Publicidade
Noisey

Uma entrevista com os compositores da trilha do ‘Steven Universo’

Os músicos por trás do desenho criado por Rebecca Sugar, uma das criadoras do ‘Hora de Aventura’, elegem suas influências falam sobre seu processo criativo.

por Eric Thurm
21 Janeiro 2016, 10:00am

Em um programa de televisão, a escolha da música certa pode ser a diferença entre a vida e a morte; entre fazer maratonas de séries e programas e catar migalhas no fim da lista de opções do Netflix. (Você consegue ouvir “The Final Countdown” sem se lembrar de Arrested Development?) Saiba que isso fica ainda mais difícil com músicas originais – pense na música crescendo quando os detetives de Law & Order se preparam para extrair uma confissão, ou na trilha de transição entre as cenas de Seinfeld.

Essa é uma das muitas coisas que fazem do Steven Universo – um dos segredos mais bem guardados da TV – um desenho tão incrível. A sua criadora Rebecca Sugar (que já foi artista de storyboard e compositora do Hora de Aventura) levou seu background musical para o DNA do programa, apresentando muitas músicas bem integradas e de partir o coração. Além disso, há também no time de Steven Universe artistas preenchendo o elenco de vozes, incluindo Estelle, como a protagonista Garnet, e a Nicki Minaj, com uma clássica participação especial como uma mulher roxa gigante.

E a trilha sonora do programa é, talvez, sua arma secreta. A dupla de compositores Aivi Tran e Steven “Surasshu” Velema levam sua experiência em trilhas de games à trilha bela e cristalina do programa, que transforma tudo, desde as cenas de luta aos diálogos, em arte. Para celebrar a volta do programa em cinco novos episódios, conversamos com Avivi e Surasshu, uma autoproclamada “permafusão”, sobre o trabalho deles em Steven Universe, o processo de composição e algumas de suas peças favoritas.

Noisey: Como vocês foram parar no programa?
Aivi Tran & Surasshu: Tudo aconteceu de repente. A Rebecca Sugar, criadora do programa, se aproximou de Aivi depois de uma indicação de Jeff Liu [artista de storyboard e compositor do programa]. Naquele ponto, Aivi tinha alguma projeção no Soundcloud/YouTube com suas composições e fazia sua estreia na música para games. Surasshu era compositor de músicas para games e engenheiro de som. Ele havia recém lançado seu primeiro álbum colaborativo, The Black Box, e não tinha absolutamente nenhuma experiência com o trabalho para desenhos animados. Não sabíamos se conseguiríamos lidar com a quantidade de trabalho. Aivi percebeu que seríamos musicalmente mais fortes e rápidos como uma equipe, e sugeriu que fizéssemos o teste juntos como Aivi & Surasshu. As anotações que fizemos para nosso teste, como Steven’s Shield e The Mother, foram utilizadas no episódio “Gem Glow”.

Como a Rebecca quis inicialmente que fosse a trilha sonora?
A Rebecca estabeleceu que a trilha sonora fosse inspirada em videogames, de modo a capturar o contraste do programa entre peças de momentos mais realistas e as fantasiosas. Tanto Rebecca quanto Ian Jones-Quartey, nosso diretor de supervisão na época, colaboraram conosco para estabelecer vários dos cânones musicais do programa desde o início, como o uso de temas específicos para personagens, objetos e lugares.

Quanto espaço foi dado a vocês para moldar essa a visão original?
Tivemos bastante liberdade criativa para completar os detalhes e nuances, e para desenvolver o estilo musical do programa.

Cada personagem é representado por músicas específicas. Como vocês decidiram por cada instrumento e cada som?
Escolhemos os instrumentos dos Gems [os extraterrestres do desenho] com base no que achamos que representaria a personalidade de cada um deles, e como eles se manifestariam juntos quando reunidos. A equipe estabeleceu algumas ideias específicas, como o baixo de Garnet inspirado no Michael Jackson, o piano de Pearl com elementos de ragtime e a percussão de Ametista bem livre e solta.

Conforme fomos compondo para o programa, desenvolvemos gradualmente regras para cada um dos instrumentos dos Gems. Por exemplo, o piano da Pearl é quase sempre escrito em acordes em bloco e influências de jazz suave. Utilizamos muito piano ao longo do programa, mas é somente um tipo toque que forma o “som da Pearl”.

