Quantcast
A Coreia do Norte É Assustadoramente Chata

A fotógrafa Maxime Delvaux clica a sobriedade entediante vista pelos turistas.

Em novembro passado, Maxime Delvaux foi para a Coreia do Norte, o que não é fácil para um fotógrafo. Ela entrou como turista com um guia permanente e motorista. Como a maioria dos visitantes do reino eremita, ela só teve autorização para ver locais autorizados.  A turnê é basicamente propaganda para convencer estrangeiros da estabilidade, da civilidade e da grandeza da Coreia do Norte. As imagens resultantes documentam essa esterilidade assustadora. O espectador pode perceber que há coisas desagradáveis ​​acontecendo por trás das monumentais portas fechadas.

Em um artigo introdutório sobre as fotos, Mikhail Kissine escreve: "As poucas pessoas no vazio circundante dão escala aos edifícios; as explicações sóbrias, fornecidas pelo próprio regime, dão a dimensão da loucura... Qualquer um deve temer um regime que se baseia em enganar visitantes. O que as fotos de Maxime Delvaux mostram é muito real. Suficientemente real, inclusive, para suavemente destilar um sentimento perturbador, no qual a vertigem nauseante de algumas das ficções de Borges se mistura com um medo genuinamente orwelliano". As fotos de Maxime, sendo tão pacíficas e nada chocantes, mexem com você, dando uma indicação sobre a verdadeira natureza do país. Se essa visita é tão altamente controlada, o que de tão bizarro acontece quando os turistas não estão lá?

Veja também:

Guia VICE para a Coreia do Norte

Praça Kim Il Sung. Esta é a praça mais importante de Pyongyang e um local para comícios, bailes e desfiles militares. Os pontos brancos no chão são marcas de posicionamento.

A pista de gelo de Pyongyang.

Porta de entrada da zona desmilitarizada na antiga aldeia de Panmunjom, onde o armistício da Guerra da Coreia foi assinado entre a Coreia e as Nações Unidas. O mosaico simboliza a vontade norte-coreana de reunificação.

Mosaicos retratando Kim Il Sung e Kim Jong Il na Colina Jangdae em Pyongyang.

Palácio das Crianças de Mangyongdae. Este é um serviço público em Pyongyang, onde as crianças se envolvem em atividades, tais como a aprendizagem da música, línguas estrangeiras, informática e esportes. Há também um teatro com 2000 assentos.

Grande Monumento Mansudae com estátuas de Kim Jong Il e Kim Il Sung de 20 metros de altura na frente do mosaico do sagrado Monte Paektu de 70 metros de comprimento.

Loja de venda de produtos locais em uma cooperativa agrícola perto de Hamhung.

Cachoeira Ulim, o sinal foi feito em 2001 em memória da visita de Kim Jong Il na época e foi esculpido para recriar sua caligrafia.

Esta é uma biblioteca central de Pyongyang, que foi construída para comemorar o aniversário de 70 anos do líder Kim Il-Sung. Tem uma área total de 100.000 metros quadrados e 600 quartos.

Sala de estudos da biblioteca de Pyongyang.

Teatro Mansudae em Pyongyang.

Mapa mundial em mosaico. As Coreias são sempre representadas unificadas para simbolizar a vontade de reunificação da Coreia do Norte.

Casa de nascimento de Kim Il Sung em Mangyongdae-Guyok, que é considerada o lugar mais sagrado da Coreia do Norte.

Hall de entrada da maternidade de Pyongyang.

Torre da Imortalidade de Pyongyang para Kim Il Sung. Esta é uma torre exibida em todas as cidades do país dedicado à memória perpétua do presidente Kim Il Sung.

A Zona Desmilitarizada coreana tem 250 quilômetros de comprimento e 4 quilômetros de largura. É uma terra de ninguém entre as duas Coreias, com um muro de concreto no meio dela.

Exposição nacional de flores de Pyongyang exibindo o Kimilsungia eo Kimjongilia, as flores nacionais da Coreia do Norte.

Monumento à Fundação do Partido. Este monumento foi construído em Pyongyang pela vontade de Kim Jong Il para marcar o 50 º aniversário da fundação do Partido dos Trabalhadores.

Hotel Ryugyong, com uma altura de 330 metros, é de longe a maior estrutura na Coreia do Norte. A construção começou em 1987 e ainda está em curso.