Quantcast
É assustador tudo o que dá para descobrir com este spyware comercial

Por um preço módico, é possível ter acesso às mensagens, ligações, fotos e coordenadas de alguém do outro lado do planeta.

Em um bar barulhento e acabado de Berlim, na Alemanha, eu e meu amigo conversávamos. No mesmo instante, a quase 6.500 quilômetros de distância, em um apartamento em Nova Iorque, nos EUA, alguém nos ouvia. 

Com um simples SMS, esse espião havia ativado remotamente o microfone do meu celular, transformando-o em um dispositivo de espionagem clandestino e portátil. O que havia tornado isso possível não era um programa secreto do governo, tampouco um equipamento de vigilância caríssimo. Muito pelo contrário: o software responsável por isso pode ser comprado por qualquer um pela mísera quantia de US$170 — ou até menos.

Bem-vindos à indústria largamente criminosa dos spywares comerciais — softwares maliciosos celulares que podem ser comprados online por cônjuges enciumados, rivais comerciais ou policiais corruptos.

"Esses softwares podem ter funções comuns, dependendo do pacote comprado, ou eles podem ser muito, muito potentes", afirma Yalkin Demirkaya, presidente da Cyber Diligence e investigador forense que já trabalhou em casos envolvendo malwares de última linha. Demirkaya afirmou ter ouvido alegações de que um escritório de advocacia teria usado spywares para roubar informações confidenciais; além disso, ele já lidou com mais de vinte casos envolvendo spywares comerciais, em versões para computador e celular.

Para testar o poder desse tipo de malware, o Motherboard comprou um software especializado em infectar aparelhos Android fabricado por uma empresa polonesa, o Android SpyPhone Rec Pro. Os produtos da empresa são voltados para detetives, mas ao que tudo indica, qualquer um pode comprar programas de espionagem em sua loja online; além de spywares, o site também vende chips utilizados para hackear senhas de aparelhos celulares.

Leia o resto da reportagem eMotherboard.