PlayStation Classic resgata a tosca beleza de jogar os primeiros games 3D

Não preciso que esses jogos pareçam melhores do que eram.

por Samantha Cole; Traduzido por Marina Schnoor
29 Novembro 2018, 2:03pm

Imagem via Youtube.

Infelizmente, tem muitas opiniões ruins e erradas circulando sobre o PlayStation Classic da Sony. Com lançamento marcado para 3 de dezembro, o produto é uma réplica nostálgica do PlayStation original de 1994 e vem com 20 jogos como Final Fantasy VII, Tekken 3, Metal Gear Solid, Twisted Metal e Jumping Flash!

Joguei o PlayStation Classic no final de semana e cometi o erro de procurar no Google a opinião de outras pessoas sobre ele, meu jeito preferido de estragar minha própria diversão.

“Não tem nada de errado com o PlayStation Classic se você quer desperdiçar seu dinheiro em outro pedaço de plástico pra ficar juntando poeira embaixo da sua televisão”, escreveu Matthew Gault da Motherboard em setembro, quando a Sony anunciou o sistema.

Olha, com todo respeito, eu quero ter essa coisinha juntando poeira embaixo da minha televisão. É exatamente o que eles disseram: um sistema para jogar um monte de videogames velhos. O console está longe de ser perfeito. Para ser honesta, o aparelho em si e muitos dos jogos inclusos são meio zoados. Mas o PlayStation original e muitos desses jogos primordiais em 3D também eram, então de certa maneira essa é uma recriação fiel.

Até agora, as críticas variam de “incompleto” a “esquelético”. Como alguém cuja primeira experiência com o PS Classic não foi no QG do PlayStation em San Mateo com um representante da Sony cafungando no meu pescoço – mas sim na minha cama, de pijama – minha opinião sobre o sistema é: ele é bem legal.

Se tivesse uma função que simulasse meu irmão mais novo apagando todos os meus save points de Final Fantasy VII só pra me irritar, eu também ia curtir.

Acredito em expectativas realistas quando se trata de tecnologia feita para criar um hype, que é o que todos os consoles clássicos/mini/retrôs são. Estamos perto do Natal, a Black Friday e Cyber Monday já estão aí, e todo mundo tem bocas para alimentar. Depois dos sucessos de miniconsoles como o SNES e NES Classic, o PlayStation resolveu lançar todos os meus jogos favoritos na forma de um miniconsole fofo. Achei bem massa e, abaixo, boto alguns dos meus pensamentos sobre os componentes do PlayStation Classic.

Hardware

As partes divertidas desse sistema, pra mim, são o que outras pessoas parecem ter achado mais irritante. A primeira coisa que notei foi o fio do controle e como ele é curto. Tive que sentar a menos de 1,5 metro da TV, o que em si já é nostálgico – eu tinha que rearranjar a sala da casa dos meus pais várias vezes por semana tentando ficar perto da TV quando jogava PlayStation. Quando lançaram extensores para fio do controle e eu pude sentar no sofá? Foi um luxo.

A segunda coisa que notei foi a falta de joysticks pro dedão, mas só porque estava acostumada com meus controles de PS4. O PlayStation só introduziu joysticks analógicos em seus controles com o Dual Analog em 1997, então levou só três anos pros jogadores poderem deixar os controles sem joystick pro dedão para trás. (Só por diversão: alguém lembra dessa monstruosidade, o PlayStation Analog Joystick? Eu compraria se relançassem.)

Caralho, é muito mais difícil jogar sem os joysticks. Fico achando que eles estão lá quando tento ajustar ângulos na tela e andar. Mas isso não é uma reclamação, é divertido. Passei os primeiros 10 minutos de Resident Evil rodando em círculos porque a perspectiva é zoada e ir pra frente é ir para trás no jogo. Você vai comprar essa coisa por causa das memórias – então lembre como tudo era mais difícil naquela época.

Outras pessoas reclamaram de ter que apertar um botão de reset físico no console PS Classic para voltar para o menu principal e trocar de jogo em vez de usar um botão no controle. Concordo que é chato, mas novamente, amigo, essa é parte da experiência. Além disso, eu já estava quase com a cara enfiada no console mesmo; quero apertar o botão e vou apertar o caralho do botão. Eu usava meu PS One para tocar CDs no console com os jogos pausados para fazer minha trilha sonora pessoal de Cool Boarders e Jet Moto. Era incrível!

Pra mim, esses aspectos do sistema, controles com fios e botões inúteis no console acrescentam nostalgia. Se tivesse uma função que simulasse meu irmão mais novo apagando todos os meus save points de Final Fantasy VII só pra me irritar, eu também ia curtir.

Estética

Com certeza é estranho ver meus jogos antigos favoritos na minha televisão HD – a estética 3D do começo dos anos 2000 fica muito zoada numa tela de TV de 2018. Mas tudo bem também.

