Publicidade
Music by VICE

Conheça os 12 lendários estúdios que participaram do Converse Rubber Tracks

Entendendo por que esses estúdios são parte fundamental da história da música jovem mundial.

por Eduardo Ribeiro
18 Dezembro 2015, 8:35pm


Este conteúdo é um publieditorial da Converse Rubber Tracks. Veja e leia mais. (Foto: Warehouse Studio)

Em setembro de 2015, o projeto Converse Rubber Tracks abriu as portas de 12 dos mais lendários estúdios de gravação do mundo para 84 artistas emergentes. Expoentes das mais diversas vertentes musicais dos quatro cantos do planeta tiveram a rara oportunidade de gravar com produtores e engenheiros de som mundialmente renomados. Além, é claro, do acesso à tecnologia de ponta desses celeiros criativos que já deram luz a alguns dos mais celebrados registros da história da música. O que aconteceu depois, ficou por conta do talento de cada um. Conheça os estúdios participantes, seus diferenciais, e quais bandas gravaram neles:

Avast! Recording Co., Seattle, EUA
O Avast! abriu as portas em 1990 e virou referência imediata no rock alternativo. Logo nos primeiros anos, suas salas de gravação acolheram expoentes das cenas grunge, riot grrrl e estrelas do indie rock em ascensão. Intimista, o disputado Estúdio A foi construído antes do Avast! assumir todo o prédio, e mantém uma atmosfera bem anos 1970. Entre os equipamentos de destaque, figuram um piano de causa Yamaha C7, dois Wurlitzers e um piano elétrico Rhodes Suitcase. Há também uma cuidadosa seleção de microfones, preamps e máquinas de fita, além de uma mesa analógica de 36 canais Trident A-Range de 1975 — apenas vinte foram fabricadas, reza a lenda. O fundador do estúdio, Stuart Hallerman, atuou como técnico de som do Soundgarden, e já gravaram por lá nomes como o próprio Soundgarden, Screaming Trees, Bikini Kill, Modest Mouse e Supersuckers. Quem gravou aqui: Glass Tunnels (EUA), Smokey Brights (EUA), Noise Nebula (Espanha), Murmur (Hong Knog), Lume (EUA), Water Rats (Brasil), Dude York (EUA). avastrecording.com

Abbey Road Studios, Londres, Inglaterra
Aqui foram gravados alguns dos discos mais influentes do pop e do rock do século passado. Alguns exemplos de artistas que fizeram história no Abbey Road: Beatles, Radiohead, Pink Floyd, Depeche Mode e Muse. Conhecido mundialmente pelo investimento em inovação, o Abbey Road combina o que há de mais avançado em tecnologia com métodos mais tradicionais de gravação. O requisitado Estúdio Dois oferece aos músicos um amplo espaço para gravar cujas qualidades mais proeminentes são a valorização das timbragens, e a potência dos médios e reverbs. Entre os equipamentos, destacam-se: uma mesa de controle de som de 60 canais AMS Neven 88RS, modulares originais EMI TG, Teletronix vintage, unidades UREI e Fairchild, além de uma das maiores coleções de microfones do mundo e uma variedade de pianos verticais, entre eles um Steinway Model D. Quem gravou aqui: Azekel (Reino Unido), Magaly Fields (Chile), Indische Party (Indonésia), Noah Slee (Alemanha), Dap (EUA), Phobophobes (Reino Unido) Denai Moore (Reino Unido. abbeyroad.com

