Motherboard

Tem muita gente fazendo curso de youtuber — e quase ninguém tendo sucesso

Enquanto o YouTube cresce de popularidade, cursos sobre a temática lucram em meio ao sonho quase impossível de ser um vlogueiro famoso.

por Julia Reis
22 Janeiro 2019, 6:36pm

Imagem: Pixabay

De uns anos para cá, o YouTube se tornou solução para quase todas as frustrações profissionais do jovem brasileiro. Se tá ruim o jornalismo, vira youtuber. Tá ruim de freela? Vira youtuber. Não deu certo como modelo ou ator? Vira youtuber. Editoras falindo? É só lançar uns livros de youtuber, cara.

Na verdade, vamos ser francos, não importa o que é a sua profissão e o quão bem sucedido você esteja, tem sempre um youtuber bem melhor do que você por aí.

Nesse cenário de messianismo vlogueiro, a porteira do empreendedorismo na plataforma se abriu de vez e, pra surfar nessa onda, muitos empresários decidiram investir na criação de cursinhos de capacitação para novos influenciadores digitais.

Desde 2012, há cursos que ensinam como se comportar na frente da câmera e fazer sucesso igual a Felipe Neto, Cocielo, PC Siqueira e grande elenco. Parecia algo bem específico, mas como o fenômeno youtuber nunca deu sinais claro de esgotamento, o setor de preparação de vlogueiros inflou ainda mais nos últimos dois anos. Até os próprios youtubers famosos decidiram lançar o curso para ganhar uma grana.

Recentemente o Whindersson Nunes, dono de 26 milhões de inscritos, lançou um curso de em torno de R$ 500 com instruções, vídeos exclusivos e um fórum que permite a troca de experiência entre os pagantes. O “Curso do Whindersson”, como é chamado, vende a “estratégia por trás do fenômeno das redes sociais”, segundo o site da organização. A empresa responsável é a Egratitude, especializada em montar cursos diversos.

O problema disso, claro, é vender uma promessa que dificilmente chegará. No final de tudo, o esforço pra ser um influenciador digital em um mercado inflado de adolescentes de boné transmitindo game pode render um grande número de pessoas decepcionadas com o sonho de ser famoso sem sair de casa.

Um desses caras é Michael Rocha, 30. Para ele, o investimento de R$ 497 no cursinho de youtuber não serviu pra muita coisa, mas lhe deu noções de edição e estratégia de marketing, o que o fez mudar para a área de marketing de rede. Segundo ele, o sucesso no YouTube não se deu porque “talvez não estava fazendo 100% do que o curso quis passar”.

“Na época, eu fiz transmissões ao vivo de games para interagir com quem tivesse jogado. Depois mudei para vlogs”, comenta. Tentando adivinhar o que estava mais na moda, o ex-influencer foi mudando de tema até que desistiu depois de três anos de canal e 73 inscritos.

O aprendizado, no entanto, não o salvou da decepção de não conseguir fazer sucesso. Ele não conseguiu dizer o real motivo pelo qual não deu certo porque sempre tentou se moldar para os temas que mais bombavam na época. “Eu não pretendo mais voltar. Estou em outra área agora e talvez não levo jeito pra coisa.”

Já pra outro aluno de curso de youtuber, Lucas Rocha, 25, o YouTube não é bom pra bombar. “Na verdade, hoje em dia, o próprio YouTube dificulta as coisas pra você crescer na plataforma. No Instagram é mais fácil fazer isso”, diz ele, que se identifica como influencer. Hoje ele abandonou a plataforma de vídeos para se dedicar a uma conta de 14 mil seguidores na outra rede social.

Ele, que começou em busca do sucesso e dinheiro, achou que a grana investida retornaria em breve e de outros jeitos, mas se decepcionou com os reais resultados. “O curso me decepcionou de certa forma porque só dificulta a gente que quer fazer parte desse mundo.” Para Lucas, o YouTube dificulta o crescimento das pessoas na plataforma para não ter muitas pessoas ganhando dinheiro e saturando a rede.

Não é nada fácil ser um youtuber de sucesso

Segundo Maurici Junior, sócio diretor da ComSchool, curso de youtuber no valor de R$ 864, o mercado esquentou nos últimos anos. Sua escola foi fundada seis anos atrás quando percebeu uma brecha de mercado para dar aulas com técnicas de marketing digital e criação de conteúdo na internet. “Percebemos que tinha uma necessidade de uma parte da população quando uma série de youtubers começaram a fazer sucesso e as pessoas naturalmente já quiseram fazer igual.”

Lá eles atendem em sua maioria jovens de 17 anos pra cima que tem o sonho de ser famoso na internet, mas muita gente sai sem resultados. “A gente tem um módulo introdutório que explica que as coisas não acontecem do dia pra noite, e como o mercado está hoje em dia”, completa.

A plataforma, no final das contas, é mais complicada do que parece ser. Quanto mais seguidores você tem, mais fácil de se conquistar público. Mas, mesmo com tantos avisos e armadilhas dos algoritmos, muitos não desistem de seguir carreira.

É o caso de Alexandre Almeida, de 29 anos. Todo curso novo profissionalizante que abre, ele se inscreve para tentar engajar mais na plataforma. “Já fiz cursos de youtuber e agora estou fazendo um de maquiagem para falar mais sobre isso no meu canal.” Segundo ele, 80% de seus 700 inscritos são mulheres.

Com nome artístico de Alexandre Brasil e pronto pra pagar pelo próximo cursinho que lhe oferecer mais conhecimento, ele ainda não desistiu. “Eu cheguei a parar e querer desativar o canal, mas agora me reanimei e quero voltar. Acaba que você faz muita coisa e não funciona, mas a vida na internet é um jogo de acerto e erro”, diz. “Meu sonho é ver meu trabalho reconhecido.”

Mas será que há espaço para mais gente ser youtuber de sucesso? De acordo com Luciana Levy, consultora de mídias sociais, a galera está tentando atingir a fama pelos motivos errados. “Acho que as pessoas querem ganhar dinheiro e querem ganhar coisa de graça e é por isso que a maioria das pessoas não são bem sucedidas”, diz. “Quando você tem algo a dizer e que tem um valor pras pessoas aí sim consegue criar uma carreira.”

“No Instagram, você cria uma conta, segue muita gente que posteriormente te segue de volta e aí tem a sensação de estar fazendo sucesso, quando na verdade está em um ‘quarto vazio’ que não trará nenhum resultado para parceiros porque as pessoas estão seguindo ela por motivos errados.”

Então desculpe a decepção, mas o "segue de volta" e um curso de youtuber não garantirão você ganhar dinheiro e mimos sem sair de casa.

Leia mais matérias de ciência e tecnologia no canal MOTHERBOARD.
Siga o Motherboard Brasil no Facebook e no Twitter.
Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube
.

Tagged:
YouTube
youtuber
dinheiro
sucesso
curso de youtuber
como ser um youtuber