Não preciso dizer que esses jogos pareçam melhores do que eram na época. Reaprendemos essa lição toda vez que uma franquia tenta fazer um reboot. Quando o PlayStation lançou seu reboot da série Crash Bandicoot para PS4 com N. Sane Trilogy ano passado, ele tentou replicar o original de 20 anos para os jogadores de hoje, incluindo renderizar todos os pêlos do já bizarro corpo laranja do Crash. A gente não precisava conseguir ver cada fibra da calça jeans dele.

Nesses remakes, como o novo Tomb Raider, Crash Bandicoot e Spyro, é meio brochante ver personagens e mundos que antes eram renderizados como fac-símiles toscos – blocos e cubos como pés, fundos de aquarela, bonecas de papel se mexendo copiadas e coladas para fazer multidões – de repente mostrados com fotorrealismo. É tipo ler um bom livro e ficar decepcionado com o filme. Nunca vai ser melhor do que o que você criou na sua cabeça. Os jogos originais em 3D me deixavam preencher as lacunas com a imaginação. Quando se trata de videogames retrôs, não quero ver o mundo real; pode me dar a parede da caverna mesmo.

Speedrun dos jogos do PS Classic

Apresentados na ordem que escolhi aleatoriamente do carrossel do menu, aqui vai minha crítica rápida dos 20 jogos do PlayStation Classic.

Jumping Flash!

Uma viagem de ácido envolvendo um coelho astronauta tentando salvar o mundo (não fica claro que mundo).

Cool Boarders

Um jogo de snowboard em que um cara com uma voz irritante fica te zoando pra pular de penhascos.

Grand Theft Auto

Nunca me deixaram jogar GTA quando criança porque era muito violento; a primeira coisa que fiz no jogo hoje foi andar direto pros trilhos do trem e tomar um chocão.

Twisted Metal

A gargalhada do caminhão palhaço “Sweet Tooth” me assombrou por quase 20 anos.

Resident Evil

Eles têm uns guaxinins bem bizarros em Raccoon City.

Revelations: Persona

Uns moleques estão de zoeira por aí e acabam assombrados. Nunca tendo jogado um jogo Persona antes, curti essa mistura de Além da Imaginação e Twin Peaks numa estética de RPG animado.

Tom Clancy's Rainbow Six

É muito louco que eles deixaram o Tom Clancy transformar um livro num videogame. Não consigo superar isso.

Puzzle Fighter II Turbo

Algumas pessoas chamam esse jogo de clássico, e um dos melhores jogos de quebra-cabeça já feitos. Mas, tipo, um jogo Street Fighter sem lutinha? Acho besta.

Syphon Filter

A amada estreia da série de ação stealth que teve que ir para o PSP para finalmente morrer.

Wild Arms

E se Final Fantasy fosse um RPG de Velho Oeste? Ou: e se Red Dead Redemption 2 fosse um anime?

Battle Arena Toshinden

Seria fácil considerar esse jogo só um proto-Tekken, mas segundo esta matéria de 1996 do IGN, ele inventou a manobra side-step, levando o gênero de luta para o “verdadeiro 3D”. Legal e tal, mas ainda prefiro jogar Tekken.

Rayman

Essa é a melhor coisa que a Ubisoft já fez. Depois de 1995 foi só ladeira abaixo.

Mr. Driller

Você é um bebê de macacãozinho exigindo ser chamado de “senhor”.

Oddworld: Abe's Oddysee

Esse é um jogo sobre organizar seu local de trabalho contra a classe dominante.

Tekken 3

King era um furry?

Metal Gear Solid

O que dizer de uma franquia que eventualmente me traria este artefato dos primórdios do YouTube e já considero pacas?

Intelligent Qube

Eu só tinha jogado esse na versão que vinha com o CD demo do PlayStation, mas a versão completa é exatamente o horror existencial que eu lembrava. Você é um homenzinho de terno fugindo de enormes cubos infinitos!

R4 Ridge Racer

O jogo é bom, mas a intro é de uma sensualidade horrível e improvável. Como deixaram os caras fazerem isso?

Destruction Derby

Não sei porque eles colocaram esse jogo e Twisted Metal aqui, mas OK. Podiam ter guardado lugar entre os jogos de corrida para Gex, mas beleza.

Final Fantasy VII

Nunca fiquei tão sentida quanto minha eu de 8 anos com a morte da Aerith. Dito isso, Team Tifa forever.

Leia mais matérias de ciência e tecnologia no canal Motherboard .
Siga o Motherboard Brasil no Facebook e no Twitter .
Siga a VICE Brasil no Facebook , Twitter e Instagram .

Tagged:
GAMES
GTA
Nostalgia
Final Fantasy
playstation classic