VICE Sports

Como o ollie virou a manobra fundamental do skate de rua

Skatistas comentam o trick inventado há 39 anos e que transformou o esporte para sempre.

por Eduardo Ribeiro
24 Setembro 2018, 5:31pm

Jeff Duerr, que mandou o primeiro frontside ollie air no flatground, em página do livro 'A Secret History of The Ollie', de Craig B. Snyder. (Divulgação)

O ollie, aquela manobra que o praticante bate a parte de trás do skate no solo e, no impulso do board para cima, o nivela com o pé da frente no ar, é a primeira coisa que qualquer skatista de asfalto precisa aprender. É o movimento fundamental no street skate porque virou base para uma série de outras manobras de flip, air, grab, grind, slide, shove it e muitas mais, de front, de back e switch. Basicamente todas as manobras que se vê nos campeonatos de Game of Skate. Alan Gelfand, skatista da Flórida, na Califórnia, Estados Unidos, descobriu a habilidade de ejetar o skate para cima do copping das piscinas e bowls sem o uso das mãos em 1979 – um aéreo sem segurar.

Ele aplicou a técnica na execução de um ollie frontside air, que evoluiu para um hang-up e deu origem ao famigerado “disaster”. Fora da modalidade vertical, foi um amigo de Gelfand, o Jeff Duerr, que mandou o primeiro frontside ollie air no flatground, a manobra que chamamos apenas de “ollie”. Já o responsável pela popularização do ollie certamente foi o Rodney Mullen, destaque do freestyle na época e figura presente na mídia especializada.

Embora Duerr costumasse mandar antes de qualquer um ollies no gás pra subir calçada, pular correntes de estacionamento, skates empilhados e dar grind em degraus de escadaria, Mullen, que começou a andar de skate pouco depois de Duerr, assumiu a bandeira de divulgação do ollie. Um dos fatores favoráveis a isso é que Duerr era um cara mais recluso e avesso ao lado profissional do skate. Taí a razão pela qual ele geralmente é posto de lado na história do ollie.

O certo é que Rodney Mullen inventou, a partir do ollie, o skate moderno. Principalmente pelas inúmeras combinações que fez desta trick com os movimentos preexistentes do freestyle. Em 82, competindo contra Rusty Harris num campeonato na cidade de Whittier, na Califórnia, Mullen debutou com a manobra. A partir daquele momento, ele abriria cada vez mais os horizontes do street skate com sua admirável inventividade e seus belos ollie impossibles, ollie airwalks, ollie one foots... A lista é longa. Da geração seguinte, podemos atribuir a caras como Reese Forbes e Kien Lieu, com ollies acima de um metro e vinte, a evolução do chamado “pop”, técnica de golpear o tail contra o solo para o skate inclinar e subir.

Não é por que o ollie se tornou uma manobra básica que é fácil de mandar. Saber dar um ollie bonito, alto e capaz de fazer o skate planar sobre compridos raios de extensão é para poucos. Vamos deixar que falem os próprios profissionais do skate sobre a importância do ollie para dar identidade ao popular esporte que conhecemos hoje.

O skatista Luciano Kid mandando um ollie na capa do histórico VHS 'Skate Total' (1988). (Foto clicada com celular)

Luciano Kid - skatista pro oldschool

“Tá aí um ollie que marcou minha carreira. Foi durante as filmagens do filme Skate Total, da marca H.Prol, daqui da Baixada Santista, muito famosa até hoje mesmo fora de atividade. Essa imagem foi contracapa do VHS que rodou todo o Brasil na década de 1988-89. Até o Chorão participou. O clique foi na Fonte do Sapo, uma praça superfamosa na ponta da praia em Santos.”

