Publicidade
Noticias

CEO da United Airlines diz que o passageiro arrastado de um voo estava sendo 'desordeiro'

Oscar Munoz também disse que estava “chateado de ver e ouvir sobre o que aconteceu”.

por Equipe VICE
11 Abril 2017, 6:47pm

(Imagem acima: Screenshot de um vídeo publicado pelo usuário do Twitter @JayseDavid.)

Esta matéria foi originalmente publicada na VICE UK .

Caso você tenha perdido, na última segunda (10) oficiais de segurança da aviação removeram um passageiro à força de um voo nos EUA, enquanto os outros passageiros filmavam o incidente chocante.

O passageiro foi arrastado de seu assento num voo da United Airlines de Chicago para Louisville, Kentucky, e parece ter sido nocauteado, com sangue saindo da boca. Os seguranças puxaram seu corpo por todo o corredor da aeronave e para fora do avião. O voo estava com overbooking.

O CEO da United respondeu ao caso com uma carta enviada aos funcionários da sua empresa — uma carta que foi vazada para a mídia dos EUA. Embora Oscar Munoz tenha dito que estava "chateado de ver e ouvir sobre o que aconteceu", ele disse que o passageiro estava sendo "desordeiro e beligerante".

Munoz acabou ficando do lado de seus empregados, dizendo que o passageiro se recusou a deixar voluntariamente o avião, por isso a equipe "não teve escolha a não ser chamar os Oficiais de Segurança da Aviação de Chicago para ajudar a remover o cliente do voo".

A companhia aérea disse antes que estava investigando o que aconteceu, depois que vídeos do incidente provocaram revolta nas redes sociais.

Um dos passageiros, Jayse D. Anspach, que postou o vídeo do incidente no Twitter, defendeu o passageiro não identificado, que seria um médico. "#United fez overbooking e queria que quatro de nós se voluntariassem para dar os assentos a funcionários que precisavam estar no trabalho no dia seguinte", tuitou. "Ninguém se voluntariou, então a United decidiu escolher por nós. Eles escolheram um médico asiático e sua esposa. O médico precisava estar no trabalho no hospital no dia seguinte, então se recusou a deixar seu assento. Dez minutos depois, o médico passou correndo com o rosto ensanguentado, se agarrando a uma porta no fundo, gritando 'Preciso voltar para casa'."

Ironicamente, mês passado a revista comercial PRWeek nomeou Munoz como o Comunicador do Ano dos EUA.

Tradução: Marina Schnoor

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.