Hansa Tonstudio, Berlim, Alemanha
Endereçado em Kreuzberg, centro cultural da capital alemã, o Hansa Tonstudio desempenhou um importante papel na formação das cenas new wave/pós-punk locais, entre os anos 1970-80. Desde então, virou referência para grandes nomes do rock alternativo. No Estúdio 1, as gravações acontecem em duas máquinas de fita rolo Studer A800 MKIII, de 48 faixas sincronizadas. O resultado é um som analógico bem encorpado. Já a sala de controle vem equipada com mesa de mixagem de 56 canais SSL 4000 E-series. No espaço, os músicos dispõem de uma seleção de amplificadores e um piano de causa Steinway. Fora isso, o estúdio oferece uma variedade de equipamentos de ponta para obter uma sonoridade cristalina, como compressores Urei, TubeTech, EMT e Valley; filtros Manley, Helios e Siemens; e reverbs Lexicon, EMT Quantec e Yamaha. Alguns artistas de destaque que já gravaram lá são o David Bowie, Brian Eno, Iggy Pop, U2, R.E.M., Snow Patrol e Manic Street Preachers. Quem gravou aqui: Von Spar (Alemanha), Wilde (Canadá), Jóga (Polônia), Flame (Chile), Pumpkins (China), Gurr (Alemanha), Shandy Mandies (Alemanha). hansatonstudio.de

Sunset Sound, Los Angeles, Estados Unidos
O Sunset Sound foi criado em 1958 para funcionar como estúdio de gravação para as trilhas dos filmes da Disney e rapidamente passou a fazer parte da música norte-americana. No portfólio, conta com mais de 300 álbuns de rock, pop, folk e soul agraciados com discos de Ouro e de Platina. Na sala de controle, o estúdio oferece monitores de última geração, sistema ProTools, máquinas de rolo, uma variedade de amplificadores, um piano de cauda Steinway e um órgão Hammond B-3. No rack externo, equipamentos novos e clássicos de marcas como Lexicon, Teletronix, AMS, Yamaha, Urei e Pultec, assim como câmaras de eco. Foi lá que tomou forma uma extensa lista de álbuns que você precisa ouvir antes de morrer, como Purple Rain (Prince), Exile on Main St. (Rolling Stones), Pet Sounds (The Beach Boys), e os dois primeiros do The Doors: The Doors e Strange Days. Quem gravou aqui: The Bluffs (EUA), Arima Ederra (EUA), Beach Youth (França), Les Passagers (Canadá), BJG (China), Jonny California (EUA). sunsetsound.com

Greenhouse, Reykjavík, Islândia
Fundado pelo músico e produtor Valgeir Sigurosson, o Greenhouse Studios é tipo um estúdio-hotel-fazenda. Todo o conforto é proporcionado aos músicos durante sua estada aqui, com tudo o que um resort cinco estrelas pode oferecer. São três quartos de hóspedes que acomodam até seis pessoas, mais serviço de café da manhã, almoço e jantar. Considerado o estúdio mais inovador da Islândia, é sua especialidade é a música folk, ambiente e neoclássica. Um diferencial do Greenhouse é que a sua sala de controle, luminosa e espaçosa, também funciona como ambiente da performance, aproximando músicos, engenheiros de som e produtores. Assim, a captação do som é focada, porém um grupo de músicos pode gravar simultaneamente. Quem gravou aqui: Ringo f Gyges (Islândia), Coconuts (Taiwan), Noonwraith (Rússia), Vaya Futuro (México), Paperwhite (EUA), Toneron (Islândia). greenhouse.is

Stankonia, Atlanta, Estados Unidos
A cinzenta edificação, situada numa rua residencial de Atlanta, sempre esteve ligada à música. Antes de dar lugar ao estúdio Stankonia, o espaço, construído nos anos 1980, foi a morada de outros estúdios. O primeiro foi Soundscape, onde ilustres bandas de rock do estado da Georgia gravaram. Depois, veio o Bosstown, voltado ao R&B, nos anos 90. Até que veio o Stankonia, da dupla OutKast, com a proposta de servir de laboratório para nomes do R&B, do hip hop e do funk de Atlanta. Além de uma enorme mesa SSL 4000 G-plus e o aparato ProTools, oferece uma extensa coleção de equipamentos vintage e atuais. Stankonia é também o nome do quarto álbum do OutKast, lançado em 2000. Quem gravou aqui: Grand Prize Winners From Last Year (EUA), Gemini (EUA), Planta Carnívora (Chile), Chacha and In3 (China), A.J. Crew (EUA), A2 (Reino Unido), Dreamr Digital (EUA).