Filipe Maia - Cemporcento Skate / Trocando Manobras

“Cara, sinceramente, eu não lembro do primeiro ollie da vida nem das primeiras tentativas. Mas o primeiro significativo foi quando pulei uma micro escada, de dois degraus, na casa da minha bisavó. Eu lembro que pensei "Wow, tô andando muito"; eu devia ter uns 10 anos de idade. O ollie do Rafael Araújo pulando as grades que separam calçada e rua da Avenida Paulista foi o mais foda que já vi, poderoso, com força. O Rafa anda muito! Ele é foda no pop (@rafaelarau no insta), assim como o Nelson Rodrigo (@nelsonrodrigoskt). Curioso que os dois são altos, acho que isso facilita bastante.”

“Acho que a imbicada é o segredo do ollie bem dado. Você conseguir pular e imbicar, fica bonito e sobe mais. Não consigo não pensar no Reese Forbes ao falar de ollie. É o ollie mais daora, até depois de tiozinho.”

“Se não existisse o ollie estaríamos no no comply, né? [risos] Acho que sem o ollie a gente ia andar de street skate de uma maneira bem parecida com o freestyle.”

Murilo Romão - skatista pro e film maker

“Foram muitas tentativas na garagem, muitas e muitas vezes, até conseguir acertar o meu primeiro ollie. Acho que quando consegui subir umas guias seguidas vezes sem errar entendi que tinha aprendido. Com certeza os ollies mais bonitos que presenciei foram de Gustavo Dias, o Guguinha, pé de mola sinistro. Nunca entendi como sai tão alto mesmo sem nada pra pular. Os do Apelão também são demais, muito altos e seguros os ollies desse cavalo. Os meus são ollies normais [risos].”

“Pra mim, o ollie só sobe se tiver algo pra pular, então um conselho é sempre ter algo pra pular, vai aumentando de pouco em pouco e, se você for bem esforçado, logo está pulando uma mesa ou mais. Eu gosto de ollies seguidos, tipo dos japoneses, subindo degrauzinhos muito próximos um do outro, ollie com ritmo, prefiro mais do que altura ou até mesmo distância.”

“Acho que sem o ollie ficaríamos na pegada mais skate surf, com manobras mais como danças e ladeiras. Nem consigo imaginar o skate sem ollie, seria outra coisa, seria mais dançado mesmo, coreográfico, sei lá, talvez ficasse na linha do freestyle. Perderíamos muito.”

Dora Varella - skatista profissional

“Lembro, no começo, quando era meu sonho saber mandar o ollie. Passava a tarde inteira tentando, segurava na grade para ter mais equilíbrio, depois soltava e tentava de novo, filmava, pedia para o meu pai olhar para saber quanto tinha saído do chão [risos]. O primeiro que valeu para mim foi quando consegui subir uma escadinha de dois degraus que tem no meu quintal. O ollie mais impressionante na minha opinião é do Tiago Lemos, aquilo que é ter pop!”

“Como ando mais em transições, gosto de usar o ollie para mandar outras manobras, aéreos e manobras de borda. Para manobras de flat, o ollie é quase sempre fundamental. A única que vem na minha cabeça e que dá pra fazer sem pop é o varial.”

Vitória Mendonça - skatista profissional

“Acho que o primeiro ollie a gente nunca esquece. Lembro que eu ficava segurando numa grade para aprender. Um dia vi que ele já estava consideravelmente alto e então pus um cabo de vassoura no chão e pulei. E assim foi. Cada vez eu colocava mais obstáculos. O ollie mais marcante, com certeza, foi uma vez que eu consegui pular quatro skates empilhados, nunca vou esquecer! Dar um bom ollie, na verdade, não é tão fácil como pensam. O segredo é bater para pular alto, dar uma leve encolhida na perna de trás e esticar a da frente. O tipo de ollie que mais curto são uns ollie shift e uns ollie em gap no gás. Entre as variações do ollie, curto uns kick flips, fs flips, varial flips, e por aí vai.”

Era só assim que o pessoal conseguia levitar sem o uso das mãos antes do surgimento do ollie. Kelly Lynn em página do livro 'A Secret History of The Ollie'. (Divulgação)

Leia mais sobre skate e outros esportes no canal VICE Sports.
Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.