Além disso, cada Gem tem um instrumento principal com uma paleta instrumental ainda maior. Garnet é o baixo sintetizado, mas, quando precisamos fazer a “música da Garnet”, também utilizamos synth bells e pads projetados especificamente para ela. A Ametista tem um kit de percussão elétrico, com baixo elétrico e alguns de seus próprios sintetizadores. O instrumento da Pearl é o mais fácil de todos entre os Gems porque é o mais melódico: ela é representada pelo piano, com harpa e alguns pads.

Como vocês fazem para combinar esses temas para criar fusões?
Quando os Gems realizam uma dança de fusão, a música decorrente é um dueto entre os instrumentos. Por exemplo, em Amalgan – a dança fusão de Ametista e Pérola antes de se transformar em Opala – ambas as personagens são distinguíveis na música. Após a fusão dos Gems, o resultado é uma música completamente nova que apresenta a natureza da fusão. Por exemplo, na música de Sardonyx – a fusão de Pérola e Garnet – a presença de Garnet influenciou o piano de Pérola para se tornar confidente e bombástica, enquanto a presença da Pérola influenciou o baixo de Garnet e sintetizadores para se tornar teatral e cheio de vida.

Como o próprio Garnet é uma fusão, nós invertemos o projeto da música para criar os instrumentos de Rubi e Safira no episódio Keystone Motel. Rubi é uma forma de onda crua entre um quadrado e uma onda de serra, e Sapphire é uma synth pad suavão.

Sei que a música dos games influenciou enormemente o estilo do trabalho de vocês. Tem alguma referência em particular?
A Aivi ama as trilhas da Nintendo, especialmente o Super Mario Galaxy, a série Zelda, Animal Crossing: New Leaf e Bomberman 64. Ela é uma grande fã de Koji Kondo, Kazumi Totaka, Yasunori Mitsuda, Michiru Oshima e Masashi Hamazu, que influenciaram grandemente seu estilo no piano.

A maior influência do Surasshu na música de games é Shoki Meguro, compositor de Persona 3 e 4. Outros favoritos de seu trabalho incluem tudo da equipe SuperSweep (Shinji Hosoe, Ayako Saso, Takayuki Aihara, entre outros), Shadow of Colossus, de Kow Otani e Hideki Naganuma. Além disso, Tsuku causou um grande impacto com a série de games Rhythm Heaven.

Além das músicas dos games, tivemos inspiração de uma variedade de gêneros para a trilha sonora do programa. Somos muito influenciados pelo jazz, musicais, trilhas sonoras de filmes, animês, pop, prog metal, música clássica e gêneros eletrônicos, como o future, trap e o drum and bass.

Em que ponto da produção de um episódio vocês entram em ação?
Somos uma das últimas fases da cadeia de produção. Recebemos as animatics antecipadamente, assim, sabemos o que esperar, mas só começamos a compor até que o timing da animação e dos diálogos estejam finalizados. Trabalhamos simultaneamente com a equipe de efeitos sonoros, e podemos ter em mente a forma como compartilharemos o espaço dos efeitos sonoros enquanto compomos. Por exemplo, se vemos coisas explodindo na animação, sabemos que o som será alto e dominante, então pegamos leve na música nesses momentos.

Em que ponto do ciclo de produção vocês sabem como o programa, o enredo, está indo? (E isso muda em alguma coisa a música de vocês?)
A Rebecca nos mantém no ciclo, mas ela não solta spoilers até que eles sejam importantes para as músicas! Muitas vezes, sentimos que somos fãs especiais que conseguem assistir aos episódios antes de todo mundo, e temos que ter nossas teorias sobre a história confirmadas pela fonte! Nós adivinhamos que a Garnet era uma fusão, do segundo conceito de fusões apresentadas para nós. Apesar de que a Rebecca nem sempre nos dá uma resposta direta...

Ela costuma nos avisar quando um personagem, local ou objeto poderá voltar. Nessas situações, nos certificamos de guardar nossos instrumentos para o futuro, e de compor uma música que seja flexível e maleável.

Vocês já descartaram uma peça para o programa e tiveram que voltar a estaca zero?
A equipe é excelente na comunicação do tipo de música que estamos procurando, então não costumamos fazer isso! Mas já aconteceu de sermos chamados para fazer uma revisão. Por exemplo, no episódio “Fusion Cuisine”, a música do restaurante era originalmente fantasiosa e pretensiosa. Eles nos pediram para descartar a ideia e compor uma peça nova que soasse doce e intimista. E funcionou bem melhor – em retrospecto, a música original teria colorido o conflito entre as famílias de Connie e Steven como uma diferença de classe, mas a música nova representou melhor duas famílias amorosas que passavam por momentos constrangedores.

