Publicidade
comportamento

Tentei dizer 'sim' para todo cara bizarro que me abordou na rua por duas semanas

Tem muito cara esquisito andando por aí.

por Judith Duportail; Traduzido por Marina Schnoor
13 Outubro 2015, 4:40pm

Numa noite de sábado, enquanto eu esperava o trem na Estação République de Paris, um estranho me perguntou se não podíamos "nos conhecer melhor".

"OK", respondi.

O cara congelou como um animal na frente do farol de um carro. "Sério? Você topa?", ele disse, rindo. "Não estou acostumado com isso!"

Para ser sincera, eu também não.

Leia mais: Como me infiltrei num grupo de orgulho branco do Facebook e o transformei em 'Sulistas LGBT por Michelle Obama'

Decidi conduzir um experimento social em que eu tinha de dizer "sim" e entrar na conversa de todo estranho que desse em cima de mim na rua por duas semanas. Eu queria entrar na cabeça desses caras, descobrir quem eles são, se esses truques dão certo e, talvez o mais importante, se eles têm consciência de que a maioria das mulheres acha isso chato pra caralho e até assustador.

Claro, me reservei ao direito de dizer "não" ou simplesmente ignorar aqueles que realmente me fizessem sentir ameaçada. É sempre bom escutar aquele alerta ecoando na sua cabeça e dar o fora de qualquer situação em que você se sentir desconfortável (além do desconforto normal de ficar jogando conversa fora com estranhos na rua), mesmo que a pessoa diga que está tudo normal. Mas esse cara no metrô não disparou nenhum alarme. Então, começarmos a conversar. As coisas eram um pouco estranhas: eu parada como um poste, ele sentado num banquinho com as mãos juntas.

"Adoro Paris porque as garotas sempre usam vestidos classudos como esse seu", ele me falou. Apesar da conversa fiada forçada, descobri que ele era de Picardie e que gostava de jogar futebol. Ele parecia bem normal, porém, quando eu disse quantos anos eu tinha, a conversa começou a degringolar.

Leia: Toquei 'The Boys Are Back in Town' na jukebox de um bar até ser expulso

"O quê? Você tem 29? Não acredito", ele exclamou, desapontado. Era óbvio que ele estava perdendo o interesse rapidamente; assim, comecei a disparar perguntar aleatórias para tentar reavivar a conversa. "É difícil ser um atleta? De onde você é exatamente em Picardie? Você curte, sei lá, coisas?" Só que as respostas dele foram apenas monossilábicas.

"Não vou te prender mais, Judith. Seu homem deve estar te esperando", ele afirmou, finalmente terminando a conversa. Ficamos um do lado do outro em silêncio pelos dois minutos seguintes enquanto esperávamos o metrô. Foram os dois minutos mais longos da minha vida. Quando o metrô finalmente chegou, entrei no vagão, coloquei meus fones e fiquei vendo-o escolher o assento mais longe possível de mim.

Essa aventura de "Vou dizer sim" tinha começado bem porcamente, mas eu tinha de continuar.

Claro, eu ter 29 anos não seria um problema para outros colegas que tentassem me abordar.

Naquele domingo, enquanto voltava de uma corrida particularmente suada, um cara se aproximou enquanto eu colocava a chave na porta de casa.

"Curte esportes, gata?", ele perguntou.

"Eu tento."

Ele tinha uns 40 anos e estava usando uma parca bege – o "look pai".

"Que ótimo! E você está usando suporte suficiente? Porque parece que você está bem segura aí, entende o que eu digo?" Nessa parte da conversa, ele agarrou os próprios peitos e fez um beicinho por razões que, pra mim, nunca vão ser inteligíveis. "Se eu tivesse coragem, eu ia pedir para pegar neles. Foda-se! Sou corajoso! Posso? Eu tenho dinheiro aqui se você quiser!"

Esse cara foi a razão para eu ter colocado a cláusula do "direito de dizer não" nesse experimento. Ele era um baita cuzão. Ainda assim, tentei ser educada – mas firme.

"Não", eu respondi. "Estou tentando entrar em casa, e você está me deixando desconfortável."

"Ah, você devia dizer se não se sente confiante com seu próprio corpo", ele respondeu.

Entrei e bati a porta com toda força. Toda mulher já encontrou um babaca assim na vida. Felizmente, notei que, quanto mais velha fico, menos pervertidos atraio. Entre os 14 e 18 anos, eu era um ímã de tarados. Os caras me convidavam para ir ao hotel deles ou imitavam cunilíngua nos dedos enquanto olhavam pra mim. Para me envergonhar ainda mais, eles faziam isso mesmo na frente da minha mãe. Deve ter algo na fragilidade das adolescentes que excita esses caras.

Apesar desse otário, o experimento precisava continuar.

O cara seguinte que conheci foi o Yacine. Ele era árabe, como a maioria dos homens que me abordaram durante essas duas semanas. Fiquei pensando se deveria mencionar essa parte, porque não queria alimentar preconceitos raciais idiotas; no entanto, é a verdade, e eu usei isso para quebrar o gelo com o Yacine. "Ah, muitos deles dão em cima de você? Deve ser porque eles têm bom gosto para mulheres!", ele me disse, rindo.

