Publicidade
cinema

Seis faces da São Paulo apocalíptica

Meio documentário, meio ficção, o curta “Tempos de Cão” retrata a vida de personagens que vivem numa pensão no Centro da capital paulista.

por Matheus Trunk
02 Março 2017, 1:50pm

Still de 'Tempos de Cão'.

Um catador de sucata que não dá a mínima para as convenções da sociedade. Um garoto que imita o Homem Aranha. Um transexual apaixonado por seu companheiro. Um pastor evangélico homossexual. Misto de ficção e documentário, o interessante curta-metragem Tempos de Cão da dupla de diretores paulistas Ronaldo Dimer e Victor Amaro retrata seis personagens que vivem à margem da sociedade. "É o retrato da situação atual de exploração, descaso, opressão policial, distribuição desigual de renda e invisibilidade dos mais pobres", destaca o diretor Dimer.

A narrativa apocalíptica de Tempos de Cão acontece numa pensão localizada no Vale do Anhangabaú, centro de São Paulo. O estabelecimento de 36 quartos possui apenas dois banheiros compartilhados e a falta de água no local é algo cotidiano. A crise hídrica que a capital paulista sofreu em 2015, inclusive, foi uma das razões para o projeto do curta-metragem.

"Com o tempo de convívio na pensão passamos a ser notados e decidimos espalhar panfletos com convite de seleção para o filme", explica Dimer. Equipe técnica e diretores tiveram de conviver meses com os personagens para ganharem a confiança deles. Foram inúmeras conversas até acertar um roteiro que conseguisse reunir tantas pessoas diferentes. "Foi a partir do que eles nos disseram que fomos moldando nossa ideia de filme. Todos os personagens do curta estão no mesmo barco, resistem em condições precárias e, para isso, precisam se unir", afirma Victor Amaro.

Still de 'Tempos de Cão'.

O cineasta Ronaldo Dimer ressalta que produzir um curta-metragem num lugar onde muita gente convive gerou várias dificuldades. "Tinha gente que trabalhava de madrugada, outros tinham compromissos de última hora em dia de filmagem. Os barulhos vindos dos quartos nos atrapalharam. Mesmo o dono da pensão queria faturar em cima das filmagens". Os custos da produção, por sua vez, foram rateados entre a própria equipe do filme e amigos próximos que contribuíram como podiam.

O filme foi exibido com sucesso na última edição da Mostra Foco da Mostra de Cinema de Tiradentes. Tempos de Cão também está confirmado para a Mostra de Tiradentes em São Paulo que acontece no final de março no Cinesesc, em São Paulo. Victor Amaro é otimista e acredita que o curta-metragem estará em mais festivais. "Ainda não sabemos como vai ser depois. Queremos que ele seja exibido em todos os lugares e estamos para vários festivais."

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.