Studios 301, Sydney, Austrália
Desde 1978 gravando álbuns importantes para a música pop mundial, o Studios 301 está na ativa desde muito antes do surgimento do rock’n’roll. Fundado em 1926, na época o espaço era dedicado ao registro de músicas eruditas e cerimoniais. Com a revitalização e o novo foco no contemporâneo, sua sala de tracking ficou bem ampla, com o pé-direito alto e iluminação natural. Isso deixa os artistas confortáveis e à vontade durante as sessões, mas também possibilita a captação perfeita de sonoridades tanto expansivas como intimistas. Quem já gravou lá? Skrillex, Kanye West, Lana Del Rey, Lady GaGa, Metallica, Snoop Dogg, Tiësto e INXS. Em 2015, ele foi adquirido pelo Abbey Road Institute. Quem gravou aqui: Reptiles (Austália), The Attics (Austrália), Fever Charm (EUA), Motor City Madness (Brasil), The Plastics (África do Sul), Heroes For Sale (Nova Zelância), Vigilantes (Austrália). studios301.com

Toca do Bandido, Rio de Janeiro, Brasil
Quando dizem que o Toca do Bandido é o paraíso de qualquer músico, faz bem não duvidar. Fundado pelo grande produtor musical Tom Capone (1966-2004), fica escondido no meio da mata, num bairro afastado do Rio de Janeiro, e opera com o conceito de retiro criativo. A atmosfera tranquila e a excelente seleção de equipamentos torna o contexto ideal para que grandes trabalhos tomem forma. Tanto, que aqui foi o berço de diversos álbuns de ouro, platina, e várias nomeações ao Grammy. Capacitado para gravar no analógico e no digital, oferece uma sala revestida em madeira, para garantir uma sonoridade quente e encorpada, um dos diferenciais do estúdio. Especialmente os guitarristas sentem-se contemplados no Toca. À disposição deles, está uma invejável coleção de guitarras das marcas Fender, Gibson, Rickenbaker, Gretsch e Danelectro. Quem gravou aqui: Côro MC (Brasil), Sound Bullet (Brasil), Indiscipline (Brasil), Zanillya (Países Baixos), Prateek Kuhad (Índia), Via Audio (EUA), Chico Unicornio (Peru), Cândido (Brasil). tocadobandido.com.br

Tuff Gong, Kingston, Jamaica
Falar do Tuff Gong é abordar um pouco da história da tão rica cena musical da Jamaica. Afinal, ele foi fundado por ninguém menos que Bob Marley, em 1965. Fica na Marcus Garvey Drive em Kingston, onde nasceram alguns dos maiores e mais influentes álbuns de reggae. Antes de se mudar para lá, funcionou na Orange Street e na 56 Hope Road, onde atualmente operam o Bob Marley Museum, o Bob Marley Theatre, o restaurante The Queen of Sheba e a butique Things from Africa. Na ativa desde os anos 1970, o estúdio continua sendo referência para os talentos da música jamaicana. No Tuff Gong, o artista pode não só gravar, mixar e masterizar a sua música, mas também prensar seus discos e k7s. A marca é também uma loja de discos e uma agência de talentos. São variadas as opções de máquinas de rolo, compressores, equalizadores e unidades extras à disposição dos artistas. Eles também oferecem um órgão Hammond B3 e um piano de cauda Yamaha. Quem gravou aqui: Stxnga (Jamaica), Dburnz & The Flashmob (Jamaica), The Makonnen Soul (Colômbia), The Superglasses Ska Ensemble (Tailândia), Barf Troop (EUA), The Magic Gang (Reino Unido), Jermaine Blake and The One Drop Routz (Jamaica). tuffgong.com

