Publicidade
Saúde

Tudo que sabemos sobre o surto de doenças relacionadas a vaping nos EUA

Grande parte dos casos parece envolver pacientes inalando tetraidrocanabinol de cartuchos de óleo de THC, supostamente comprados nas ruas ou tabacarias.

por Emma Ockerman; Traduzido por Marina Schnoor
17 Setembro 2019, 10:00am

Parece que os adeptos de cigarros eletrônicos podiam estar enganados quando diziam que vaping é uma alternativa mais segura para cigarros e queimar cannabis.

Recentemente Maryland se juntou a uma lista crescente de estados dos EUA relatando casos de condições de saúde severas relacionadas a vaping. Oficiais de saúde confirmaram numa declaração que o estado tem cinco pessoas com doenças graves ligadas a vaping sem “causa clara de infecção”. Como Dawn Berkowitz, diretora do Centro de Tabaco e Controle do departamento de saúde, disse: “Não sabemos muito sobre o conteúdo desses produtos”.

Quase 200 casos de doenças relacionadas a vaping foram relatados em 22 estados americanos até 22 de agosto, e um morador de Illinois morreu depois de fumar vape e contrair uma doença respiratória. Em outro caso, um morador de 20 anos de Wisconsin disse ao Journal-Sentinel de Milwaukee que estava com medo de morrer depois de ser hospitalizado por colocar pods de óleo de THC e pods de nicotina que ele comprou localmente em seu Juul. (A Juul disse que não aprova os pods de THC, que a empresa não vende.)

“Fiquei com muita dor”, disse o homem de Wisconsin, que falou com o Journal-Sentinel anonimamente do hospital. Ele acrescentou depois: “Minha tomografia mostrou pulmões de alguém de 70 anos. Foi o que me disseram”.

Milwaukee está pedindo que as pessoas parem de fumar vape imediatamente.

E Maddie Nelsonn, uma mulher de 18 anos de Utah, disse a afiliada da Fox de Salt Lake City que foi colocada em coma induzido depois de ficar extremamente mal com uma doença relacionada a vaping no final de julho. Ela disse que comprava “todo tipo” de sucos de nicotina.

Grande parte dos casos parece envolver pacientes inalando tetraidrocanabinol de cartuchos de óleo de THC supostamente comprados nas ruas ou tabacarias, segundo o Centers for Disease Control and Prevention. Mas oficiais federais de saúde ainda não estabeleceram por que as pessoas de repente começaram a ficar mortalmente doentes com algo que milhões de americanos vêm fazendo há vários anos agora. Também é possível que alguns dos casos mais graves envolvam nicotina.

O CDC garantiu ao público semana passada que está consultando departamento de saúde locais para investigar a raiz das doenças relacionadas a vaping enquanto mais casos aparecem. Vaping é mais popular entre jovens adultos e adolescentes, com dados do CDC mostrando que cerca de 3,6 milhões de estudantes do ensino médio relatavam ter usado vape nos últimos 30 dias em 2018.

Com a explosão recente de doenças, oficiais de saúde pública de todo os EUA estão alertando entusiastas do vaping para prestar atenção em falta de ar, dor no peito, tosse, febre e náusea. Claro, isso não quer dizer que pessoas que fumam cigarro tradicional estão seguras. Fumar um beck também tem seus riscos. Mas, até o CDC chegar ao fundo do surto recente, pode ser mais seguro evitar o vape.

“A seriedade das doenças que as pessoas estão experimentando é alarmante, e precisamos espalhar a notícia de que usar cigarros eletrônicos e vape pode ser perigoso”, disse o diretor de saúde pública de Illinois Dr. Ngozi Ezike, numa declaração semana passada depois que a agência informou sobre a pessoa que morreu por doenças relacionada a vaping no estado.

Enquanto isso, o CEO da Juul Labs – a empresa ligada a febre do vaping atualmente – está defendendo sua companhia, e diz que não há indicações de que seus produtos estão causando doenças pulmonares assustadoras. Numa entrevista com a CBS This Morning, Kevin Burns disse que eles estão monitorando os relatos por enquanto.

“Achamos que temos um produto que é legal hoje, que é testado, e não apresenta, sabe, um risco baseado nas diretrizes da categoria hoje para o público americano”, Burns disse a CBS.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.