Publicidade

Revisitando anúncios de escravos do século 19

Os 300 anos de horror e injustiça publicados em formato de anúncios de compra e venda de escravos nos jornais brasileiros.

por Débora Lopes
20 Novembro 2017, 11:00am

Anúncio publicado no Correio Paulistano em 5 de julho de 1862. Crédito: reprodução

Atenção: esta reportagem pode conter gatilhos para algumas pessoas.

"O que a escravidão deixou de legado pra gente foi o racismo, além de várias histórias tristes e violentas”, afirma Lívia Monteiro, doutora em história e educadora na Escola de Formação de Professores do Centro Universitário Celso Lisboa, no Rio de Janeiro. Para ela, assim como a Alemanha lida com seu passado nazista, o Brasil precisa aprender a conviver com a terrível memória dos tempos em que aqui seres humanos eram tratados como mercadoria. "Contar essa história faz toda diferença pra que o racismo acabe", diz.

Foram 300 anos de horror e injustiça que nem sempre são retratados pelos livros de história. Mas existem outros registros. A VICE levantou diversos anúncios publicados em jornais do século 19, como um datado de 1857, vendendo “um bonito mulato, alfaiate e bom copeiro de 21 anos”.

Anúncio publicado no Correio Paulistano em 12 de setembro de 1857. Crédito: reprodução

Era julho de 1862 quando Antônio Ribas, proprietário de uma chácara na região da Sé, centro de São Paulo, anunciou seus “bonitos escravos à venda” no jornal Correio Paulistano. “Vende-se a preço razoável”, especifica o comunicado (no topo da matéria), detalhando que havia “moleques” e “duas bonitas mocambas prendadas”.

Anúncio publicado no Diário de Pernambuco em 12 de novembro de 1842. Crédito: reprodução

Escravos domésticos, geralmente, custavam mais caro, já que precisavam ter uma boa conduta dentro de casa. Muitos deles eram até mesmo alugados.

“Se você tinha um escravo que era alfaiate, você alugava ele pra outros senhores e outras pessoas. Isso era uma distinção dentro dessa sociedade hierárquica. Era como se você pudesse ostentar porque seu escravo era alfaiate”, pontua a historiadora Lívia.

Anúncio publicado no Diário de Pernambuco em 15 de novembro de 1842. Crédito: reprodução

Crianças e adolescentes também eram explorados. Um anúncio publicado no Diário de Pernambuco em julho de 1866 traz uma lista com os termos “moleca fula [como era chamado um tom de pele negra à época], bonita figura de 12 anos” e “um moleque idem de 9 anos”. Tratava-se de uma família se retirando do “império”, provavelmente, mudando-se para outro país.

Anúncio publicado no Diário de Pernambuco em julho de 1866. Crédito: reprodução

Um dos primeiros estudiosos a debater o assunto foi o sociólogo Gilberto Freyre, que em 1963 lançou o livro Os escravos nos anúncios de jornais brasileiros do século XIX. A obra foi resultado de anos de pesquisa e teve como um dos focos os inúmeros anúncios de senhores que buscavam seus escravos fugitivos. Apesar da importância de tal estudo, Freyre foi diversas vezes acusado de romantizar a escravidão, principalmente quando mencionou que haveria um “lado benigno” de a mesma ter acontecido no Brasil.

Anúncio publicado no Correio Paulistano em 1º de novembro de 1863. Crédito: reprodução

No século 19, especificamente, as fugas se intensificam, já que o processo abolicionista começa a se tornar uma constante. “A escravidão sempre foi um grande problema, mas se torna uma questão política-partidária com os grupos abolicionistas”, expõe a historiadora.

Anúncio publicado no Correio Paulistano em 27 de dezembro de 1867. Crédito: reprodução

Um anúncio publicado em 1867 no Correio Paulistano procurava pelas escravas Eulália – “crioula da Bahia, bem preta, estatura regular, cara redonda, cabelos cortados, com um filho de nome Bento, de dois anos de idade, preto fula, com sarnas pela cabeça” – e Emília. Quem capturasse as duas, seria gratificado. Os jornais eram a principal forma de comunicação da época.

Anúncio publicado no Diário de Pernambuco em 12 de novembro de 1842. Crédito: reprodução

Todo ex-escravo precisava andar com sua carta de alforria no bolso, senão, qualquer pessoa poderia considerá-lo escravo novamente – exclusivamente pelo fato de ser negro. “Aí, sim, começa a se criar o que hoje consideramos racismo. Porque essa é uma sociedade excludente. No Brasil, cor e escravidão caminham juntas”, menciona Lívia. "A escravidão é um tema urgente no Brasil. E a sociedade escravista deixa como legado uma sociedade racista."