMANA----

The Chemical Brothers - No Geography

Um #comeback tão bom quanto o Tour de France Soundtrack do Kraftwerk. Nesse nível. O bloco inicial com 3 faixas mixadaças dão uma boa empolgada. Aí vem “Got To Keep On” esquemão 2000’s bem boa, um bloquinho viajandão na droga, e termina com o bloquinho fritadão na droga. Disco bom bem bom.

GFOTY - If You Think I’m a Bitch, You Should Meet GFOTY

GFOTY e PC Music classicos. Batida grave distorcidona, tecladinhos agudos, melodia 90 total, incluíndo o tecnobrega-PC Music, “Cool”. EP top.

----AS BOA DA SEMANA----

MC Rebecca - “Sento com Talento”

Funk que não é de todo mal, base muito #clean, segurando praticamente na batida com uns toquinho de piano. O vocal da Rebecca é muito carismática, mas ela já fez coisa melhor. Essa aqui é boazinha.

O Terno - “Pegando Leve”

Começou muito bem de me empolgar “carai essa música”. Mas aí tem um bloquinho no meio que fuén, dá uma caída. Depois volta a ficar legal. Boa música, podia não ter o meinho, ia gostar mais. Mas ok também.

Tame Impala - “Borderline”
Eu não consegui definir se achei esse single melhor ou pior que o anterior, “Patience”. De qualquer forma ainda não é algo que me anima a querer ouvir mais vezes, mas ao menos estou vendo com bons olhos esses singles Tame Impala Discoteque. Ao menos pegaram mais leve no flanger, finalmente. Boa música.

Boogarins - “Invenção”

Vibe bem da maneirinha, Tame Impala Bossa Nova. Se Tame Impala Bossa Nova é uma crítica ou um elogio aí vai depender de você que tá lendo. Acho que nem devo ser o primeiro a comentar isso de alguma coisa que a banda lançou. Enfim, é boa tal qual o Tame Impala.

Tainá Costa - “Bumbum Nervosin”

Bregafunk que tá mais pro brega que pro outro. O que até prefiro, quanto mais forrózera for, melhor pra mim. Ainda assim é uma faixa boa, porém com potencial de melhora para as próximas que vierem.

Broken Social Scene - Let’s Try The After Vol. 2

A que eu realmente gostei mais foi a que já havia sido lançada como single, “Can’t Find My Heart”. As outras são uns indie rock que acredito que vá agradar quem curte mesmo um indie rock. Eu já acho meio bobinho o som. Mas vá lá, é boazinha, pode ficar rolando numa playlist que não vai me incomodar não.

Wesley Safadão - “Igual Ela Só Uma”

Boa. Forrózin suingado, esquema padrão mas ainda bem que é esquema padrão. Boa boa.

Black Alien - Abaixo de Zero: Hello Hell

Um bom disco, produção bem feitinho, umas bases legais, batida ok. Som mais de década passada, o que até prefiro. Gostei bem de “Área 51” e aí vai indo legalzinho até “Au Revoir”. No bloquinho final dá uma queda boa. Ou pode ser que eu já tava cansando do disco, pode acontecer também. Mas no somatório total fica um disco bom, sim.

Lô Borges - Rio da Lua

Levei meio que café-com-leite porque né, todo um histórico por trás. Mas vamo lá… Tem umas músicas com melodias muito da bem feitinha, como “Rio da Lua” e “Flecha Certeira”, mas boa parte num tá muito da inspirada, não. Mas ok também. A voz cansadíssima de tudo. Mas ok também. Porque é o Lô Borges. Então o disco é bom, porque é dele.

BTS - Map Of The Soul: Persona

A impressão é que quanto mais eles se dedicam pro ocidente (E.U.A.), mais eles perdem a “identidade”. Ou sei lá, algo que diferencie do que ainda sobreviveu das boy band americana, como o Prettymuch. Aí a maior parte do disco fica um pop EDM bem manjadona, só que com umas parte em coreano. É um popzinho muito do bonitinho, mas não me interessou muito não. Mas é bom.

----AS QUE NÃO TÃO BOAS DA SEMANA----

Solange Almeida - “Cada Preparo Conta”

Muito provavelmente eu acabei de ouvir um jingle comercial, que a Solanja lançou como se fosse single, não fui pesquisar. Como single é um sertanejo muito ruim. Como jingle de propaganda é um sertanejo muito ruim, porém compreensível. Em resumo: muito ruim.

Odair José - “Fora da Tela”

Lá vem o Odair “os jovem me acha cult” José com o rockinho de crítica social. Posso até nomear os culpado disso mas vou ficar de boa. Já caí no “meu, a ópera rock do Odair meu”. Enfim, blues rock bobildo e curtíssimo pra um blues rock. Fraco fraco.

Kaytranada - “Dysfunctional”

Nhé. Loungezinho de deixar rolando aí. Num incomoda, num agrada, nada acontece. Okzinha.