O tempo espiral de Luiza Lian em 'Oyá Tempo'

Com álbum inspirado na entidade guardiã dos portais do tempo, a cantora une passado, presente e futuro em batidas eletrônicas e temas espirituais.

|
09 Agosto 2017, 9:26pm

Luiza Lian nasceu em São Paulo, mas queria ser baiana. A cantora de 26 anos hesitou por alguns segundos quando a perguntei onde ela tinha nascido, mas acabou respondendo que era paulistana. "Eu sempre quero mentir e dizer que sou baiana, mas nunca consigo", disse Luiza, que morou em Trancoso durante toda a primeira infância e voltou para São Paulo no final dos anos 90.

A vontade de omitir sua verdadeira cidade natal não seria perceptível pela trajetória musical de Luiza, que emergiu de uma cena quase estereotipicamente paulistana com seu álbum autointitulado em 2015, lançado pelo selo RISCO e gravado por músicos membros das bandas Charlie e os Marretas e O Terno. Dois anos depois, a cantora reinventou seu trabalho em Oyá Tempo, lançado em março e cujo show completo será apresentado pela primeira vez no Auditório Ibirapuera no sábado (12).

Oyá Tempo é breve em som — as oito faixas, todas com menos de cinco minutos, mal batem juntas a marca dos 25 — mas composto por algumas diferentes facetas: lançado como álbum visual, conta também com um média-metragem (produzido pelo Filmes da Diaba) e um site (feito pelo artista Dedos, ou Rafael Trabasso) para construir sua narrativa. Numa tarde de julho, Luiza recebeu o Noisey na casa dela pra falar sobre o processo de concepção de Oyá Tempo e sua trajetória como artista.

Leia o restante da matéria na VICE.