Vou dizer que o Yacine foi o cara mais charmoso que conheci durante o experimento. Quando nos sentamos num banco de metal enferrujado no Parque Belleville, com Paris inteira à nossa frente, me esqueci completamente que estava conduzindo um experimento social.

Talvez porque Yacine fosse bem gato. Moreno, com longos cílios – parecia que ele estava usando rímel. A abordagem dele foi mais original que a dos outros também. Ele veio diretamente na minha direção e perguntou se eu queria fumar um beck.

"Estou fazendo detóx, mas fumaria um cigarro", menti.

Tinha muita gente ao nosso redor: crianças, turistas... logo, me senti segura. Até bem. Sendo assim, me permiti dar um pega no baseado. Yacine contou que morava num bairro do subúrbio chamado Les Lilas, em Seine-Saint-Denis. Ele falou que nunca dava em cima de garotas na rua, só "em ocasiões especiais, quando uma mulher era bonita como eu". Provavelmente, esse era o bordão dele, mas tudo bem.

"Estou tentando achar alguém e ser um homem sério. Quero uma família pequena e uma casa legal como a que meus pais têm. Acho que isso é natural, estou ficando velho. Tenho 30." Ele admitiu que não achava que ia encontrar a mulher dos seus sonhos na rua, embora confessasse que flertar assim era divertido. Às vezes, funcionava; às vezes, ele recebia um "não" na cara.

"Eu sei que deve ser incômodo ser abordada assim. Alguns caras são realmente grossos. Mas acho que entendo essas coisas um pouco melhor. Sabe, minha ex sempre reclamava de 'caras chatos' que a abordavam na rua, porém também reclamava quando não falavam com ela porque isso a fazia se sentir feia. Sério!"

Não era desagradável ouvir o Yacine falar sobre as complexidades do relacionamento entre homens e mulheres. Ele ria constantemente. Gostei de ele ser um cara falante porque isso ajudava a evitar silêncios desconfortáveis.

Ele não fez muitas perguntas sobre o meu trabalho, embora estivesse interessado em pequenos detalhes: se meus pés doíam por causa do salto alto e que tipo de esporte eu praticava. Talvez por isso tenha sido legal falar com ele: ele realmente tinha algo a dizer. Andamos por uns 40 minutos, nos despedimos com um beijo na bochecha quando nos separamos e até dei meu número de telefone para ele.

Com todos os outros caras que conheci, o tom da conversa mudava assim que eu mencionava que era jornalista. Abdelkarim, um cara que conheci numa noite de terça-feira enquanto esperava sentada um amigo num banco na rua, abriu com "Por favor, não me diga que você está esperando seu namorado. Por favor!". O que realmente me fez rir. Ele tinha 23 anos e morava em Saint-Denis. Infelizmente, nunca vamos saber mais do que isso, pois, assim que eu contei o que fazia da vida, ele se fechou.

"Sério? Você é jornalista? Então você é maçom? Pare de mentir. Você é maçom. Ou seu pai é?"

Tentei explicar que nem todos os jornalistas fazem parte de fraternidades misteriosas, porém ele não se convenceu e abortou a conversa.

No dia seguinte, fui abordada por dois estudantes perto da Universidade Sorbonne. Eu estava sentada num terraço quando eles chegaram e perguntaram se eu queria tomar uma cerveja com eles. Esses garotos – estudantes de história e ciência política – ficaram extremamente surpresos quando aceitei. De novo, a conversa mudou de tom quando eu disse que era jornalista. "Você está escrevendo uma matéria para a VICE? Só leio jornais internacionais. Eles são muito melhores. O Le Monde é de direita, e nem vamos falar no Libé", um deles comentou, enquanto o outro concordou com a cabeça.

Quando terminamos a cerveja, um deles foi pegar o ônibus e eu andei com o outro até a estação do metrô. Não tínhamos nada para dizer; então, ficamos rindo nervosamente. Ele ficava repetindo trivialidades sobre os canais de notícias 24 horas, a "ditadura das emoções", as "mesmas imagens transmitidas o dia inteiro", etc. Apesar da falta óbvia de química, quando estávamos prestes a nos separar, ele fez uma última tentativa.

"Você quer ir à minha casa? Moro perto. Poderíamos...", ele fez uma pausa.

Fiquei em silêncio, imaginando se ele teria a coragem de terminar a frase. Se eu fosse uma pessoa legal, eu poderia facilmente sorrir e implicar que entendi, ou apenas recusar e não dar tempo para ele terminar o que estava dizendo. Eu poderia até usar a tática de que não tinha entendido e dar o fora dizendo algo como "Caramba, olha a hora!". Entretanto, não sou uma pessoa legal – e até senti uma pontinha de prazer enquanto ele tentava juntar as palavras.

"Podíamos... podíamos... bom... lá é mais calmo", ele concluiu.

Como você pode imaginar, recusei educadamente.

"Então por que você aceitou beber com a gente?", ele resmungou enquanto ia embora. "Bom, Judith é nome de vadia mesmo."

Ele não teve dificuldade em elaborar essa frase.

Siga a Judith no Twitter.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.

Tagged:
Paris
Dates
França
homens
paquerar
Judith Duportail
experimento social
xevaco
xaveco de rua
fora homens
às vezes dá certo né?
experiência feminina