comportamento

Por que corrigir o português das pessoas é um grande vacilo

Uma investigação sobre o fiscal gramatical de internet (que anda tão ativo quanto o fiscal de cu).

por Kel Lima
24 Abril 2018, 10:00am

Arte: Luiza Formagin/ VICE

Já me senti no direito de, durante uma discussão acalorada, corrigir os erros de português do meu oponente só pra sair por cima. O gostinho de estar perdendo uma discussão e apelar pra essa alternativa só pra continuar tendo razão sempre teve um sabor especial. Principalmente quando os argumentos da pessoa eram, de alguma forma, preconceituosos.

Eu também costumava corrigir a minha mãe. Hoje, penso: como achei que, no alto da minha montanha mesquinha de superioridade gramatical, poderia corrigir as palavras da mulher que, mesmo com ensino fundamental incompleto, me deu todo o conforto e oportunidade de ter uma educação de qualidade? Eu não teria esse direito nem se lembrasse e soubesse usar todas as regras gramaticais que existem na língua portuguesa (só de pensar em oração subordinada substantiva objetiva direta me dá até falta de ar).

Esse tipo de situação tem um nome e se tornou uma discussão recorrente nas redes sociais: preconceito linguístico. Já que o fiscal gramatical de internet anda tão ativo quanto o fiscal de cu, fui atrás de dois sujeitos que são referência em língua portuguesa pra entender se devemos corrigir as pessoas ou não.

"O preconceito linguístico acompanha os demais preconceitos: se uma pessoa ou comunidade é vista como atrasada, inferior, inculta" – Marcos Bagno

Um deles é Marcos Bagno, sociolinguista, professor do Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução da Universidade de Brasília (UnB) e escritor com mais de 30 títulos publicados – como o clássico nas faculdades de Letras do Brasil, Preconceito lingüístico: o que é, como se faz (Edições Loyola, 1999). Na obra, Bagno analisa justamente os mecanismos de exclusão social e de dominação política pelo uso da língua.

“O preconceito linguístico acompanha os demais preconceitos: se uma pessoa ou comunidade é vista como atrasada, inferior, inculta etc., sua maneira de falar também receberá essa mesma avaliação", diz em entrevista à VICE.

Atualmente, o Brasil tem cerca de 11,8 milhões de analfabetos, referente a 7,2% da população de 15 anos ou mais, segundo a Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O levantamento, que foi divulgado no fim do ano passado e se refere ao ano de 2016, também mostra que maioria se encontra no Nordeste. Além da diferença regional, há discrepâncias entre a população branca e a negra, com 9 anos e 7,1 anos de estudo, respectivamente.

Os dados que se referem à parcela escolarizada da população brasileira também não são nada animadores: cerca de 51% da população brasileira de 25 anos ou mais têm somente até o Ensino Fundamental completo. No caso do Ensino Médio, apenas 26,3% desse grupo tinha completado esse nível de estudo. A taxa mais baixa está no ensino superior: 15,3% completaram a etapa.

Cerca de 51% da população brasileira de 25 anos ou mais têm somente até o Ensino Fundamental completo

Ou seja, quando temos esse tipo de comportamento que comentei no início, estamos lidando com uma situação que envolve desigualdades estruturais muito mais sérias do que simplesmente sair por cima numa discussão. E o preconceito linguístico não ocorre apenas com erros gramaticais, mas também se manifesta sobre sotaques regionais e o uso de gírias, principalmente quando associadas à periferia.

Ao analisar justamente as desigualdades sociais, xenofóbicas e raciais que ainda prevalecem no nosso país, o também sociolinguista Eduardo Calbucci é categórico: "Não deveríamos condenar alguém por algo que ele não escolheu – porque não escolhemos a maneira que vamos falar, apenas reproduzimos a linguagem que ouvimos".

"Estamos lidando com uma situação que envolve desigualdades estruturais muito mais sérias do que simplesmente sair por cima numa discussão"

Então, por ser de uma determinada região, uma pessoa pode ter um determinado sotaque. "Mas se eventualmente essa região goza de menos prestígio, essas pessoas acabam sendo satirizadas, transformando a língua em um instrumento de opressão social", pontua Calbucci, que também participa do grupo de revitalização de conteúdo do Museu da Língua Portuguesa em São Paulo.

