Publicidade
Outros

Eu odiava ser tocada, até descobrir o látex

Como uma lingerie de borracha pode mudar a vida sexual de uma pessoa com problemas de intimidade.

por Alison Segel; Traduzido por Marina Schnoor
22 Setembro 2016, 3:36pm

Foto do IMDB

Esta matéria foi originalmente publicada na VICE US.

Não consigo ficar com um cara nem se minha vida dependesse disso. Não é que não consigo pegar ninguém; só não consigo "fechar o negócio", por assim dizer. É constrangedor, mas sendo honesta, já fiquei seis meses sem beijar ninguém. Antes disso, tive um período de celibato temperado por flertes com caras que estavam apenas vagamente interessados em mim.

Amigos me disseram que posso ter o que é chamado de "anorexia sexual". Segundo o Psychology Today: "Viciados em sexo 'exageram' por meio de promiscuidade ou comportamento de risco, enquanto [anoréxicos] sexuais 'passam fome' de sexo, se negando o prazer de relacionamentos, encontros, toques e uma conexão genuína com outras pessoas".

Me vejo enrolada numa fita de "não ultrapasse, cena de crime" metafórica. Falo sobre sexo e romance o tempo todo, mas, na prática, estou trancada emocionalmente. Sofro de várias doenças crônicas (epilepsia, toxoplasmose) e não quero colocar esse fardo sobre outra pessoa. Ah, e estou sóbria, algo que me faz brochar constantemente. E mesmo assim, como todo mundo, eu quero amor e ser amada, comer e ser comida.

Nas últimas semanas, porém, tentei superar minhas inseguranças explorando várias taras — tipo naquele filme A Nova Paixão de Stella, mas em vez de ir para Jamaica, frequentei masmorras de BDSM e coisas parecidas. Pesquisando alguns fetiches, cruzei com uma comunidade de pessoas com tesão por látex, um fetiche que forneceria uma barreira literal entre eu e meu parceiro. Claro, fiquei interessada logo de cara.

Graças a um fórum de látex no Reddit, encontrei uma usuária chamada Scarlet, que, depois de vários anos de sexo baunilha, adotou o fetiche do látex quando conheceu um homem envolvido na cena. Ela me contou que na primeira vez em que usou látex durante o sexo — meias e uma calcinha — foi "um pouco desconfortável". Mas depois, quando ela comprou peças sob medida, o látex começou a parecer uma verdadeira "segunda pele".

O látex pode intensificar o toque, então ser acariciada usando uma calcinha de látex aparentemente é incrível, segundo a Scarlet. Dependendo do que você está usando, o látex também pode restringir os movimentos, o que alguns dizem melhorar as preliminares — o que é mais comum quando a pessoa também curte bondage. Você nem precisa estar realmente transando para curtir as sensações táteis. "Preliminares", me disse Scarlet, "são basicamente a pedra angular do estilo de vida de borracha", acrescentado que "sexo em látex é eufórico". A constrição do látex não só potencializa a sensibilidade física, mas aparentemente também torna seu corpo ultrassensível a temperatura. Então você realmente sente quando as coisas começam a esquentar.

Scarlet também me disse que usar látex a ajudou a diminuir suas ansiedades na cama. "Você pode esconder sua identidade com máscaras e o látex pode te dar atributos que você não possui de verdade", me disse ela. Sim, há um aspecto de fantasia aí: os trajes vão de vestidos de empregada francesa a macacões para o corpo inteiro (como o traje de bondage da primeira temporada de American Horror Story). Os trajes de borracha de corpo inteiro grudam nas formas femininas e exageram as curvas ao máximo.

Depois de falar com Scarlet, criei coragem para pegar emprestado uma lingerie de látex de uma amiga. Acabei com um conjunto parecido com o que Miley Cyrus usou no VMA, na apresentação em que ela fez twerk para o Robin Thicke ao som de "Blurred Lines".

"Preliminares são basicamente a pedra angular do estilo de vida de borracha"

Eu já estava usando o conjunto por baixo da roupa quando decidi ligar para um ex, porque me pareceu melhor que testar a ideia com um estranho que conheci pelo Bumble. Contei a verdade: ele precisava vir para o meu apartamento logo porque eu estava escrevendo uma matéria sobre fetiche em látex e precisava experimentar com o conjunto antes do meu deadline, que era no final da semana.

Uma coisa engraçada nos homens: ele apareceu em menos de uma hora. Uma coisa engraçada nos ex-namorados: não precisamos ficar de conversinha. Cortamos as apresentações e fomos direto para o quarto.

Eu disse que queria brincar um pouco usando o traje para ver como eu me sentia. Sendo inexperiente nessas coisas, esqueci de lubrificar o látex para que ele ficasse escorregadio e brilhante, algo que lembro de ter lido no fórum na internet. Há todo um ritual no processo de lubrificação — Scarlet me disse que as pessoas geralmente usam lubrificante a base de silicone, e o ato de melecar o traje é basicamente uma preliminar.

Como esqueci esse passo, o material causou um atrito meio desconfortável em certos momentos e fazia um barulho estranho quando esfregado contra a pele dele. Isso me fez perder a concentração um pouco, mas, ao mesmo tempo, esse elemento extra era divertido e novo. E o rapaz parecia mais animado que o normal — me agarrando de um jeito que normalmente não fazia — e fiquei imaginando se era por causa da lingerie de látex ou por que fazia um ano desde a última vez que ficamos.

No meio da pegação, ele parou e disse: "Honestamente, sempre fiquei meio excitado com a Michelle Pfeiffer de Mulher-Gato. Sabe, naquela fantasia preta de mulher-gato".

Ele nunca tinha me dito isso antes. "Mais por causa da Michelle Pfeiffer ou mais pela fantasia?", perguntei.

"Acho que a fantasia", ele sussurrou enquanto continuávamos a rolar na cama.

Acabamos não transando, mas a pegação foi bem gostosa. Geralmente não curto muito ser tocada (por medo de rejeição e por causa das minhas próprias inseguranças), mas o látex agiu quase como um substituto sexual, fornecendo uma barreira para me ajudar a relaxar. Claro, só ficamos nos agarrando enquanto eu continuava de calcinha e sutiã — algo que faço desde a sétima série —, mas ainda assim o látex fez tudo parecer mais especial, mais provocante.

Vou introduzir o látex na minha rotina? Provavelmente não. É um negócio caro, e acho que minha amiga não vai topar me emprestar a lingerie dela sempre. Mas foi uma mudança agradável em ritmo e sensação, e algo que conseguiu me levar para o quarto de novo.

Mesmo assim, da próxima vez, definitivamente vou lembrar de lubrificar — porque usar látex pode até ser sexy e libertador, mas queimadura de borracha definitivamente não é.

Siga a Alison Segel no Twitter.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.

Tagged:
bdsm
bondage
sexo
toque
fetiche
sexualidade
borracha
fetiche em látex
insegurança