Quantcast
A 'trança masculina' é a nova tendência – e vamos ter de lidar com isso

Você já tem uma opinião formada sobre esse estilo de penteado? Logo, logo você terá. Acredite.

Foto via lukasrobinhood.

Oi, galera. Então, apareceu uma nova tendência em penteado masculino, e também parece que as barbas... oh, amadas dos hipsters! Oh, barbas brilhando ao sol sob o peso dos bigodes artesanais! Oh, barbas mergulhando no copo de cerveja também artesanal e prendendo pedacinhos de sanduíche de pernil como um ímã! Oh, deixe os pelos crescerem! Barbas! Barbas, barbas, barbas, barbas! Acontece que barbas possivelmente são antibacterianas e podem combater infecções. Portanto, recapitulando: barbas, como foi sugerido antes, "não contêm tantos rastros de fezes quanto uma privada"; além disso, tem um novo penteado masculino com que a gente vai ter de lidar. Vamos lá. Juntos – se a gente processar essa notícia como um só –, juntos podemos encontrar a força pra lidar com isso.

Primeiro, vou ter de falar sobre esse novo penteado, porque é janeiro e tem sempre uma nova onda capilar entre os homens. Todo ano, ano após ano, homens cansados de ir ao barbeiro que é amigo do seu vô e pedir o corte de R$15 – e do corte ser sempre anunciado com o mesmo tom sombrio que você esperaria de um coronel exausto do século 19, montado em seu cavalo, seu exército esgotado, e ele vê na colina à frente a poeira levantando, e, do nada, um esquadrão inimigo aparece, o atacando por todos os lados, e ele sabe que não importa quão corajoso ele seja: é fútil resistir. "Homens", diz o coronel, uma lágrima caindo de seu único olho. "Cavalheiro, meu cavalheiro: há uma nova tendência de penteado masculino."

Bom, senta aí um pouco: a tendência é a "trança masculina". Sim: o irmão espiritual do coque masculino. Sim: não apenas uma trança, uma trança masculina, uma trança forte e muito macho, uma trança que bebe cerveja preta e assiste a mesas-redondas de futebol, uma trança cheia de opiniões políticas e com o respeito silencioso de um cão fiel, uma trança que tem um filme favorito, e esse filme é Clube da Luta. Sim: a trança, uma técnica capilar afro-caribenha, e isso está sendo considerado uma puta novidade. Você consegue imaginar sequer lidar com essa nova revolução dos penteados masculinos? Como você vai lidar com isso?

Foto via barbara_hairarts

Há apenas duas reações apropriadas para a trança masculina:

1. "É, né."

2. "Bom, sabe? Olha: isso não é pra mim. Mas isso existe, e eu não tenho nenhum problema com trança masculina. Isso existe. Pronto. Pelo menos estou disposto a admitir isso."

E voltando às barbas: a BBC Magazine de hoje falou um pouco sobre um estudo do Journal of Hospital Infection, que descobriu – limpando o rosto de 408 funcionários de hospital com ou sem pelo facial – que os que usavam barba tinham menos chance de carregar bactérias. O pensamento inicial foi que se barbear todo dia podia causar microabrasões que abrigavam mais germes e coisas que causam SARM, mas, pesquisando mais, descobriram que as barbas realmente combatem os germes graças a um tipo misterioso de micróbio barbado chutando as coisas para fora da barba onde ele mora. Testes mostraram que micróbios de barba – parte da espécie Staphylococcusepidernidis – efetivamente matam até o Escherichia Coli mais resistente a drogas. Ou seja, resumindo: da próxima vez que você comer um frango malpassado num boteco e pegar E. Coli, esfregue sua cara no ZZ Top.

Acho que conseguimos. Conseguimos processar todas as notícias sobre pelo masculino que o dia de hoje jogou na nossa cara. Talvez amanhã tenhamos mais notícias de cabelo masculino – "Meninos de bobes! A nova tendência diferentona do 'Permanente de Instagram'" ou "Esfregar sua piroca numa barba pode curar DSTs" –, porém, por enquanto, conseguimos, por hoje, lidar com a ideia de trança masculina e barba médica mágica. Conseguimos isso juntos. Juntos, somos mais fortes.

Siga o Joel no Twitter.

Tradução: Marina Schnoor

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.