Beleza. Mas isso quer dizer então que tudo bem usar o português errado sem questionamentos? "Nenhum linguista brasileiro jamais defendeu a 'prática do português errado'. O que tentamos mostrar é que os supostos 'erros' têm explicação", justifica Marcos Bagno. "Ao mesmo tempo defendemos com ênfase que é preciso levar todas as pessoas a se apoderar das formas prestigiosas de falar e escrever, porque elas constituem um bem cultural e um direito social que tem de ser compartilhado por toda a população."

"Não escolhemos a maneira que vamos falar, apenas reproduzimos a linguagem que ouvimos" – Eduardo Calbucci

Bagno questiona qual o problema em se dizer "assisti o filme" [o "correto" é assisti ao filme], já que a compreensão da frase não se altera, nesse caso. "A ideia de 'certo' e 'errado' na língua tem a mesma natureza das ideias de 'certo' e 'errado' em outros campos da vida social: por que é 'certo' ser heterossexual e 'errado' ser homossexual?", indaga.

Mas no Enem...

No Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), por exemplo, a análise sociolinguística também é levada em consideração, e isso não significa que o aluno não precisa saber a norma culta. Quando o estudante vai fazer uma redação, ele tem que respeitar o registro culto; 20% da nota dele vem daí, aponta Calbucci. "E se ele quer entrar na universidade, esse é um espaço dos registros cultos. Mas o peso que isso tem na nota final é muito pequeno. Se ele escreve pretensioso com 'c' e não com 's', ninguém vai tirar muitos pontos dele. No entanto, escrever gente com j é muito grave. Isso acontece por que existem níveis de erro. Uma pessoa que escreve gente com j dá a impressão de mal ser alfabetizada, que é algo que você não espera de um aluno que acabou de terminar o ensino médio. Nenhum corretor de redação fica contando crase, regência etc., se esses erros são mínimos ou sutis", afirma.

Para ele, a criação de modos específicos de falar é perfeitamente justificada – e até inevitável. Quando um grupo social assume a reivindicação de sua identidade, se reconhece como uma comunidade com traços particulares dentro da sociedade maior. "É natural que [o grupo] também reivindique uma linguagem que o distinga do restante. É resistência e identificação."

O português de Michel Temer

Lembra da famosa carta-desabafo de Michel Temer a Dilma Rousseff? O episódio acabou virando piada nas redes sociais pela linguagem extremamente rebuscada, começando, inclusive, com uma frase em latim. Ao recordar o caso, Calbucci critica a formalidade exagerada dos discursos de Temer e o uso das famigeradas mesóclises [coisas como "procurar-me-iam"] pelo presidente. "Afirmar que agora nós temos um presidente que sabe falar português é tão equivocado. Mesóclise é um tipo de construção ultraformal e completamente distante da realidade da população brasileira. Eu acredito que um presidente deva falar de uma maneira que ele seja compreendido pelas pessoas. Escolher uma mesóclise para se comunicar é dar um exemplo de autismo linguístico, ou seja, alguém que não soube escolher a expressão adequada à situação de comunicado. Isso é um erro muito mais grave do que escrever pretensioso com c."

Para o sociolinguista, um bom falante não é aquele que usa linguagem culta em todas as situações, mas o que sabe escolher o registro compatível com cada uma delas. "Dar uma palestra para executivos não exige a mesma linguagem do que uma conversa na mesa de um bar ou numa partida de futebol", compara.

E se a carapuça não serviu até aqui, Calbucci faz uma análise que é um tapa na cara de muita gente: "Estamos vivendo num mundo onde é preciso cada vez mais trabalhar com a diversidade e tomar cuidado pra tentar não ser machista, homofóbico, xenófobo. Será que condenar a maneira como uma pessoa está falando ou escrevendo é a melhor forma de criar relacionamentos simpáticos? Será que a pessoa do outro lado quer essa correção? Em geral, os professores de português não fazem isso de maneira sistemática porque por conhecer essas múltiplas possibilidades de uso do idioma, e a gente não pode supor que existe uma superior a outra".

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.