Publicidade
comportamento

Corpos à margem da sociedade são protagonistas da história da tatuagem no Brasil

Livro de Silvana Jeha traz pesquisa inédita sobre o tema no país.

por Marie Declerq
11 Setembro 2019, 10:00am

Bandeira brasileira. Tatuado em um quartel de Salvador em 1924. Cortesia Editora Veneta. 

Embora a tatuagem ser comumente associada com criminalidade desde o século XIX, sua chegada e evolução no Brasil está muito mais ligada à representações de amor, fé e memórias na cultura popular. Sua história foi contado pela historiadora Silvana Jeha no livro Uma História da Tatuagem no Brasil, lançado recentemente pela Editora Veneta.

O livro foi fruto de sete anos de pesquisa em acervos públicos e museus brasileiros, onde a historiadora destrinchou desde as escarificações e tatuagens nos corpos de pessoas escravizadas trazidas ao Brasil à chegada de marujos e imigrantes que trouxeram o hábito de se tatuar. A tatuagem indígena, claro, é mencionada na introdução do livro como “donos da casa” quando se fala no tema aplicado ao Brasil.

1568140082015-miolo_tatuagem_AF_highress-final-casa-rex-90
Litogravura que ilustra as marcas feitas em membros de algumas nações africanas, trazidos como escravos ao país. Cortesia: Editora Veneta.

Para Jeha, contar a história da tatuagem no Brasil é contar histórias de pessoas que viviam à margem da sociedade — como trabalhadores, prostitutas, imigrantes, indígenas e pessoas escravizadas. A criminalidade é apenas um de seus aspectos. “No século XIX ela ficou muito associada com a criminalidade por causa de Cesare Lombroso, mas ela sempre fez parte da cultura popular."

“Pesquisando sobre as pessoas tatuadas nas prisões, vi que mais de 40% já tinha se tatuado fora da cadeia,” explica Jeha. “A cadeia foi apenas o local onde as tatuagens e os corpos delas foram registrados e submetidos ao escrutínio das autoridades. Por isso existe essa relação de tatuagem e cadeia.”

1568140281568-miolo_tatuagem_AF_highress-final-casa-rex-161
Tatuagem feita por um italiano no argentino Severo dentro de uma cadeia em Santos em 1928. Imigrantes e marujos de outras nacionalidades foram primordiais para a formação da tatuagem brasileira. Cortesia: Editora Veneta.

Figuras importantes como o marujo dinamarquês Knud Gregersen, o Lucky Tattoo, conhecido como o primeiro tatuador profissional do Brasil, Vânia Rezende, coordenadora da Associação Pernambucana das Profissionais do Sexo e Marluce Tavares de Santana, trabalhadora sexual de Recife, também merecem destaque na pesquisa minuciosa de Silvana.

1568140416617-miolo_tatuagem_AF_highress-final-casa-rex-62
Reportagem de 1968 sobre o Lucky Tattoo, primeiro tatuador profissional do Brasil. Cortesia: Editora Veneta.

“A tatuagem como parte do universo das prostitutas é também uma parte da história da tatuagem na mulher até a década de 1970. (...) Era o corpo da prostituta, ou da mulher atribuída como tal, que estava à disposição para ser fotografado, descrito e abusado”, escreve no capítulo sobre mulheres.

1568139865869-miolo_tatuagem_AF_highress-final-casa-rex-233
Marluce, prostituta de Pernambuco, mostra sua tatuagem “Sofro Sorrindo”. Cortesia Editora Veneta.

A pesquisa de Jeha — cheia de fotografias, recortes de jornais e referências literárias sobre as marcas na pele — começa no século XIX e vai até os anos 1970, quando as tatuagens passaram a se popularizar através dos surfistas e abrir caminho para se tornar popular e comum como é no século XXI.

Saque mais imagens do livro abaixo:

1568139948233-miolo_tatuagem_AF_highress-final-casa-rex-169
Recorte de jornal sobre um andarilho tatuado publicado em 1912. Cortesia: Editora Veneta.
1568140785068-miolo_tatuagem_AF_highress-final-casa-rex-255
Tatuagem de Lindolfo, um valentão encrenqueiro das regiões portuárias de Santos. Cortesia: Editora Veneta.
1568140839677-miolo_tatuagem_AF_highress-final-casa-rex-259
Tatuagem feita em 1939. Cortesia: Editora Veneta.
1568140899091-miolo_tatuagem_AF_highress-final-casa-rex-289
Lavrador mineiro que se tatuou sozinho em 1910. Cortesia: Editora Veneta.
1568141128018-miolo_tatuagem_AF_highress-final-casa-rex-50
Tatuagens de um funcionário da polícia marítima de Santos na década de 1930. Cortesia: Editora Veneta.
1568141178097-miolo_tatuagem_AF_highress-final-casa-rex-51
Tatuagens de um funcionário da polícia marítima de Santos na década de 1930. Cortesia: Editora Veneta.

Siga a VICE Brasil no Facebook , Twitter e Instagram.