O trabalho de vocês teve que mudar completamente para as músicas do programa?
Certamente, quando não são composições nossas. A maioria das canções são escritas por outros membros da equipe (exceto “Love Like You”), então nossos papéis mudam, de compositores para arranjadores e produtores. Às vezes, recebemos faixas demo completas com as quais vamos trabalhar, como “Steven and the Stevens”, de Jeff Liu e Ben Levin – utilizamos a guitarra de Jeff porque eram excelentes! E às vezes recebemos uma faixa de ukulele da Rebecca com vocais dos atores, para quem compusemos os instrumentos, como “Do it For Her”. Nosso objetivo principal é trazer as intenções dos compositores, enquanto as mantemos na linha com os valores de produção do programa e do cânone musical.

Qual foi o processo criativo por trás da canção “Stronger Than You”?
“Stronger Than You”, de “Jailbreak”, foi um grande esforço colaborativo! A Rebecca escreveu as músicas com a ajuda de Estelle, a voz de Garnet. Jeff Liu arranjou a versão demo, que serviu como inspiração para a produção final do programa. Quando a música chegou a nós, demos a ela o “Tratamento Garnet”, reorganizando os arranjos com os sons e as regras musicais da Garnet. Também trabalhamos com a equipe para integrá-la com os acontecimentos dos episódios, como decair para um tom mais sombrio quando o navio afunda. Depois do processo de composição, trabalhamos com Jeff Ball para gravar as melodias de cordas, e mixamos a música.

Quais são os princípios que guiam a música do programa? Por exemplo, sempre senti que a música nas cenas de luta serve pra deixá-las mais bonitas, em vez de tensas — ou as duas coisas ao mesmo tempo.
A música é feita principalmente do ponto de vista de Steven. Como ele acha quase todas as coisas incríveis, levamos essa positividade à trilha sonora. Nós esquecemos que não é esquisito que uma cena de luta seja bela – nós vemos isso como algo “normal” agora.

Muitas coisas mudaram lentamente com o passar do tempo no programa, incluindo a música. Ao dar aos personagens paletas instrumentais em vez de temas estritamente melódicos, suas músicas podem ser mais temporárias. Assim como a fotografia de uma pessoa reflete um momento, não uma imagem completa de quem essa pessoa é, os Gems não têm “versões verdadeiras” de músicas que integram quem elas são. Isso dá um pouco de improvisação de jazz à trilha sonora, assim, a música expressa os sentimentos com maior liberdade.

Quando um personagem passa por uma grande mudança, às vezes nós modificamos sua paleta também. Por exemplo, quando Peridot perde suas melhorias dos membros, ela perde parte dos efeitos mecânicos de sua música.

De qual música vocês se orgulham mais?
É a versão completa de “We Are the Crystal Gems”, a música-tema da segunda temporada! A Rebecca Sugar compos a melodia e a letra, e tivemos a honra de compor e arranjar as partes instrumentais. We nós baseamos no cânone musical completo que havíamos estabelecido até aquele momento. É uma das musicais com a narrativa mais longa do programa, e nós amamos a oportunidade de mostrar tantos lados diferentes da música de Steven Universe.

Vocês poderiam me deixar a par do processo de escrever essa faixa em questão, desde a atribuição, ao começo do trabalho e à instrumentação?
A Rebecca nos mandou o esboço em ukulele da música com as vozes dos atores. Ela nos conduziu ao longo de toda a música, explicando suas ideias sobre cada seção e quais momentos emocionantes deveríamos enfatizar. Entre nós dois, dividimos as seções das músicas de acordo com as habilidades mais adequadas. Por exemplo, Aivi trabalha na maioria das músicas de Pearl e Steven, enquanto Surasshu trabalha com as músicas de Garnet e Ametista. Assim que nós fazemos a base musical das seções, nós trocamos e trabalhamos nas as partes de cada um, e depois trabalhamos tudo junto.

Quando terminamos a faixa, nós a mostramos para a equipe para termos feedbacks e incorporar as sugestões. Então contratamos músicos para gravar os instrumentos – para essa música em patibular, Jeff Ball no violino e Stemage na guitarra, dois músicos de primeira linha da cena musical dos games! Por fim, mixamos a música e a enviamos para Tony Orozco e Melissa Waters, a equipe de som do programa.

E… o que mais vocês querem que os fãs saibam sobre seu trabalho?
Steven é uma onda triangular!

Eric Thurm pode ensinar você a ser forte da forma mais realista possível. Siga-o no Twitter.

Tradução: Amanda Guizzo Zampieri

Siga o Noisey nas redes Facebook | Soundcloud | Twitter