The Warehouse Studio, Vancouver, Canadá
Fica num prédio histórico de 1886, onde curiosamente já funcionou a prefeitura da cidade, um presídio e um necrotério. Em 1997, renasceu como o Warehouse Studio, e virou referência para bandas de rock alternativo. São quatro salas de gravação divididas em três andares. As salas contam com iluminação natural e um bonito acabamento em madeira antiga e tijolos aparentes. O principal espaço para gravação é o estúdio 2, espaçoso e com janelas grandes dando vista para o bairro. Na sala de controle, a mágica acontece com a ajuda de uma mesa de mixagem Neve Air Custom A6630, uma das únicas seis fabricadas. São 52 canais, preamps, EQs, reverbs, delas e compressores de altíssima qualidade. Quem curte explorar os teclados, terá à disposição aqui dois pianos Yamaha, um órgão Hammond B3 e uma variedade de sintetizadores analógicos. Quem gravou aqui: Smash Boom Pow (Canadá), Bestie (Canadá), The Wizard (México), Down and Outlaws (Estados Unidos), Coldworm (França), Abreact (Austrália), The Belle Game (Canadá). warehousestudio.com

Converse Rubber Tracks, Nova York, Estados Unidos
O estúdio bancado pela marca é um espaço de gravação profissional inaugurado em julho de 2011 na região de Williamsburg, no Brooklyn, em Nova York. Erguido no terreno onde funcionou uma antiga lavadora de roupas a seco, conta com os melhores instrumentos e equipamentos, fornecidos pela Guitar Center, parceiro do projeto Converse Rubber Tracks. O projeto foi o jeito que a Converse encontrou de devolver à comunidade criativa mundial tudo o de positivo que ela gerou para a marca em cem anos de história. Entre os equipamentos disponíveis, o Estúdio A conta com um console analógico API 1608 de 32 canais e falantes Allen Sides Ocean Way, enquanto no Estúdio B fica o aparato de vídeoprodução. No cardápio de instrumentos, está à disposição dos músicos um baixo Music Man Classic StingRay, um órgão clássico Wurlitzer e uma bateria Gretsch Renown, além de uma coleção de amplificadores com direito a um Marshall JVM210H de altíssimo ganho, o reverb clássico do Fender Hot Rod Deville, e o pouco convencional Kemper Profiling. A plataforma perfeita para que os artistas continuem inovando, produzindo as próximas músicas que mudarão o mundo. Quem gravou aqui: Whiskey Bithes (EUA), Big Eyes (EUA), Los Tiros (Argentina), Mental Bend (Alemanha), Heat Mark (China), The Lytics (Canadá), Baco Krisi and Nasty Lime (Itália), The Extraordinaires (EUA). converse-music.com/rubbertracks/brooklyn

Converse Rubber Tracks, Boston, Estados Unidos
A segunda unidade dos estúdios Converse Rubber Tracks foi inaugurada em julho de 2015, no centro de Boston, no edifício Lovejoy Wharf. A ideia é dar sequência ao trabalho iniciado na unidade do Brooklyn, estendendo à comunidade musical de Boston a chance de ter acesso a gravações profissionais de ponta. A sala principal do Estúdio A tem uma mesa de gravação Neve Designs 5088 de 32 canais e monitores Ocean Way HR3. Os músicos podem optar entre uma extensa coleção de instrumentos, um piano de cauda Rhodes, amplificadores e microfones, incluindo o preciso Manley Gold Reference. Quem gravou aqui: Sparhawks (EUA), Worshipper (EUA), Howling Giant (EUA), Frida (Brasil), Diamond Thug (África do Sul), The Veggers (Coreia do Sul), Aziz The Shake (EUA). converse-music.com/rubbertracks/boston

Acompanhe as novidades do Converse Rubber Tracks nas redes: Facebook | Twitter | Instagram | YouTube | SoundCloud

Siga o Noisey nas redes Facebook | Soundcloud | Twitter

Tagged:
Music
Noisey
converse
gravações analógicas
Water Rats
studios
Tecnologia
Estudios
côro mc
motor city madness
gravações digitais
Reportagens