Publicidade
Entretenimento

Parece que depois do drama todo, 'Coringa' nem é lá essas coisas

As críticas do novo filme de Todd Phillips chegaram, e elas são brutais.

por Bettina Makalintal; Traduzido por Marina Schnoor
09 Outubro 2019, 10:00am

Poucos filmes eram tão aguardados e comentados neste ano como Coringa de Todd Phillips, com Joaquin Phoenix no papel principal. Depois de um fluxo inicial de avaliações positivas – “uma obra cinematográfica de coragem”, segundo o Deadline, por exemplo – o filme passou o último mês atolado em polêmicas, com acusações de que poderia incitar violência na vida real, com o FBI e o exército americano divulgando alertas de possível violência incel. Essas respostas negativas renderam reações emocionais do próprio Phoenix e reclamações de Phillips sobre os efeitos da “cultura woke”. A espera por Coringa foi intensa e, francamente, exaustiva, mas o que todo mundo espera disso é, pelo menos, um bom filme.

Para a frustração de todo mundo que estava acompanhando as reviravoltas de Coringa até agora, parece que pode não ser o caso. O filme entrou em cartaz na sexta passada, e agora as avaliações dos críticos chegaram. E no geral, não são muito boas – na verdade, algumas são até brutais. Enquanto eu escrevia esta matéria, o filme tinha 69% no Rotten Tomatoes, o que ainda é considerado bom, mas não tanto assim considerando todo o burburinho sobre o filme antes da estreia.

Leia o que os críticos disseram sobre Coringa abaixo:

Bom

Josh Wilding, ComicBookMovie.com

“Coringa” definitivamente é influenciado pelos quadrinhos e tem muita coisa aqui para os fãs apreciarem. No cerne, mesmo não apresentando o vilão batalhando contra o Batman, essa é uma aula de atuação e cinema.

Kurt Loder, Reason

A perspectiva de sequências desnecessárias é sempre irritante; mas Joaquin Phoenix está tão bem aqui, e a estrutura do enredo do filme é tão criativa, que você vai realmente ficar pensando o que pode acontecer depois.

John Wenzel, The Denver Post

Quando o filme atinge seu clímax convulsivo em toda a cidade, Phillips fez seu melhor para nos mostrar como coisas horríveis tendem a gerar mais coisas horríveis – mas também como essas coisas parecem legais quando filmadas contra o pôr do sol. Talvez a afirmação mais sombria de “Coringa” é uma difícil de refutar: que o mundo medonho que Fleck habita, e por extensão o nosso, é o mundo que merecemos.

Ruim

Richard Brody, The New Yorker

“Coringa” é um filme wannabe que também quer ser tudo para todos os espectadores, que imita a noção de acrescentar substância enquanto apenas a subtrai. “Coringa” é uma experiência visual de vazio raro e entorpecedor.

A.O. Scott, The New York Times

“Coringa” é um exercício vazio e enevoado em estilo de segunda mão e filosofia de segunda categoria. Impressionado com a noção da própria audácia – como se desagrado deliberado fosse uma forma de coragem artística – o filme parece ter medo da própria sombra, ou pelo menos da sombra mais tênue de qualquer relevância real.

Joe Morgenstern, The Wall Street Journal

Dor literal não pode ser transmitida da tela para o público, mas ansiedade pode, e a produção é um gerador ininterrupto de ansiedade, um substituto pobre para complexidade dramática. Se você está se sentindo pouco ansioso na vida, “Coringa” pode ser o que você precisa. Se não, procure entretenimento em outro lugar.

Peter Bradshaw, The Guardian

A grande decepção chegou. Ela vem com uma autoimportância estranhamente adulta de febre das tulipas da temporada de festivais de cinema, como uma reviravolta de alto nível de uma marca estabelecida da cultura pop.

Dana Stevens, Slate

“Coringa” é um filme ruim, sim: é previsível, clichê, profundamente derivado de outros filmes melhores, e reescrito ao ponto da autoparódia.

Jake Coyle, Associated Press

“Coringa”, no entanto, é uma concatenação combustível calculada, pensada, como seu personagem criador de caos, para causar rebuliço. Queria que o filme fosse tão radical quanto acha que é.

Glen Weldon, NPR

“Coringa” vê a transformação de Arthur num assassino em massa como inevitável. Não é uma escolha; é algo que o mundo faz com ele. Como resultado da passividade dele, a história se torna pouco mais que Arthur sofrendo uma sequência de indignidades até que, um dia, heroicamente (?), ele não aguenta mais. O filma rapidamente fica previsível, depois repetitivo e por fim, monótono.

Vale apontar, claro, que a recepção do público para Coringa até agora tem sido muito mais positiva que a resposta da crítica, dando ao filme uma nota de público no Rotten Tomatoes de 93%. No final das contas, se Coringa mereceu toda a discussão e drama vai depender de cada espectador, e o filme provavelmente será um competidor na próxima temporada de premiações independente de qualquer coisa. Caso você tenha perdido, assista o trailer de Coringa aqui.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.