Publicidade
Music by VICE

Rica Pancita analisa os lançamentos da sexta #133

Aqui não tem informação, só análise rasteira.

por Rica Pancita do Twitter
13 Setembro 2019, 6:53pm

Fala turma

Hoje é coluna especial discos. Então é muito disco e pouco single. O que é bom, porque gosto de disco, mas é ruim porque quando é single dá pra falar de mais gente. Enfim, são as decisões que a gente faz na vida.

Fora isso teve também o Stereolab soltando uma pá de edição especial de seus discos, com demo, b-sides e a porra toda, que recomendo demais caso haja algum motivo para que você ainda não tenha ouvido Stereolab na sua vidinha.

Bora lá então, ver os lançamentinho? Bora lá então.

----OS DISCOS TOP----

Charli XCX - Charli

Nem sei muito o que falar de novo agora que o disco saiu, pois a impressão é que todas as faixas já haviam sido lançadas como single anteriormente, desde “1999” no ano passado. Então é um grande compiladão de pop PC Music — acho que todas as faixas foram produzidas pelo A.G. Cook — mas sem muita doidera, que é pra tocar legal nas rádios, e aqui estou dizendo que não é nenhum VROOM VROOM EP, e acho importante pontuar isso. Mas tudo bem também, são músicas bem da agradáveis de ouvir na sequência. 50 minutos bem gastos.

JPEGMAFIA - All My Heroes Are Cornballs

Esse é top. Bota o selo “esse é top” aí, porque esse é top. Começa com as mais de brabo que tem, vários berros e base distorcida, aí aos poucos vai dando a acalmada, porém ainda com distorção rolando, mas os cara fica menos brabo, chegando a versão de “No Scrubs” no finzinho do disco. Essa aí vou guardar pra depois, porque tá coisa boa mesmo.

----O DISCO E O SINGLE BONS----

Céu - Apká!

Ouvi o disco sem nenhum foco, perdendo a concentração pra qualquer coisa que acontecesse ao meu redor. E aí que nesse contexto ele funcionou legal. Talvez até fosse a ideia original, trilha pra ouvir enquanto tá fazendo qualquer coisa, imagino ser uma boa trilha pra varrer a casa ou qualquer outra tarefa doméstica a escolha. MPBzinho Nova Brasil FM que cês já manja, com arranjos bem construidinhos, timbres na grande maioria bem suavinhos pra destacar bem a voz mesmo. É bonitinho, nada de muito destaque mas, ao menos, é bonitinho.

Kero Kero Bonito - “When the Fires Come”

Depois do disco mais de rock indie do ano passado, essa música volta pro eletrônico de tecladinho, meio chillwave meio jpop. É bom, mas acabei pegando apreço pela versão roquinho indie da banda. Podia ter mais daquilo lá.

----OS DISCOS E O SINGLE NÃO MUITO BONS----

Elza Soares - Planeta Fome

Com máximo respeito a artista, hein. Máximo respeito. Tá um disco bem abaixo dos dois anteriores. Não sei o que mudou na turma envolvida no disco porque nem procurei, aqui não tem informação, só análise rasteira. Mas a produção desse disco tá muito fraquinha, umas melodias sem muita criatividade, uns dub bobinho, uns “rock com eletrônico” que parece de disco infantil do Saccomani (“País do Sonho” parece jingle de campanha). “Libertação” é uma faixa boa BOA mesmo, agora o resto não tá muito bom não, viu.

Pixies - Beneath the Eyrie

Primeiramente teria que perguntar pra eles se estavam muito afim de gravar esse disco, porque às vezes pode ter sido naquele dia que ninguém tá muito afim de trabalhar e preferia estar fazendo outra coisa da vida, aí na hora sai um negócio sem muito interesse, só pra cumprir o ponto. A sensação ouvindo foi essa aí, porque é um rock muito cansado. Dá até pra visualizar o cansaço que tá esses rock. O bloquinho final dá uma melhorada considerável, talvez seja o caso de ficar só nas quatro últimas mesmo, porque o resto não foi das melhores audições não.

Weezer - “The End of the Game”

Ah mano. Som pegando pro hard rock oitentista, vindo de uma banda que se alimenta de meme de internet faz um tempo já. Não é das piores coisas que ouvi hoje, mas também tanto faz esse som aí.